quinta-feira, 30 de abril de 2009

REFLEXÃO PARA SER FEITA PELO GOVERNO, QUE FOI ENVIADO PARA O JORNALISTA CLÁUDIO NUNES POR UM TENENTE.

“Esta semana estava voltando serviço, acompanhado de um Soldado, desses novinhos que entraram na polícia recentemente, e como a idade impõe, inconformado com a situação salarial da PMSE. Inconformado e revoltado. Me confidenciou em um tom de indignação que torcia para que o processo de cassação do Governador tivesse o pior desfecho. Tentei convencê-lo de que a eleição de Marcelo Deda representou um avanço para a democracia do Estado, pois se oxigenou a política de nosso Estado, que vivia de Albano pra João e vice-versa. Tentei também argumentar que o governo agora trata melhor a coisa pública e que diminuíram as perseguições e privatização do poder. Afinal mesmo com essas medidas de disciplina, em outros tempos o que se via era coisa muito mais violenta. Mas a juventude e impetuosidade daquele jovem militar, humilhado pelas retaliações impostas pelo governo às simples reuniões de militares, e ainda mais pela indignação de receber ¼ do salário de um agente de polícia civil foram me vencendo.Estou cada vez mais triste porque estou perdendo os argumentos. Não sei até quando vou conseguir defender esse governo, o projeto no qual acreditei, votei e apoiei não era este".

Fonte: site Infonet - blog do Jornalista Cláudio Nunes

quarta-feira, 29 de abril de 2009

FAMILIARES DE POLICIAIS FAZEM MANIFESTAÇÃO.

Esposas, filhos, parentes e simpatizantes da causa dos militares sergipanos, fizeram na tarde de hoje uma grande panelaço que contou com mais de 5 mil pessoas, que protestaram contra os baixo salários e as péssimas condições de trabalho dos militares sergipanos. Os manifestantes também hipotecaram apoio aos líderes das Associações Unidas que estão respondendo a processo criminal perante a Justiça Militar por um "suposto motim" e também a sindicância perante a Polícia Militar.

Clique no link abaixo e veja a reportagem completa da manifestação realizada, que foi exibida no SE Notícias 2ª edição da TV Sergipe:
http://emsergipe.globo.com/multimidia/?id=28119

MULHERES DE POLICIAIS FAZEM PANELAÇO.

Passeata no centro da Capital reuniu mais de 5 mil pessoas

Mães, esposas e filhas de PM’s marcharam nesta tarde pelas ruas do centro da capital para chamar atenção dos aracajuanos da luta dos policiais militares. Batendo panelas, assoprando apitos e cantando, as mulheres saíram em caminhada da Praça da Bandeira e seguiram em direção à Assembleia Legislativa.

O panelaço organizado pela Associação das Mulheres de Policiais atraiu políticos e o deputado federal Mendonça Prado, membro da Comissão de Segurança do Congresso. A ex-senadora Heloísa Helena, que estava para vir se somar à manifestação, não compareceu. Segundo a presidente da associação, Eliane Correia, ela não conseguiu conciliar as atividades da agenda dela.

Vários policiais caminharam ao lado das mulheres com máscaras cirúrgicas descartáveis simbolizando uma mordaça. “O governo quer nos calar, nos amordaçou”, disse um PM que pediu para não ser identificado.

A passeata reuniu mais de cinco mil pessoas, segundo cálculos feitos por policiais presentes ao ato. Crianças e idosos seguiram a marcha que tinha também pessoas com dificuldades de locomoção. “É uma falta de respeito a forma como o governo vem tratando os policiais. A luta é justa por melhores salários e condições de trabalho”, afrimou a esposa de um PM.

Fonte: Jornal da Cidade - on-line

MULHERES DE POLICIAIS MILITARES REALIZAM PROTESTO.

A caminhada saiu da Praça da Bandeira com destino ao Quartel da PM para cobrar melhores salários para os policiais militares

Familiares de PM's fazem caminhada

Crianças participam do manifesto

Policiais não comentaram o protesto

Eliana Correia cobra a partitcipação da sociedade

Mulheres, filhos, sogras e mães dos policiais militares realizaram na tarde desta quarta-feira, 29, uma manifestação em favor da categoria que reivindica melhores salários. Ao som de músicas religiosas, com panelas na mão, apitos e faixas, os familiares saíram da Praça da Bandeira, passaram pelo Quartel da Polícia Militar (PM) e encerraram as atividades na Praça Fausto Cardoso, acompanhados dos policiais que usavam máscaras brancas com tarjas pretas na boca. “O movimento é para chamar a atenção da sociedade para a importância da PM”, frisou a representante das Associações das Mulheres dos policiais, Eliane Correia.

Passados quase dois meses de manifestações dos policiais, os líderes das associações que representam a categoria estão respondendo a uma sindicância interna e a um processo. São acusados de desrespeito a corporação e motim. Em decorrência disso, as mulheres tomaram a frente das reivindicações e resolveram sair às ruas para cobrar maior participação da sociedade. “O intuito dessa caminhada é cobrar da sociedade a responsabilidade para com os policiais militares”, reiterou Eliane Correia, enquanto organizava os mais de 500 manifestantes, presentes na Praça da Bandeira.

Salários

Enquanto as mulheres bradavam por melhores condições para os seus maridos, eles optaram por não falar com a imprensa e distribuir folhetos com informações sobre os seus salários e com comparações aos vencimentos dos policiais civis. Pelo documento, os policiais negam os valores que estão sendo divulgados pelo Governo do Estado em comerciais de TV.

O panfleto mostra cópias de contracheques informando que um segundo tenente, por exemplo, ganhou R$ 2.889,67, em março, valor inferior aos R$ 3.735,96, divulgados nas peças publicitárias do Governo. Em outra parte do folheto, eles compararam os salários dos agentes da Polícia Civil, que em dezembro de 2010, estará recebendo R$ 8,1 mil, enquanto um soldado da PM receberá R$ 1.150.
Políticos

Os deputados estaduais da oposição estiveram presentes ao movimento. Para Venâncio Fonseca, “nem nos tempos da ditadura, os policiais sofreram tamanha perseguição, sendo que o atual governador foi formado nas lutas das categorias de classe e agora tenta impedir a manifestação pacífica dos policiais”.

Augusto Bezerra concordou com Fonseca e cobrou uma resposta do Governo. “Essas mulheres precisam de uma resposta, pois são elas que estão sendo prejudicadas com o tratamento que vem sendo dados aos policiais”.
Contracheques

O secretário de Estado da Administração, Jorge Alberto, explicou que os contracheques variam de acordo com o cargo e reiterou que os dados divulgados pelo Governo correspondem aos valores que os policiais estão recebendo atualmente.
Fonte: site Infonet

MULHERES VÃO ÀS RUAS EM DEFESA DOS MILITARES.

Familiares de policiais militares saíram às ruas em defesa dos direitos da categoria. Na tarde de hoje (29), mães e mulheres de militares promoveram um ‘panelaço` como forma de protestar o posicionamento do governo do Estado diante das reivindicações feitas pela classe.

"Os policiais não podem ser perseguidos da forma como está ocorrendo porque resolveram lutar por seus direitos. Eles não podem ser punidos e ameaçados de prisão", afirma a mulher de um policial. Munidas de panelas e tampas, mulheres e mães fizeram barulho no centro comercial de Aracaju com o objetivo de chamar a atenção da sociedade parta os fatos que vêm ocorrendo na corporação.

Melhores condições de trabalho

Policiais e bombeiros militares estão em campanha por melhoria de condição de trabalho e de salário desde fevereiro deste ano, quando entregaram proposta de reordenação da polícia. A proposta tem três eixos: isonomia salarial entre civis e militares; carga horária definida; e a exigência de nível superior nos próximos concursos para ingresso na polícia ou no bombeiro.

A proposta prevê um soldo de R$ 2,7 mil para o soldado a ser repassado de forma escalonada, a exemplo do que vem ocorrendo com os policiais civis. Esse valor seria alcançado até 2010. Atualmente, o salário-base do PM é de R$ 450, inferior ao salário mínimo atual, que é de R$ 465.

As negociações com o governo já vêm ocorrendo, mas somente na próxima semana é que o governador, Marcelo Déda deverá ter uma posição mais clara sobre o assunto mediante levantamento feito pela Sefaz sobre as contas do governo. Esse estudo só deve ficar pronto a partir dessa segunda-feira.

Fonte: site Atalaia Agora

MULHERES E MÃES DE MILITARES DE SERGIPE PROMOVEM PANELAÇO CONTRA O GOVERNO.

Um grupo de mulheres e mães de policiais militares de Sergipe saiu às ruas nesta quarta-feira (29) para promover panelaço contra os baixos salários pagos pelo governo do Estado a esses trabalhadores da segurança pública. O movimento tem por objetivo mostrar a situação enfrentada pelos militares e busca apoio da sociedade que também é vítima dessa situação provocada pelo governo do PT.

Mobilizadas, as mulheres saíram da praça da Bandeira em direção ao Quartel da Polícia Militar, na Rua Itabaiana, centro, onde fizeram uma rápida concentração para expor as mazelas causadas pelos baixos salários. Com cartaz, o movimento chamava a atenção da população para a crise enfrentada pelos maridos e mesmo filhos.

Como os militares são impedidos de participar de qualquer manifestação, as famílias decidiram ir às ruas protestar em defesa deles. Juntaram-se ao movimento pessoas ligadas a órgãos não-governamentais para dar apoio a essas mulheres que, em nome dos maridos e filhos, lutam por melhores salários.

Fonte: site Fax Aju

PRERSIDENTE EM EXERCÍCIO DA OAB COBRA POSIÇÃO DO GOVERNADOR ACERCA DO COMANDANTE GERAL DA PM NO CASO GIUSEPPE.

Assista aqui a matéria exibida na TV Sergipe no telejornal SE Notícias 2ª edição, onde o Presidente em exercício da OAB/SE, cobra do Governador Marcelo Déda, uma posição com relação ao Comandante Geral da PM/SE no caso Giuseppe, onde o mesmo foi indiciado pelo presidente do inquérito policial militar.

Clicando no link abaixo você verá toda a matéria:
http://emsergipe.globo.com/multimidia/?id=28118

AUGUSTO SE SOLIDARIZA COM MILITARES.

O deputado estadual Augusto Bezerra (DEM) ocupou a tribuna na sessão desta segunda-feira, 27, para prestar solidariedade aos policiais militares que, segundo ele, estão sofrendo com perseguições do Comando da Polícia Militar e do governo do Estado. O parlamentar disse da tribuna que apresentou uma Moção de Solidariedade aos militares e defendeu a tese que no “governo das mudanças” quem reivindica melhores salários acaba punido.

“Protocolei na manhã desta segunda-feira (27), uma Moção de Solidariedade ao capitão Samuel, aos sargentos Edgar Menezes, Jorge Vieira, Alexandre Prado e Anderson Araújo que são policiais militares humilhados e perseguidos pelo governador Marcelo Déda. A sociedade sergipana está abismada quando presencia perseguições como essa, onde estes homens podem ser punidos apenas porque fizeram suas reivindicações sem desrespeitar a pessoa do governador”, justificou.

Augusto Bezerra disse ainda que “querem passar para a sociedade que estes homens são bagunceiros, que fazem motins. Confesso que o chefe do gabinete militar, coronel Carlos Augusto Lima, não merece nem que a gente faça uma Moção de Repúdio. Ele dá um péssimo exemplo, assim como fez em 2001, quando invadiu e levou várias viaturas. É justamente a pessoa que hoje mais faz ameaças à tropa. Ele deveria se dar ao respeito”, completou.

Venâncio Fonseca – O líder da bancada de oposição, deputado Venâncio Fonseca (PP), apresentou em plenário uma tabela que foi publicada na imprensa contestando a tabela de rendimentos pagos aos militares de autoria do governo do Estado e que fora amplamente divulgada na semana passada.

“Os representantes da PM foram didáticos para provar que a tabela do governo é falsa e que não condiz com a verdade. Feita para macular a imagem dos representantes da Polícia Militar. Quem assessorou acabou colocando o governo em maus lençóis. Até sobre o governo de João Alves Filho (DEM) existe uma diferença. Isso é um ato de irresponsabilidade e que não pode ficar impune”, completou.

Fonte: site CNotícias

OAB COBRA POSIÇÃO DO GOVERNADOR.

O Presidente em exercício da OAB/SE, Valmir Macedo de Araújo, lamenta que até o momento o governador Marcelo Déda não tenha se pronunciado a respeito das conclusões do IPM – Inquérito Policial Militar – instaurado para apurar as circunstâncias da fuga do soldado Giusepe Amaral do Presídio Militar de Sergipe (Presmil).

Por solicitação dos cinco policiais militares que estavam em serviço no Presmil na noite em que ocorreu a fuga de Giusepe Amaral, a OAB/SE acompanhou, com cautela, o IPM. O pedido para acompanhar as apurações foi feito à OAB/SE pelo subtenente Lopes, sargento Edvaldo, cabo Brito, cabo Unilson e soldado Carlos Santos.

A OAB/SE lamenta o silêncio do governador durante todo este período, mesmo que o IPM tenha apresentado os indícios, logo no início das apurações, do envolvimento do comandante geral da PM, coronel Magno Silvestre, na fuga de Giusepe Amaral. Inclusive, a imprensa divulgou a visita que o coronel Magno Silvestre fez ao policial militar no Presmil, pouco antes de ocorrer a fuga.

“Os Policiais Militares que se encontravam na guarda reclamaram à OAB/SE que foram sumariamente afastados de suas funções pelo próprio Comandante (coronel Magno Silvestre), atitude que consideraram precipitada e receiosa, diante do relato que fizeram sobre a visita do Comandante, em traje civil, ao preso antes da fuga de Giusepe Amaral”, relata o presidente em exercício da OAB/SE.

Na opinião do Presidente em exercício da OAB/SE, o Governador do Estado, como autoridade superior, deveria ter afastado o coronel Magno Silvestre do Comando Geral da PM enquanto fossem realizadas as apurações, fato, que lamentavelmente, não ocorreu. “Indagado sobre o afastamento do Comandante Militar objetivando uma melhor apuração do IPM, tendo em vista que esse afastamento ensejaria maior liberdade ao Encarregado/Processante, o Governador resolveu aguardar a conclusão do IPM para a adoção das providências cabíveis, entendimento administrativo, no entanto, que não foi considerado em relação aos subordinados do Comandante envolvido”, considera Valmir Macedo. “O Comandante Geral, no entanto, resolveu pelo afastamento sumário de toda a guarnição do Presídio”, complementa o presidente em exercício da OAB/SE.

O Presidente em exercício Valmir Macedo ressalta ainda fatos graves contidos no IPM. “Além da participação do Coronel Magno no processo de facilitação da fuga do soldado Giusepe, restou confirmada graves irregularidades administrativas no reingresso desse soldado nas fileiras da Policia Militar deste Estado, inclusive em relação a documentos judiciais e administrativos”, enaltece o Presidente em exercício da OAB/SE.

“A Imprensa, por sua vez, já divulgou o resultado do IPM e cobrou do Governador as providências cabíveis. No entanto, o Governador, até o presente momento, não adotou nenhuma providência sobre o caso, alegando não ter ainda conhecimento oficial do IPM, mesma cautela, porém, que não teve o Comandante, Coronel Magno, em relação aos seus subordinados, visto que afastou dos serviços, sumariamente, todos militares que se encontravam em serviço no dia da fuga, como assim reclamaram na visita que fizeram à OAB/SE”, relata Valmir Macedo.

Diante dos episódios, condutas administrativas e militares consideradas graves, a OAB/SE cobra, publicamente, do Governador Marcelo Déda imediatas e enérgicas providências em relação à conclusão desse Inquérito Policial Militar, com a aplicação das penalidades e responsabilização de todos os envolvidos.

Fonte: Ascom OAB

OAB-SE COBRA POSIÇÃO DE DÉDA SOBRE COMANDANTE DA PM.

O presidente em exercício da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Sergipe, Valmir Macedo de Araújo, lamentou ontem o silêncio do governador Marcelo Déda (PT) sobre as conclusões do Inquérito Policial Militar (IPM).

O IPM foi instaurado para apurar as circunstâncias da fuga do soldado Giusepe Amaral do Presídio Militar de Sergipe (Presmil), em fevereiro passado“A OAB-SE lamenta o silêncio do governador durante todo este período, mesmo que o IPM tenha apresentado os indícios, logo no início das apurações, do envolvimento do comandante geral da PM, coronel Magno Silvestre, na fuga de Giusepe Amaral. Inclusive, a imprensa divulgou a visita que o coronel Magno fez ao policial militar no Presmil, pouco antes de ocorrer a fuga”, lembrou Valmir.

Fonte: Blog da Jornalista Kátia Santana

VEJAM COMO O GOVERNO TRATA OS MILITARES SERGIPANOS.

COMISSÃO DO CONGRESSO VEM APOIAR MANIFESTAÇÃO DA PM.

Como os policiais militares estão impedidos pelo governo de Déda de realizar manifestação por melhorias salariais, inclusive ontem o juiz Diógenes Barreto acatou a denúncia da justiça militar contra 4 PMs, suas mulheres vão às ruas promover um "Panelaço". Um grupo composto por 4 deputados federais, que fazem parte da Comissão de Segurança Pública da Câmara confirmou presença na manifestação.

Fonte: Jornal Correio de Sergipe

JUIZ ACEITA DENÚNCIA DE MOTIM CONTRA QUATRO LÍDERES DE ASSOCIAÇÕES MILITARES.

O juiz de Direito Militar Diógenes Barreto, da 6ª Vara Criminal, aceitou denúncia formulada pelo promotor de Justiça Militar Jarbas Adelino conta o capitão PM Samuel Alves Barreto, e os sargentos Jorge Vieira da Cruz, Alexandre da Silva Prado e Edgar Menezes Silva Filho.

Todos qualificados na inicial, como incursos nas sanções do artigo 149 inciso I do Código Penal Militar pela prática dos fatos narrados às fls. 01 a 04, que caracteriza crime de motim cometidos pelos militares.

Segundo o juiz Diógenes Barreto, “a peça acusatória relata de forma pormenorizada as condutas dos denunciados, que se ajustam à tipificação imputada na denúncia, descrevendo os elementos configuradores do ilícito penal. Ademais, a documentação encartada nos autos evidencia a existência de indícios suficientes de autoria e materialidade da infração penal atribuída aos denunciados. Assim, entendo que a denúncia preenche todas as condições exigidas pelos artigos 30 e 77 do Código de Processo Penal Militar para o seu recebimento”.

Diógenes Barreto designou a audiência de qualificação e interrogatório dos acusados para o dia 28 de maio de 2009 às 7:30 horas na 6o Vara.

Acrescenta que em face da acusação envolver oficial e praças, “estes deverão ser processados e julgados pelo Conselho Especial de Justiça Militar”. O juiz designou o dia 20 de maio de 2009 às 07:30 horas, para a realização do sorteio dos juízes militares, “nos termos dos artigos 20 e 23, § 3º da Lei nº. 8457/92”.

Fonte: site Fax Aju

JUIZ ACATA PROCESSO CONTRA LÍDERES DE ASSOCIAÇÕES MILITARES.

O juiz Diógenes Barreto acatou a denúncia do Ministério Público da Polícia Militar e vai pedir a abertura de processo contra os líderes das associações de policiais militares

Juiz Diógenes Barreto

O juiz Diógenes Barreto acatou a denúncia do Ministério Público da Polícia Militar e vai pedir a abertura de processo contra os líderes das associações de policiais militares. A decisão foi tomada nesta terça-feira, 28, na 6ª Vara de Justiça, que é responsável por questões relacionadas à corporação. No dia 28 de maio, os policiais serão ouvidos pelo juiz.

O processo será julgado pelo Conselho Especial de Justiça, que vai avaliar a atitude dos policiais durante os protestos realizados pelas associações. De acordo com a Assessoria de Comunicação da PM, a notificação para os policiais será encaminhada ao Comando da corporação, que informará aos acusados sobre a abertura do processo.

Na última sexta-feira, 24, os policiais foram ouvidos pelo coronel Antonio Vieira dos Santos, encarregado da sindicância, que avalia a queima do Judas, ocorrida em 11 de abril.

Fonte: site Infonet

terça-feira, 28 de abril de 2009

DENÚNCIA CONTRA OS REPRESENTANTES DAS ASSOCIAÇÕES UNIDAS É RECEBIDA PELO JUIZ DA JUSTIÇA MILITAR.

O Dr. Diógenes Barreto, Juiz Militar, recebeu nesta terça-feira, dia 28, a denúncia apresentada pelo Dr. Jarbas Adelino, contra os representantes das Associações Unidas, Cap. Samuel, Sgt. Vieira, Sgt. Prado, Sgt. Araújo e Sgt. Edgar, que agora serão processados pelo crime de motim, em virtude de estarem lutando por melhores condições salariais e de trabalho para os militares sergipanos.

Veja abaixo, o despacho proferido pelo Juiz recebendo a denúncia:

Despacho
Dados do Processo
Número
200920600353
Classe: Ação Penal
Competência: 6ª VARA CRIMINAL
Ofício: único
Situação: ANDAMENTO
Distribuido Em:23/04/2009

Partes do Processo:


Autor: JUSTICA PUBLICA
Reu: ALEXANDRE DA SILVA PRADO
Pai: NAO CONSTA

Mae: NAO CONSTA

Reu: EDGAR MENEZES SILVA FILHO

Reu: JORGE VIEIRA DA CRUZ

Reu: SAMUEL ALVES BARRETO
Pai: MANOEL ALVES BARRETO

Mae: SALVELINA IZIDORO BARRETO

Processo nº 200920600353

Vistos etc...

O Promotor de Justiça Militar ofereceu denúncia Contra SAMUEL ALVES BARRETO, JORGE VIEIRA DA CRUZ, ALEXANDRE DA SILVA PRADO E EDGAR MENEZES SILVA FILHO, todos qualificados na inicial, como incursos nas sanções do artigo 149 inciso I do Código Penal Militar pela prática dos fatos narrados às fls. 01 a 04.

Para o recebimento da denúncia exige a legislação processual militar que a mesma atenda aos requisitos estabelecidos nos artigos 30 e 77 do CPPM

No presente caso, a peça acusatória relata de forma pormenorizada as condutas dos denunciados, que se ajustam à tipificação imputada na Denúncia, descrevendo os elementos configuradores do ilícito penal.

Ademais, a documentação encartada nos autos evidencia a existência de indícios suficientes de autoria e materialidade da infração penal atribuída aos denunciados.

Assim, entendo que a denúncia preenche todas as condições exigidas pelos artigos 30 e 77 do Código de Processo Penal Militar para o seu recebimento.

Isto posto, recebo a denúncia, e em conseqüência designo audiência de qualificação e interrogatório dos acusados para o dia 28 de maio de 2009 as 07h30min no auditório desta vara.

Em face da acusação envolver oficial e praças, estes deverão ser processados e julgados pelo Conselho Especial de Justiça Militar. Sendo assim, designo o dia 20 de maio de 2009 às 07h30min, no auditório desta vara, para a realização do sorteio dos Juízes Militares, nos termos dos artigos 20 e 23 § 3º da Lei nº. 8457/92.

Encaminhe-se cópia da denúncia e deste despacho ao Comandante Geral da Polícia Militar do Estado de Sergipe.

Cite-se. Intime-se e Requisite-se.

Aracaju, 28 de abril de 2009

DIOGENES BARRETO
Juiz de Direito Militar

AMANHÃ SERÁ REALIZADO UM GRANDE PANELAÇO ORGANIZADO PELAS ESPOSAS DOS MILITARES SERGIPANOS.

Amanhã, dia 29, às 14:00 horas, as mulheres, parentes e simpatizantes da causa dos militares sergipanos, irão realizar uma caminhada batendo panelas, para solicitar do Governo do Estado melhores condições de trabalho, reajuste salarial, bem como, demonstrar apoio aos representantes das Associações Unidas que estão repondendo sindicância junto a PM, face as manifestações realizadas de forma pacífica e ordeira. A concentração está marcada para as 14:00 horas desta quarta e terá inicio na Praça da Bandeira e terá como destino o Quartel Geral da Policia Militar.

SERÁ QUE A SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO NÃO POSSUI OS VALORES REAIS DOS VENCIMENTOS DOS MILITARES, DIVULGANDO UMA TAVELA INVERÍDICA?

COM A PALAVRA O SECRETÁRIO JORGE ALBERTO.

COMISSÃO DE SEGURANÇA DO CONGRESSO VEM A SERGIPE APOIAR MANIFESTAÇÃO DA PM.

Uma comissão composta por quatro deputados federais, que fazem parte da Comissão de Segurança Público da Câmara dos Deputados, confirmou presença nesta quarta-feira (29), em Sergipe, quando as mulheres dos policiais militares farão uma marcha em protesto ao atraso nas negociações entre o governo do estado e a policia militar. A chegada dos parlamentares em Aracaju está prevista para as 13:00 horas desta quarta. A ex-senadora Heloisa Helena também se mostrou interessada em apoiar a luta dos PMs e deve confirmar a sua presença.

Segundo informação passada pela presidente das Associações das Esposas dos PMs, é de que foram enviados ofícios a todos os deputados estaduais e federais, para que participem da manifestação.

As mulheres dos PMs, vão realizar uma caminhada batendo panelas, para solicitar do Governo do estado melhores condições de trabalho e reajuste salarial. A decisão foi tomada na última quinta-feira (23), na Assembléia, ocorrida no Cotinguiba Esporte Clube.

A concentração está marcada para as 14 horas desta quarta e terá inicio na Praça da Bandeira e terá como destino o Quartel Geral da Policia Militar.

Pensão Vitalícia

As Associações Unidas da Policia Militar vão iniciar na próxima segunda feira (04), uma campanha para acabar com as pensões vitalícias concedidas a ex-governadores de Sergipe. Eles estarão nas ruas colhendo assinaturas, para ganhar força nessa luta.

Fonte: site Fax Aju

VENÂNCIO DIZ QUE GOVERNADOR MENTE.

O líder da bancada de oposição na Assembleia Legislativa, deputado estadual Venâncio Fonseca (PP) revelou hoje (28) que os assessores do governo "mentiram" para o governador Marcelo Déda (PT) sobre a tabela salarial dos policiais militares.Exibindo contracheques, cujos dados diferem dos que foram apresentados pelo governo, Venâncio revelou que um segundo tenente, em março de 2009, recebeu R$ 2.889, embora o governo tenha divulgado uma tabela com uma remuneração de R$ 3.735.

"Já o contracheque de um terceiro sargento diz que ele recebeu R$ 1.645, quando o governo afirma que pagou R$ 2.154. Por fim, o contracheque de um cabo que recebeu R$ 1.451, mas o governo divulgou que pagou R$ 1.993", afirmou, ressaltando que "o que eu disse, repito: segundo esses contracheques dos policiais, a assessoria do governador passou números falsos, tanto que elaboraram uma tabela como essa".

Fonte: site Atalaia Agora

CEL. MAGNO PODE SER INDICIADO POR FUGA.

O Inquérito Policial Militar (IPM), que apura a fuga do soldado Giussepe do Amaral Carvalho, ocorrida na madrugada do dia 19 de fevereiro, do Presídio Militar, sugere o indiciamento do comandante geral da corporação, coronel Magno Silvestre e mais outros 12 militares. O IPM, presidido pelo coronel Messias dos Anjos, está nas mãos do comandante para análise. “Estamos aguardando para sabermos a posição do coronel Magno nesse caso”, disse o assessor de comunicação da PM, coronel Carlos Pedroso, que não teve acesso ao inquérito. O IPM, segundo o coronel Pedroso, é uma peça informativa e não tem o poder de pedir o indiciamento de ninguém. A atribuição de indiciar ou não as pessoas interrogadas é da Auditoria Militar. O oficial desconhece o teor do depoimento do coronel Magno Silvestre, ouvido pelo presidente do IPM. Ele explicou que o comandante abriu mão das prerrogativas e quis ser ouvido no inquérito.
O inquérito sobre a fuga de Giussepe tem cerca de mil páginas, compostas de mais de 55 interrogatórios, sendo mais de 20 de oficiais, dentre eles o comandante da PM. A expectativa de Pedroso é que ainda essa semana, o coronel Magno se pronuncie ou autorize a assessoria de comunicação da PM a divulgar algo sobre o assunto.

A PM deve instaurar outros procedimentos investigativos. Um deles, já está em andamento e apura como se deu a volta de Giuseppe, aos quadros da PM. A informação é de que as provas contidas no IPM sobre a fuga, apontam que houve fraude na reintegração do militar, que passou quase 20 anos como desertor, só se apresentando à corporação depois de completar os 45 anos, um dos requisitos para prescrição da sua punibilidade. Além da volta de Giuseppe, a PM também deve investigar como o militar, lotado em Propriá, morava em Pernambuco.

Retrospecto

Giuseppe do Amaral Carvalho – ex-integrante do grupo de extermínio, denominado “Missão”, grupo de extermínio formado por militares que atuou em Sergipe, na década de 1980, no combate ao roubo de gado em Sergipe –, passou quase 20 anos como desertor e conseguiu, segundo informações da polícia, ser reintegrado de forma fraudulenta à instituição.

A fraude no regresso a caserna, foi descoberta depois que ele foi preso por determinação da Justiça de Pernambuco, onde responde a processos por homicídios. Além disso, há indícios de que ele recebia salário sem trabalhar no 2º Batalhão da Polícia Militar (BPM), sediado em Propriá.

Giuseppe foi recapturado 52 dias depois de escapar do Presídio Militar (Presmil). O militar não ofereceu resistência às equipes do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), e do Comando de Operações Especiais (COE). Com ele foram encontrados contracheques, R$ 1,5 mil em dinheiro, uma Bíblia, uma carteira de identidade em nome de Pedro Pereira Melo com a foto do fugitivo, um cheque em branco e uma cópia de outro no valor de R$ 2 mil em nome de Marcos Ramos de França.

Fonte: Jornal da Cidade

RELATÓRIO INDICA FACILITAÇÃO DE FUGA DE PRESO POR COMANDANTE.

O relatório sobre a fuga do policial militar Giuseppe Amaral Carvalho do Presídio Militar (Presmil) em 19 de fevereiro deste ano, entregue à Justiça Militar na quarta-feira passada (22), dá conta de possível facilitação por parte do comandante geral da Polícia Militar (PM) do Estado: o Coronel Magno Silvestre.

Com 39 páginas, o relatório do Inquérito Policial Militar (IPM) sobre o caso, aponta para o envolvimento de 11 envolvidos na fuga, dentre eles, o cel. Magno Silvestre, acusado de desobedecer ordem judicial, pois protelou entrega de Giuseppe à Justiça.

Transgressão disciplinar, negligência, prevaricação, omissão, privilégios, falsificação de documentos, falta de compromisso com a verdade e ao expediente, desobediência, facilitação na fuga e fraude são as acusações feitas pelo encarregado do IPM, o cel. dos Anjos, em relação ao cel. Magno Silvestre.

De acordo com o cel. dos Anjos, a sugestão para o caso seria de que o comandante geral da PM se julgue impedido de apreciar o inquérito e o encaminhe para a auditoria militar; além disto, ainda sugere serem feitos novos procedimentos de investigação para identificar e responsabilizar os envolvidos.

Fonte: site Atalaia Agora

COMANDANTE DA PM É INCRIMINADO POR FUGA.

Mais uma crise pode explodir hoje na Polícia Militar de Sergipe, a partir da divulgação das conclusões do Inquérito Policial Militar (IPM) que apurou o caso do soldado Giusepe Amaral Carvalho, foragido da justiça pernambucana que escapou do Presídio Militar de Aracaju (Presmil) na madrugada de 10 de fevereiro deste ano. O relatório do inquérito, entregue ao comando na semana passada e revelado ontem no noticiário noturno da TV Sergipe, apontou fortes indícios de crimes praticados por 11 militares da corporação. Entre elas, está o coronel Alberto Magno Silvestre, atual comandante-geral da corporação.

O texto do relatório foi redigido e assinado em 22 de abril pelo coronel Manoel Messias dos Anjos, encarregado do IPM, que ouviu mais de 50 pessoas envolvidas com o caso, incluindo Giusepe, o comandante, ex-comandantes, oficiais do alto comando, ex-diretores do Presmil e policiais que ali trabalhavam na guarda da unidade até o dia seguinte à fuga. Ao todo, foram 695 páginas de fotos, ofícios e textos dos depoimentos, incluindo 39 dedicadas ao relatório, entregue ao comando pelo escrivão do IPM, tenente-coronel Abner Lobo, juntamente com uma pistola calibre ponto 40 apreendida com Giusepe quando ele foi recapturado, no dia 3 de abril, em um apartamento da zona sul de Maceió (AL).

A conclusão aponta que todas as causas, fatos e conseqüências do Caso Giusepe envolvem práticas de negligência, prevaricação, omissão, privilégios, falsificação de documentos, falta de compromisso com a verdade e ao expediente, desobediência, facilitação de fuga e fraudes. Muitas destas faltas referem-se à forma como Giusepe, acusado por mais de 40 homicídios em Pernambuco, foi reintegrado à corporação em 2006, após passar mais de 20 anos fora do serviço e, por isso, processado, preso e expulso por crime de deserção.

Baseado nas provas anexadas aos autos, o documento do IPM citou o coronel Magno Silvestre como primeiro da lista de 11 pessoas sob as quais recaem as autorias dos crimes e práticas citadas. Segundo o texto do coronel Dos Anjos, o comandante teria assumido o risco e protelado a entrega de Giusepe a uma equipe de capturas da Polícia Civil de Pernambuco, que tinha sido enviada para buscar o preso em Aracaju e levá-lo até Recife, onde seria interrogado por um juiz criminal. No dia da fuga, a delegada Beatriz Gibson Cunha, chefe da Polinter pernambucana, afirmou que Magno teria marcado a transferência para a manhã do dia 10, alegando questões de segurança.

Entretanto, havia uma decisão expedida no dia anterior pela juíza Jocelaine Costa Ramires, então titular da 6ª Vara Criminal de Aracaju, ordenando a transferência imediata de Giusepe para Recife, o que aconteceria na tarde do dia 9. A delegada saiu do meu gabinete com a autorização escrita por mim. Não sei o que aconteceu nesse intervalo entre a minha autorização e a fuga do preso. Quero saber quais os empecilhos que fizeram o comandante descumprir minhas ordens, disse Jocelaine, muito irritada, horas depois da fuga. O relatório do IPM diz textualmente que Magno desobedeceu a ordem judicial.

Outros envolvidos - Os nomes dos tenentes Jacson Santos e Evaldo Aragão Mota, então lotados no Presmil, aparecem como responsáveis pelo fornecimento de um telefone celular e de uma serra usada por Giusepe para serrar a grade de uma cela do andar inferior do presídio, onde ele estava detido na madrugada do dia 10. Os integrantes da tropa que guardava a unidade neste dia também compõem a lista dos incriminados pelo IPM: o subtenente José Carlos Lopes; os terceiros-sargentos Edivaldo Santos e Gilvan Lima de Assis; os cabos Hildebrando Pereira Brito e Unilson Xavier de Santana; e os soldados Welton Santos, Joel Dantas Santos e Luís Carlos Pereira dos Santos.

O relatório do Caso Giusepe também cita que dois coronéis da PM cometeram transgressões disciplinares que se contrapõem ao regulamento penal castrense, passiveis de punição pelo Código Penal Militar: o comandante Alberto Magno Silvestre e o então diretor do Presmil Márcio Daltro de Almeida, que foi afastado do cargo no dia da fuga do soldado. No fim do relatório, o coronel Dos Anjos faz uma recomendação expressa: Sugere ao Excelentíssimo Senhor Comandante-Geral da PMSE que se julgue impedido de apreciar o presente IPM, encaminhando os autos para a Auditoria Militar para análise e outros procedimentos.

Os rumores de que o coronel Magno teria sido indiciado no IPM do caso Giusepe começaram a surgir na manhã de ontem e fizeram o setor de relações-públicas da PM negar tal informação. Primeiro não existia nenhum PM e depois, quem indicia é o Ministério Público, disse o chefe do PM-5, coronel José Carlos Pedroso, ao Portal Infonet, antes de ser desmentido pelo relatório divulgado ontem à noite. Acredito que ainda esta semana, o comandante deverá tornar pública a análise do relatório, acrescentara ele. (com informações da TV Sergipe)

Fonte: Jornal do Dia

segunda-feira, 27 de abril de 2009

COMANDANTE DA POLÍCIA MILITAR, CEL. ALBERTO MAGNO SILVESTRE E OUTROS MILITARES SÃO INDICIADOS NO IPM SOBRE A FUGA DE GIUSEPPE.

Confira detalhes do inquérito do caso Giuseppe

O Comandante Geral da Polícia Militar do Estado de Sergipe Cel. Alberto Magno Silvestre foi indiciado, juntamente com outros militares, no Inquérito Policial Militar que apurou a fuga de Giuseppe do Presídio Militar.

Clique no link abaixo e veja a reportagem exibida hoje, no SE Notícias 2ª edição da TV Sergipe acerca do fato:
http://emsergipe.globo.com/multimidia/?id=28071

O PT ERA CONTRA A DITADURA, MAS AGORA USA DOS ARTIFÍCIOS DAQUELA ÉPOCA CONTRA OS MILITARES QUE REIVINDICAM MELHORIAS. É PT, QUEM TE VIU E QUEM TE VÊ!

O GOVERNO, A PM E O EMBATE.

O Governo do Estado conseguiu encontra um grupo de sindicalistas que peitou a vontade petista de governar livre de qualquer manifestação e de qualquer contestação. Os policiais militares de Sergipe se organizaram, foram às ruas, fizeram passeatas, queimaram Judas e disseram que não aceitam um salário indigno para suas funções - embora tenho encontrado reação dura do governador e a ponderação de que esteja pagando por tolerar muito. Ameaçaram aquartelamento, mas foram inteligentes e reagiram de outra forma: os dirigentes das Associações cobraram dos associados mais empenhos em suas ações de rua, como forma de demonstrar ao Governo a importância do trabalho ostensivo do policial.

Afinal de contas, queimar Judas e dizer que não recebe salário digno virou motivo de sindicância na PM? O capittão Samuel e os sargentos Vieira, Prado, Araújo e Edgar prestaram depoimento na última sexta-feita, 24, no Quartel do Comando por causa da queima de um Judas na Orla de Atalaia. Olha que o Judas representava apenas o soldo do PM, não tinha rosto e nem o nome de nenhuma autoridade. O Governador endureceu o jogo e eles podem ser presos, punidos e até expulsos da PM porque resolveram peitar o Governo do PT que tanto incentivou greves em outros tempos.

Em uma entrevista coletiva, o capitão Samuel e o sargento Vieira disseram que os sindicalistas foram ameaçados por membros da Casa Militar do Governo dentro do Quartel do Comando. As ameaças se dão pelo fatos dos atuais líderes do movimento participarem de assembléias e o grande motivo é o fato que os PM's peitaram o Governo, que se acha intocável. Logo os membros da Casa Militar que em 2001 faziam parte do movimento grevista que fez aquartelamento no Governo de Albano Franco. O sargento Vieira chutou o balde e disse em um programa de rádio que recebeu ameaças do próprio Marcelo Déda. "Diga a esse sargentinho, que eu sou o Governador do Estado", teria dito Déda. Em entrevista do Conform, Déda não faz rodeio e vai ao ponto: "O grande risco deste debate está na hora em que você admite, por exemplo, que um sargento vá a uma emissora de rádio e desabone a um major ou um coronel, ou um governador, ou o seu comandante. Imagine se essa cultura se incorporar à vida militar!"

Depois de quase três meses de negociação, o Governo conseguiu trazer a PM para o seu lado. Tinha liberado o nível superior para os oficiais e se comprometido a fechar uma carga horária de 44 horas semanais a partir de 1º de julho e 40 horas semanais a partir de 1º de janeiro de 2010. Tudo em lei. Um avanço significativo para os policiais que chegaram a trabalhar 36 horas ininterruptas . Mas bastou uma propaganda e a revolta recomeçou: O Governo divulgou uma tabela salarial que os militares consideram completamente distorcida e tudo o que foi negociado foi por água abaixo. Em uma assembléia realizada no Ginásio do Cotinguiba na quinta, 23, o sentimento dos PM's é de que tinham sido enrolados.

Eles reivindicaram melhores salário e condições de trabalho sem parar de trabalhar, não fizeram aquartelamento e fazem seus movimento de forma ordeira e pacífica.

Fonte: Jornal Cinform

PARADOXO PETISTA.

O modo como o Governo do PT no Estado de Sergipe lida com a segurança pública denota conservadorismo, ortodoxia e incompetência na gestão de assunto tão importante para o povo. Com isso, as mudanças propaladas em campanha eleitoral e pretendidas pelas pessoas que levam a sério a segurança dos cidadãos sergipanos ainda não se fazem notar.

As intervenções nesta seara da gestão pública limitam-se a construção de estruturas físicas, a compra de equipamentos e ao pífio aumento de efetivo, valendo-se da velha fórmula militaresca de "combate" da criminalidade pelo aumento dos meios disponíveis.

Ora, a história e a Academia já demonstraram que ações desta ordem não resolveram o problema de segurança. então, por que o Governo insiste neste modelo? Qual é a política de segurança pública? Em que sentido e por quais parâmetros pretende o Governo modificar a gestão e os resultados? Estas são questões em aberto para a sociedade sergipana.

A bem da verdade, nem o Governo sabe qual é a política adotada. Vive-se em Sergipe um estado de empirismo que ao sabor das convicções pessoais dos gestores da segurança pública, propicia uma gama de experimentações danosas aos cofres públicos, calcadas num modelo reativo-repressivo inoperante em face da dinâmica da criminalidade.

Os profissionais da segurança pública figuram como enxugadores de gelo, cada qual concentrado no seu quadrado, realizando a tarefa como melhor lhe parece, sem saber nada sobre os demais, sobre a máquina de fabricação do gelo, nem da água que a abastece. O patrão, leia-se governo, limita-se a comprar panos novos e diz não entender a ineficiência do sistema.

Assim, na realidade maquiada pelas campanhas de marketing, as feridas da segurança pública são escondidas sob a alegação de que nunca antes um Governo fez tanto pela segurança. Uma postura imponente, uma pitada de boa retórica, meias-verdades cirurgicamente encaixadas nos discursos e a efusiva alegação de comprometimento com o povo são os ingredientes da receita de acomodação política adotada pelo Governo.

Todavia, feridas escondidas também sangram. E, quando vêm à tona na forma de reivindicações dos policiais militares, o Governo do PT, justamente aquele formado nos embates de classes nos quais a polícia era utilizada como meio repressor, lança mão de uma regra do Código Penal Militar da época da ditadura e proíbe o exercício democrático do direito de livre reunião pacífica, na tentativa de reprimir a polícia e esconder da sociedade as mazelas da Segurança Pública. Paradoxo dos paradoxos, o Governo do PT é ortodoxo.

Fonte: Jornal Cinform

ARRASTÃO NA PRAÇA DA IMPRENSA.

Deu na coluna de Ivan Valença: “A imprensa local não deu uma linha sequer ao “arrastão” ocorrido na tarde/noite de domingo último na praça da Imprensa. Uns 30 jovens invadiram os bares e restaurantes das proximidades que estavam abertos e levaram celulares, gravadores etc. Isso seria o mínimo se não tivesse agredido clientes do Brandy’s Bar que assistiam ao Fla-Flu daquele domingo. Dois destes clientes tiveram que ser atendidos pelo Samu. A polícia não deu o ar da graça, embora insistentemente tivesse sido chamada por moradores de prédios vizinhos que assistiam à confusão de seus apartamentos”.

Fonte: blog do radialista Eduardo Abril

A INSEGURANÇA CONTINUA EM ARACAJU.

Assaltos a restaurantes e bares

O segmento do turismo está assustado. A propaganda que Sergipe é um roteiro tranqüilo está sendo quebrada com a onda de assaltos a restaurantes e bares. É uma quadrilha grande, fácil de detectar. Agora os comerciantes estão fazendo um abaixo assinado para pedir segurança. Até quando o governador ficará refém da cúpula que está aí....

Fonte: site Infonet - blog do Jornalista Cláudio Nunes

ENTRA GOVERNO E SAI GOVERNO E HAJA DESCULPA PARA NÃO DAR AUMENTO.


CADÊ AS OUTRAS DUAS AUTORIRDADES DO GOVERNO?

domingo, 26 de abril de 2009

DÉDA AMEAÇA PMs QUE PEDEM AUMENTO.

Policiais militares de Sergipe acusam o governo estadual pressionar para que parem de reivindicar aumento salarial. O absurdo é tanto que até o governador Marcelo Deda (PT) teria ameaçado, “depois de uns goles”, o sargento da PM Jorge Vieira, em uma festa. O chefe de gabinete militar do governador, tenente-coronel Carlos Augusto, também teria ameaçado com “punições” os PMs que continuarem a discutir o aumento.

Fonte: site do Jornalista Cláudio Humberto - colunista do Jornal de Brasília

VEJAM AQUI FOTOS DOS LÍDERES DAS ASSOCIAÇÕES UNIDAS QUE ESTÃO RESPONDENDO SINDICÂNCIA, POR LUTAR POR MELHORIA PARA OS MILITARES.

Vejam aqui fotos dos líderes das Associações Unidas, que estão respondendo sindicância perante a Polícia Militar do Estado de Sergipe, por estarem defendendo os direitos dos militares sergipanos de um melhor salário e melhores condições de trabalho. Será que estamos num país realmente democrático? Continuemos unidos em prol da nossa causa. Todos juntos com nossos companheiros, pois estamos todos no mesmo barco e não esqueçam, a união faz a força. Apoiemos nossos colegas, pois amanhã poderá ser um de nós.

Nossos guerreiros, Sgt. Vieira, Cb. Palmeira, Sgt. Prado e Sgt. Edgar, nossos guerreiros, representantes das Associações Unidas, sendo que os três sargentos estão respondendo sindicância por defender o direito dos militares sergipanos

Capitão Samuel, mais um guerreiro a responder sindicância perante a PM, por defender melhorias para militares

Sgt. Vieira, antes de ser ouvido na sindicância

Sgt. Vieira, assinando suas declarações na sindicância

Cel. Vieira, encarregado da sindicância contra os representantes das Associações Unidas

É ESSA A SEGURANÇA QUE QUEREMOS? LIBERDADE DE EXPRESSÃO E DE ASSOCIAÇÃO É UM DIREITO DA NOSSA CARTA MAGNA.


sábado, 25 de abril de 2009

CHEFE DO GABINETE MILITAR DO GOVERNO AMEAÇA PMs PARA NÃO PARTICIPAR DOS ATOS.

O presidente das Associações da Policia Militar do estado de Sergipe, capitão Samuel Barreto, informou que no final da tarde da ultima quinta feira, o tenente-coronel PM Carlos Augusto, chefe do gabinete militar do governo de Sergipe, esteve juntamente com o Promotor de Justiça Jarbas Adelino, no comando da Policia.

Segundo afirmou Samuel em entrevista ao programa Liberdade sem Censura, o tenente-coronel Carlos Augusto, ameaçou os capitães de punição, caso esses participassem dos atos que as associações estavam fazendo. O PM disse não entender o motivo de Jarbas Adelino estar reunido com o chefe de gabinete militar, já que segundo ele, o promotor de justiça militar é Dejaniro Jonas.

Samuel disse não entender o motivo de ele e mais os representantes das associações estarem sendo perseguidos. Para o promotor Jarbas Adelino, as Associações Militares Unidas desrespeitaram o Comando da PM ao promover manifestações. O promotor de Justiça Jarbas Adelino ajuizou nesta quinta-feira, 23, ação contra quatro oficiais da Polícia Militar de Sergipe.

Revoltado, capitão Samuel disse que tomou conhecimento do fato pela imprensa e que, a continuar como está nenhum policial poderá participar de eventos, já que segundo ele, qualquer comentário feito por um PM, poderá ser entendido como “motim”. “Vai chegar a um ponto que, se alguém estiver falando sobre o governo, temos que sair de perto, pois se não vão nos responsabilizar e nos prender”, desabafou.

Estranho foi a declaração feita por Samuel, informando que, quando às vésperas das ultimas eleições, em uma reunião realizada no clube dos oficiais, o então candidato ao governo, Marcelo Deda, Senador Valadares e Valadares Filho, estiveram presentes e participaram da reunião. “O engraçado foi que, naquela época não foi considerado motim”, disse.

Samuel, durante a entrevista que concedia ao radialista George Magalhães, conclamou toda a classe política para os apoiarem na luta, uma vez que, irão responder processo e se condenados, serão presos. “Vamos pedir apoio do congresso federal, de todos os deputados, independente de partido político, já que não nos deixaram alternativa”, explicou.

Ao final da entrevista, bastante emocionado, Samuel chorou, afirmando que está muito surpreso com a atitude adotada pelo governo do estado.

Também o sargento Edgar externou a sua surpresa e revolta. Edgar disse que tem 17 anos de serviços prestados e que, nesses anos, não teve nenhuma punição. “Sou um homem honesto e nesses anos tive sim o merecimento de receber a mais alta condecoração da policia que é a medalha do mérito militar”, desabafou o sargento.

Sargentinho - Ainda mais revoltado, o sargento Vieira, que tambem é um dos representante de uma das associações da PM, afirmou que o governador Marcelo Deda o havia ameaçado.
Segundo Vieira, em um evento, no Rasgadinho, o governador havia lhe mandado um recado “avisa a esse sargentinho que eu sou o governador do estado”. Segundo Vieira, o governador havia tomado “umas duas”.

Denúncia - O ex-deputado federal João Fontes também se posicionou a favor dos militares. João disse que irá a Brasília denunciar os atos praticados pelo governo, tentando reprimir as manifestações dos PMs.

Fontes disse que irá mostrar ao Brasil os desmandos que estão ocorrendo em Sergipe. O ex-deputado disse também que todos os sergipanos estão de luto, pelas ações do governo.Alto - Também Pedrinho Barreto mostrou a sua surpresa e o seu desagrado com o ocorrido com os PMs. Pedrinho disse que sabia do fato em que o governador Marcelo Deda havia ameaçado Sargento Vieira.

Barreto disse que à época, havia pedido ao sargento para deixar o caso “pra lá”, ele estava “meio alto” e não sabia o que dizia, afirmou Pedrinho Barreto.

Extorsão - Outra denuncia feita pelo Sargento Vieira, foi de que o ex-deputado estadual e radialista Gilmar Carvalho, o havia procurado para conseguir um documento onde segundo Vieira, Gilmar queria extorquir o desembargador Luiz Mendonça.

Sargento Vieira disse também que Gilmar havia marcado encontro com ele e um advogado, tentando que esses traíssem o então candidato a prefeito de Socorro, Fábio Henrique. Vieira disse também que Gilmar usa o programa para se promover. Ainda segundo Vieira, o radialista havia oferecido espaço às associações, em seu programa, em troca de apoio político.

Revolta - Durante a entrevista concedida pelo capitão Samuel, a esposa de um policial entrou no ar e chamou a todas as mulheres para participarem de um ato que acontecerá no dia 29 na Praça da Bandeira, às 14 horas, e seguirão para a frente do Quartel do Comando Geral da Policia Militar, como forma de repudiar a ação do governador.

Fonte: blog do Jornalista Eduardo Abril

OAB EXIGE SOLUÇÃO PARA IMPASSE ENTRE GOVERNO E PMs.

Presidente em exercício da entidade critica gestos autoritários utilizados para reprimir manifestação de policiais militares no Estado.

A OAB/SE está acompanhando com preocupação os fatos, que envolvem perseguições a policiais militares que realizam manifestações em busca de melhores salários e condições de trabalho. “A OAB/SE exige do Estado uma rápida solução para o conflito, visto que o impasse gerado vem causando intranquilidade na sociedade sergipana, principalmente por envolver a segurança pública como atividade vital que o Estado tem o dever de prestá-la com os altos impostos dos contribuintes”, ressalta o presidente em exercício da OAB/SE, Valmir Macedo de Araújo.

Na ótica do presidente em exercício da OAB/SE, o entendimento entre Governo e policiais militares é o melhor caminho para a solução deste impasse. “A OAB/SE, com a concordância das partes, se disponibiliza a intermediar este entendimento, por entender que gestos autoritários revelados nas perseguições às lideranças do movimento policial não condizem com as liberdades públicas que a OAB sempre defendeu, inclusive, no passado, com outras lideranças da sociedade e dos partidos políticos que hoje governam o Estado de Sergipe”, considerou Valmir Macedo.

Fonte: site da OAB/SE

SINDICÂNCIA DE PM's JÁ FOI INSTAURADA.

Os policiais militares que participaram de manifestações por melhores condições salariais, foram convocados para prestarem depoimento no Quartel Geral da Polícia Militar na manhã desta sexta-feira(24). Eles vão ser investigados por uma sindicância Os líderes do movimento foram ouvidos pelo encarregado do processo, coronel Antônio Vieira dos Santos.

"Vamos verificar irregularidades cometidas por militares na Praia de Atalaia e acompanhar também uma entrevista do capitão Samuel", explicou o presidente da sindicância, explicando que tem um prazo de 15 dias para a conclusão do processo.

Segundo o capitão Samuel não houve pressões durante o depoimento. "Só expliquei o que aconteceu no dia 11 de abril, quando queimamos o Judas, como forma de manifestação cultural e do movimento", disse. O sargento Alexandre Prado, representante da Associação Militar, disse que não teme prisão e que acredita na Justiça do Estado.

O Ministério Público Militar, na pessoa do promotor Jarbas Adelino Santos, foi o responsável pelo oferecimento da denúncia de motim. De acordo com o Código Penal Militar, os policiais podem pegar de quatro a oito anos de prisão.

O presidente em exercício da OAB/SE, Valmir Macedo de Araújo, disse que tem acompanhado os fatos envolvendo os policiais militares com preocupação. "Esse impasse entre Governo e Polícia causa intranqüilidade a sociedade sergipana, principalmente por envolver a segurança pública como atividade vital que o Estado tem o dever de prestá-la com os altos impostos dos contribuintes", falou o presidente.

Fonte: site Atalaia Agora

PÚBLICO SE CONFUNDE COM O PRIVADO.

Por mais que alguns digam que é legal não dá para aceitar o público se confundindo com o privado quando o assunto é segurança pública. O Forrozão da FM Sergipe é um bom exemplo. Aliás, enquanto o público se confunde com o privado, o pobre da periferia, que ganha pouco tem que colocar grades em sua casa por conta de todo tipo de agressão e violência.

Fonte: site Infonet - blog do Jornalista Cláudio Nunes

POBRE VILA DA MISÉRIA.

Será que o governador que bradou pelas mudanças está de acordo com medidas da PM em pedir uma ordem judicial para vasculhar uma vila pobre, como a “Vila da Miséria”? E ainda chamar as redes de televisão para mostrar o “trabalho” realizado nas residências dos pobres? Será que esta mesma polícia teria coragem de fazer isso num condomínio de luxo, onde jovens também usam drogas? Será? Ou lá, neste condomínio a segurança privada se confunde com a segurança pública?

Fonte: site Infonet - blog do Jornalista Cláudio Nunes

sexta-feira, 24 de abril de 2009

MULHERES DE PMs VÃO FAZER PANELAÇO DIA 29.

Cotinguiba lotado de militares, mostrando a força do movimento

As mulheres dos policiais militares vão fazer um panela ço nessa quarta-feira para chamar atenção à luta por melhorias salariais que vem sendo conduzida pelos PMs desde o início deste ano. A manifestação, que começa às 14 horas, na praça da Bandeira, tem como destino o Quartel da Polícia Militar. A caminhada foi decidida ontem à tarde pelas esposas dos policiais, que participaram da assembleia geral que aconteceu no Cotinguiba.

Os policiais reunidos decidiram que vão esperar a proposta salarial do governo para decidir se aceitam ou não o conjunto de propostas encaminhado pelo governo esta semana. Por enquanto, o governo sinalizou com redução da carga horária para 44 horas semanais a partir de 1º de junho e de 40 horas semanais a partir de 1º de janeiro do ano que vem. Quanto à outra reivindicação dos PMs e bombeiros de nível superior para ingresso nos quadros da polícia, o governo propôs que a exigência de nível superior seja apenas para oficiais.

Com relação à questão salarial, o governador Marcelo Déda mandou dizer, por meio dos secretários que estão negociando – Jorge Alberto, Administração, João Andrade, Fazenda, e Clóvis Barbosa, Governo –, que só poderá se pronunciar após levantamento feito pela Sefaz sobre as contas do governo. Esse estudo só deve ficar pronto a partir dessa segunda-feira. Segundo os policiais em assembleia, só então, de posse desse levantamento e da resposta à questão salarial, é que os policiais vão se manifestar sobre a contraproposta.

A assembleia de ontem lotou o Cotinguiba. Os policiais e os bombeiros militares estão em campanha por melhoria de condição de trabalho e de salário desde fevereiro deste ano, quando entregaram proposta de reordenação da polícia. A proposta tem três eixos: isonomia salarial entre civis e militares; carga horária definida; e a exigência de nível superior nos próximos concursos para ingresso na polícia ou no bombeiro.

A proposta prevê um soldo de R$ 2,7 mil para o soldado a ser repassado de forma escalonada, a exemplo do que vem ocorrendo com os policiais civis. Esse valor seria alcançado até 2010. Atualmente, o salário-base do PM é de R$ 450, inferior ao salário mínimo atual, que é de R$ 465.

Fonte: Jornal da Cidade

MULHERES DE PM's VÃO REALIZAR "PANELAÇO" DIA 29.

As mulheres dos policiais militares resolveram entrar na briga em favor dos maridos. Vão realizar no dia 29 um panelaço, caminhada batendo panelas, para solicitar do Governo melhores condições de trabalho e reajuste salarial. A decisão foi tomada na tarde desta quinta-feira (23), na Assembléia, ocorrida no Cotinguiba Esporte Clube.

"Nós sabemos a realidade dos nossos maridos. E por isso vamos às ruas lutar pelos nossos direitos. Não é fácil saber que seu marido pode sair vivo para trabalhar e voltar morto. Queremos respeito", disse Eliane Correia, esposa de policial e líder deste movimento. Ela afirmou que o objetivo é colocar nas ruas duas mil mulheres de policiais. A concentração será na praça da Bandeira e terá como destino o Quartel Geral da Policia Militar.

Ainda na assembléia, os militares policiais, que estão participando do movimento "Tolerância Zero", discutiram as questões relacionadas à reação do governo para com a categoria. As punições que estão sendo anunciadas, a exemplo de prisão no presídio militar da Bahia. Eles deliberaram que vão esperar até o dia 30 para ter conhecimento das propostas do Governo, a partir daí, a categoria se reúne novamente em assembléia e tomará outras decisões.

Fonte: site Atalaia Agora

PM ABRE AÇÃO CONTRA LÍDERES DE ASSOCIAÇÕES.

O clima voltou a ficar tenso entre o governo estadual e os policiais militares. As Associações Militares Unidas, que representam a categoria, convocaram a imprensa ontem para revelar que o comando da Polícia Militar abriu sindicância contra seus presidentes. Eles afirmam que foram convocados ao Quartel Central da corporação para prestar depoimentos ao coronel Antônio Vieira, presidente do processo aberto para apurar um protesto realizado pela categoria no último dia 11.

As oitivas foram marcadas para às 8h de hoje, mas podem ser adiadas devido a uma reunião de negociação entre representantes do governo e das entidades militares, que foi marcada para o mesmo horário e o mesmo local. A hipótese foi admitida pelo próprio coronel Vieira, que disse não ver problemas no adiamento.

O protesto citado aconteceu na Orla de Atalaia e, por ser dia do Sábado de Aleluia, os manifestantes queimaram um boneco de Judas Iscariotes, que representava os baixos salários dos militares. Sem admitir sua irritação, o comando confirmou a abertura do inquérito e quer saber se os sindicalistas cometeram abusos disciplinares ou se rebelaram no ato ou em outros protestos. A suspeita foi negada pelos líderes das associações, que garantem ter agido dentro do que diz a Constituição Federal.

De acordo com um dos líderes, o capitão Samuel Alves Barreto, afirma que o ato representou uma postura de perseguição contra os líderes, adotada por parte de pessoas ligadas ao governo estadual. Eles estão sofrendo pressões diversas. Essa sindicância que eles instauraram é uma delas. É uma prova concreta que pode gerar demissões e prisões. Nós também estamos vendo carros que ficam atrás da gente o tempo todo e visitando os nossos familiares, além de investigações sociais, denunciou o capitão.

Ele acrescentou que tais pessoas ligadas ao governo estariam articulando a prisão dos militares e a respectiva transferência deles para um presídio ligado à Polícia Militar da Bahia, em Salvador. E garantiu que as entidades possuem, como prova disso, uma gravação que mostra um alto funcionário do Palácio de Despachos afirmando que irá demitir e expulsar os PMs que estão participando das reivindicações. Nem o nome dele e nem a gravação foram divulgados. Esta pessoa está semeando a guerra na corporação, acusou Samuel.

Números contestados - Na mesma coletiva, as Associações Unidas contestaram as informações divulgadas neste fim de semana pelo governo estadual, que afirmou ter concedido à Polícia Militar reajustes salariais seis vezes superiores à inflação, sendo um aumento de 10% em 2008 e outro no mesmo valor em janeiro deste ano. O anúncio apresentou uma tabela cujos salários entre as patentes variam entre R$ 1.570 (soldado não-engajado) e R$ 9.864 (coronel).

As entidades militares afirmam que os números divulgados referem-se aos salários brutos dos servidores, sem qualquer desconto. E sustentam que os reajustes alegados referem-se à Gratificação por Compensação de Serviço Externo (Gracoex), que corresponde a 82% do soldo e, segundo o capitão Samuel Barreto, deixa de ser paga aos militares quando eles se aposentam. Ele acrescenta que, no final de 2010, enquanto um coronel pode ir para a reserva com R$ 7.100, um agente da Polícia Civil pode se aposentar recebendo R$ 8 mil por mês.

Fonte: Jornal o Dia

SETE POLICIAIS MILITARES PODEM SER PRESOS.


Dirigentes de associações de militares deram uma entrevista coletiva ontem pela manhã, para falar sobre a distribuição feita pelo governo do Estado, de um panfleto com rendimentos da corporação e a sindicância que foi aberta pela Polícia Militar, com o objetivo de apurar a participação de membros em atos de protesto. Segundo o presidente da Associação dos Oficiais da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, capitão Samuel Barreto, sete militares já foram notificados e chamados para depor. Ele falou ainda que hoje as Associações Unidas da Polícia e Bombeiros Militares divulgarão outro panfleto.

“O panfleto distribuído pelo governo é, no mínimo, equivocado. Colocaram valores de policiais em fim de carreira, acrescentando as gratificações e triênios incorporados. Espero que quem fez esse panfleto reflita e não prejudique mais o governador Marcelo Déda”, ressaltou o capitão Samuel. Ele disse ainda que, alguns assessores do governo “querem pregar a guerra” entre a categoria e o governador. “Temos um dossiê sobre isso, guardado com pessoas de confiança, e que poderá ser usado mais na frente”, acrescentou o capitão Samuel.

O panfleto distribuído no último feriado pelo governo, em alguns sinais de trânsito da cidade, mostra que o salário de um soldado não engajado (ainda em estágio probatório) é de R$ 1.570,36 e do soldado engajado R$ 1.778,42. Porém, os dirigentes das associações dizem que um soldado tem um salário líquido inferior a R$ 1 mil. “É um soldo vergonhoso. Um policial militar está ganhando menos que o salário mínimo proposto pelo Dieese, de R$ 1.620. Se o salário mínimo ideal não chegar no governo do PT, vai chegar no de qual partido?”, questionou o capitão Samuel.

Outra informação trazida pelo panfleto é a de que, o governo atual repôs as perdas da PM investindo nos últimos dois anos, mais de R$ 31 milhões para corrigir as distorções salariais. Diz ainda que o aumento de salário, de soldado a coronel, vai de 48,58% a 69,24% e que esses índices chegam a ser seis vezes superiores à inflação do período, que foi 11,15%. O governo também divulgou que o reajuste concedido à PM em 2008, foi de 10% e mais 10% em janeiro deste ano e que houve um aumento de 100% do seguro de vida para militares vitimados, passando de R$ 15 mil para R$ 30 mil no caso de morte e de R$ 7,5 mil para R$ 15 mil em caso de invalidez.

Para os militares, os dados não condizem com a verdade. “A polícia civil foi valorizada e achamos isso muito bom. Só queremos que o governo sente conosco e converse sobre a realidade. Não tem porque duas polícias trabalharem juntas e serem tratadas de forma tão distinta”, ressaltou o capitão Samuel, acrescentando que os militares garantem a segurança da sociedade, das delegacias, dos presídios e que 240 PMs estão lotados na Secretaria da Fazenda, garantindo também a arrecadação do Estado.

Depois da reunião com o comando da PM – marcada para a manhã de hoje, e na qual continuarão a ser discutidas a questão salarial, definição de carga horária e exigência de nível superior para ingresso na carreira –, os militares se reúnem em assembleia às 15 horas, no Cotinguiba. No último dia 16, os militares estiveram reunidos por mais de três horas com os secretários de Estado Jorge Alberto (Administração), Clóvis Barbosa (Governo), João Andrade (Fazenda), Kércio Pinto (Segurança Pública) e o alto comando da PM.

Sindicância

Desde a semana passada, quando os militares começaram a discutir com secretários de governo e o alto comando da PM a pauta de reivindicações, uma nova reunião ficou marcada para acontecer hoje pela manhã, no Quartel Central, na rua Itabaiana. O problema é que os primeiros sete depoimentos da sindicância também foram marcados para a mesma data e horário. De acordo com o capitão Samuel Barreto, um dos representantes das Associações Unidas da Polícia e Bombeiros Militares, o coronel Vieira, presidente da sindicância, remarcou os depoimentos para esta sexta-feira pela manhã.

Receberam notificação para depor os sargentos Viera, Palmeira, Prado, Araújo e Edgar, além do capitão Samuel e do cabo Bezerra. Conforme a assessoria de comunicação da PM, a sindicância foi aberta para apurar declarações dadas por um militar envolvido na manifestação do último dia 16, e também, por conta da queima de um Judas, realizada na orla da Atalaia no dia 11 de abril, Sábado de Aleluia. A assessoria da PM negou ainda a informação de que, caso algum militar venha a ser punido será levado para o presídio militar da Bahia.

Fonte: Jornal da Cidade

SERÁ QUE ESTAMOS NA IDADE DA PEDRA?

MILITARES VOLTAM A CONVERSAR SOBRE REAJUSTE SALARIAL.

Militares e representantes do Governo do Estado voltam a consersar sobre o reajuste salarial. A reunião foi realizadada na manhã de ontem no Quartel Central da PM.

Veja matéria acerca do assunto que foi exibilida no SE Notícias 2ª edição da TV Sergipe, clicando no endereço abaixo:
http://emsergipe.globo.com/multimidia/?id=27976

quinta-feira, 23 de abril de 2009

PMs VOLTAM A SE REUNIR COM GOVERNO

Esta manhã foi apresentada proposta sobre a nível superior para ingresso na coporação e carga horária




Ocorreu na manhã desta quinta-feira, 23, no quartel geral da PM, mais uma rodada de negociação entre o Governo do Estado e os policiais militares. Na reunião que contou com os representantes das associações dos militares e dos comandantes da PM e do Corpo de Bombeiros, foram lançadas propostas sobre a carga horária e sobre a exigência de nível superior para ingresso na corporação.
A proposta do Governo apresentada pelo Coronel Magno foi de nível superior para ingresso de oficiais, exigência que pode ser estendida para os praças posteriormente. Com relação à carga horária a proposta é adotar 44 horas semanais a partir de 1° de junho e 40 horas a partir de janeiro de 2010. A informação da assessoria de comunicação da PM é de que o comando geral já começou a fazer experiências em algumas unidades com a carga de 40 horas.

Policiais lotam o Cotinguiba

Em assembléia realizada na tarde desta quinta-feira, 23, no Clube Contiguiba, os representantes das associações reuniram os PMs para passar os informes sobre as propostas do Governo. Ao final da assembléia ficou definido que eles só voltarão a se reunir novamente após o dia 30 de abril, quando deverá ocorrer nova reunião com o Governo para definir o único ponto de pauta pendente que é a questão salarial.

Maria Edvan Carmo, presidente da Federação dos Conselhos Comunitários de Segurança de Sergipe
Na assembléia a presidente da Federação dos Conselhos Comunitários de Segurança de Sergipe, Maria Edvan Carmo, apresentou a proposta de fazer uma mobilização em prol dos policiais militares. “Achamos injusto quando falam em prender os policias, eles são os parceiros da comunidade”, afirma.
O ato acontecerá na Praça da Bandeira no próximo dia 29 a partir das 14h de onde sairá uma passeata que contará com participação de esposas, familiares dos policiais e membros das comunidades de Aracaju.

Fonte: site Infonet

REPRESENTANTES DE PMs PEDEM APOIO AOS DEPUTADOS.

Representantes das Associações Unidas estiveram na Assembléia Legislativa do Estado de Sergipe, buscando o apoio dos Deputados Estaduais para a negociação da classe com o Governo do Estado.


Veja matéria exibida no SE Notícias 2ª Edição da TV Sergipe, clicando no link abaixo:
http://emsergipe.globo.com/multimidia/?id=27953

REVOLTA DE UM PM.

Um policial militar devidamente identificado mas que preservamos o seu nome para evitar punições, envia texto para o e-mail da ABSMSE, expondo a sua situação no dia-a-dia:

TRABALHO 24 HORAS, NÃO TENHO ADICIONAL NOTURNO, A POLÍCIA SÓ ME FORNECE (02) DUAS ALIMENTAÇÕES POR DIA, DESCANÇO NO CHÃO, O PAC QUE TRABALHO FOI CONDENADO PELA PRESIDENTE DOS CONSELHOS DE SEGURANÇA DO BRASIL POR CONDIÇÕES INSALUBRES, PARTICIPO DE AUDIÊNCIAS EM MEUS DIAS DE FOLGA, DOU A SOCIEDADE MINHA VIDA EM PROL DE UM SERGIPE DE PAZ E HARMONIA, SOU DISCRIMINADO PERANTE MINHA SECRETARIA E AINDA QUEREM ME PUNIR POR DEFENDER MEUS DIREITOS. E AÍ? É PARA TER MOTIVAÇÃO PARA O TRABALHO?

OFICIAIS DA POLÍCIA PODEM SER PUNIDOS.

Oficiais da Policia Militar que participaram das manifestações podem ser punidos. Sindicância foi aberta para apurar possíveis infrações praticadas por ele. Oficiais serão ouvidos hoje. As Associações Unidas da Polícia Militar rebateu informações do governo sobre a tabela salarial da categoria.

Fonte: Jornal Correio de Sergipe

MILITARES QUESTIONAM TABELA DE REAJUSTE.

Assista aqui a reportagem apresentada no telejornal SE Notícias 1ª edição da TV Sergipe, que mostra que a tabela apresentada pelo Governo do Estado através de propagandas, não traduz a realidade dos fatos.

Clique no link abaixo e veja a matéria completa:
http://emsergipe.globo.com/multimidia/?id=27932

quarta-feira, 22 de abril de 2009

OS MILITARES NÃO PRECISAM DE ESMOLA.

ATENÇÃO PARA O NOVO LOCAL DA ASSEMBLÉIA GERAL DO PRÓXIMO DIA 23.

CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL
No próximo dia 23 de abril do corrente ano, às 14:00 horas, no Cotinguiba Esporte Clube, situado na Avenida Beira Mar esquina com a Avenida Augusto Maynard, próximo ao Iate Clube, será realizada mais uma Assembléia Geral das Associações Unidas.

Solicitamos aos militares que levem pelo menos 01 kg de alimento não perecível (quanto mais alimentos puder levar melhor) e 01 litro de água mineral sem gás, para serem doados aos irmão fregelados da seca que estão passando fome no interior do Estado.

Pedimos a todos que não faltem e divulguem entre os colegas militares esta Assembléia Geral.

O sucesso do nosso movimento depende da união e comparecimento de todos.

AVISO AOS ASSOCIADOS DA ABSMSE.

Devido a Assembléia Geral que será realizada amanhã à tarde no Cotinguiba Esporte Clube, às 14:00 horas, está suspenso nesta quinta-feira a tarde, dia 23, o atendimento jurídico na sede da ABSMSE, para que todos os sócios possam comparecer em massa à citada Assembléia.

Agradecemos a todos pela compreensão, pois é se suma importância a participação de todos os associados.

NEGOCIAÇÃO ENTRE GOVERNO E POLICIAIS MILITARES PODEM CHEGAR AO FIM.

O presidente das Associações Unidas, Capitão PM Samuel Barreto, em entrevista coletiva concedida na manha desta quarta feira (22), afirmou que é equivocada a tabela salarial da PM divulgada esta semana pelo governo do Estado. O governo distribuiu um planfleto sobre o salário da classe, porem segundo Samuel, a divulgação não traz a verdade.

Para Samuel, está havendo uma informação distorcida por parte do governo do estado. Ele explica que, ao final de 2010 um coronel da PM vai para a reserva recebendo R$ 7.100 enquanto um agente da Polícia Civil terá direito a uma aposentadoria de R$ 8 mil. Samuel explica também que hoje, um soldado da PM tem um salário de menos de R$ 1 mil.

Alem de explicar sobre a distorção salarial, Samuel afirmou que há hoje mais de 20% do efetivo da Policia Militar está fora da corporação prestando serviços na administração e ainda mais de 240 homens que prestam serviços na Secretaria da Fazenda.

Reunião

Está marcada para esta quinta-feira (23), mais uma reunião entre representantes das associações militares e o governo do estado, porem a reunião pode não ocorrer, já que todos os representantes das associações foram convocados para, no mesmo horário, comparecerem ao comando geral da policia militar, para prestarem esclarecimentos sobre “outros” assuntos

Ameaça

O presidente da Assomise, Samuel Barreto disse também que há uma gravação de uma fita, em poder da associação onde, um secretario do governo do estado, ameaça que irá demitir e expulsar os PMs que estão participando das reivindicações. Samuel não quis divulgar o nome do “secretário”, mas disse que a fita está em local seguro.

Ele afirmou também que os representantes da classe, sargento Vieira, cabo palmeira e ele próprio, já foram notificados, uma vez que está sendo realizado uma sindicância para apurar os responsáveis das Associações.

Prisão

O Governo do Estado abriu sindicância para punir representantes das Associações Unidas, inclusive, caso haja alguma prisão, todos serão encaminhados para o presídio militar da Bahia (exílio estadual).

Fonte: site Fax Aju

MILITARES QUE FIZERAM MANIFESTAÇÃO PODEM SER PRESOS E EXPULSOS DA CORPORAÇÃO.

Os militares que fizeram manifestação reivindicando reajuste salarial podem ser presos e expulsos da corporação. A informação é do presidente das Associações Unidas da Polícia Militar, Samuel Alves Barreto. Nesta quarta-feira (22) em coletiva, os policiais questionaram a tabela salarial divulgada pelo Governo do Estado que aponta índices de até 69% de aumento. Eles também afirmaram que por causa de reivindicações por melhores condições de trabalho e salários, eles estão sofrendo diversas perseguições.

"Estão sofrendo pressões diversas. Essa sindicância que eles instauraram é uma delas. É uma prova concreta que pode gerar demissões e prisões. Nós também estamos vendo carros que ficam atrás da gente o tempo todo e visitando os nossos familiares, além de investigações sociais", denunciou o capitão Samuel Alves Barreto.

No último sábado de Aleluia (11), houve uma manifestação na Orla de Atalaia, onde os policiais militares queimaram Judas, caracterizado como o secretário de Segurança Pública, Kércio Pinto. A manifestação, segundo os associados, pode causar a prisão de alguns militares.

"Eles não querem que façamos qualquer tipo de manifestação. A queima de Judas é uma coisa tradicional, que mal há nisso? Qual foi o crime que nós cometemos?", questiona o sargento Vieira, representante da Associação Beneficente. O sargento reforça que o que eles querem é um tratamento igual ao da Polícia Civil. "Até 2010 um policial civil estará ganhando R$ 8.100, e um militar continuará com os mesmos R$ 1.300?".

Nesta quinta-feira (23), haverá uma outra rodada de negociações com representantes do Governo, na última, os policiais saíram animados com os avanços. O processo de sindicância aberto para dois policiais por conta das manifestações foi marcado para sexta-feira (24).

Fonte: site Atalaia Agora

OPERAÇÃO: "CORRA QUE A POLÍCIA ESTÁ CHEGANDO".

Não tem jeito não, governador. A PM está desorientada. A moda agora é chamar uma equipe de televisão – de preferência a TV Sergipe – e filmar as rondas das equipes em Aracaju. Na última sexta-feira foi hilário o comando da PM em um comboio pelo centro da cidade à noite, com todos os veículos com as sirenes e os giroflex ligados. Ou seja, bastante inteligente: alertam para que os bandidos e delinquentes fujam antes que a PM chegue. Tudo com o nosso suado dinheiro. Durma com um barulho desses...

Fonte: site Infonet - blog do Jornalista Cláudio Nunes

QUEREM PUNIR QUALQUER CUSTO OS REPRESENTANTES DAS ASSOCIAÇÕES, NEM QUE PARA ISSO, A CONSTITUIÇÃO SEJA FERIDA E DESRESPEITADA.

terça-feira, 21 de abril de 2009

ATENÇÃO MILITARES PARA UM AVISO MUITO IMPORTANTE.

ASSEMBLÉIA GERAL DIA 23 DE ABRIL

No próximo dia 23 de abril do corrente ano, às 14:00 horas, na Praça Fausto Cardoso, no Centro de Aracaju, será realizada uma Assembléia Geral das Associações Unidas.

Solicitamos aos militares que levem pelo menos 01 kg de alimento não perecível e 01 litro de água mineral sem gás.

Pedimos a todos que não faltem e divulguem entre os colegas militares esta Assembléia Geral.

O sucesso do nosso movimento depende da união e comparecimento de todos.

POLICIAIS MILITARES PODEM SER PRESOS.

As Associações Unidas da Policia Militar, emitiram uma nota à imprensa na manhã desta terça-feira (21), convocando para uma entrevista coletiva que representantes das associações da PM, farão nesta quarta-feira feira (22).

Os PMs, exporão à imprensa o problema que eles irão enfrentar a partir da sindicância que está sendo feita para apurar quem são os presidentes das associações, podendo inclusive decretar a prisão dos mesmos e encaminhá-los para um presídio na Bahia.

Veja o que diz a nota emitida pelas Associações Unidas:

Nota à Imprensa

Representantes das Associações Unidas convocam toda a imprensa para uma entrevista coletiva que será realizada nesta quarta-feira, dia 22 de abril, às 08h, na Caixa Beneficente (Rua de Boquim, ao lado do Quartel Central), onde serão discutidos os seguintes pontos:

• Governo do Estado abre sindicância para punir representantes das Associações Unidas, inclusive, caso haja alguma prisão, todos serão encaminhados para o presídio militar da Bahia (exílio estadual);

• “Governo lança propagandas alardeando a população sergipana sobre a evolução salarial da PMSE desde o fim do governo João Alves até o mês de janeiro do ano corrente, tentando desarticular o Movimento dos Militares Estaduais perante a sociedade.” Os representantes irão provar que está havendo um enorme equívoco nesta campanha do governo e nos números apresentados.

Fonte: site Fax Aju

segunda-feira, 20 de abril de 2009

QUEM DERRUBA QUEM?

PRESIDENTE DE ASSOCIAÇÃO VAI RESPODER SINDICÂNCIA.

Na manhã de hoje o sargento da PM Alexandre Prado, que é também presidente da Associação de Subtenentes e Sargentos, foi comunicado de que deverá comparecer ao CPMI esta semana para ser ouvido em sindicância. O fato a ser apurado ainda não é do conhecimento do presidente, que já manteve contato com seu advogado a fim de se precaver. Mesmo assim, Prado e os demais presidentes de associação já imaginam se tratar de algo relativo às reivindicações da classe pelo fim do tratamento diferenciado na política salarial da SSP/SE. Todos os presidentes de associação estão cientes da possibilidade de sofrerem retaliações, inclusive com a possibilidade de prisão de alguns deles. Eles no entanto mantêm a sua postura e permanecem unidos e mobilizados. As associações já deixaram clara a intenção de negociar junto ao Governo. Resta saber se o Governo também desejará manter o caminho do diálogo.

ELOÍSA GALDINO: A JOSEPH GOEBELS DE SAIA SERGIPANO.

Quem leu os jornais de nosso estado no dia de hoje (20/04) se deparou com propagandas do governo do estado alardeando a população sergipana sobre a evolução salarial da PMSE desde o fim do governo João Alves Filho até o mês de janeiro do corrente ano.

Os marqueteiros do governo, liderados pela secretária da Comunicação Social, Eloísa Galdino, logo trataram de encontrar uma forma de colocar a sociedade sergipana contra os militares estaduais divulgando uma tabela tendenciosa e manipulada da forma mais perniciosa possível para poder comprovar esta “evolução”.

Para os leitores civis deste blog, esclarecemos que existe nos assentamentos remuneratórios do militares estaduais uma gratificação intitulada Gratificação por Compensação de Serviço Externo, que corresponde a 82% do soldo do “barnabé da segurança pública”. O governador Marcelo Déda, de forma asquerosa, mandou publicar somente os vencimentos brutos dos servidores, incluindo tal rubrica. Esta gratificação é a mais sensível, entre as que compõem o rol de gratificações da remuneração do servidor militar. O trabalhador ao passar para a reserva remunerada deixa de percebê-la; se baixar ao HPM, nada obsta do Comandante Geral de extraí-la do contracheque do militar; além disso, não incorpora para a pensão militar em caso de morte e/ou invalidez. Convém ressaltar que a maior parte do “reajuste” concedido foi baseada em tal gratificação.

Ademais, a maldade do uso da tabela ocorre também de outra forma no que tange ao cálculo sobre as gratificações trienais. Na coluna em que consta a remuneração de dezembro de 2006, não há a incidência de nenhum triênio; já na coluna de janeiro de 2009 o cálculo da remuneração bruta faz constar oito triênios, o máximo que um policial ou bombeiro militar pode incorporar a seus vencimentos, aumentando sensivelmente o suposto reajuste salarial.

Tamanha manipulação de informações me fez lembrar os satânicos tempos de Joseph Goebbels, o ministro da Comunicação do ditador nazista Adolph Hitler. Goebbels até hoje é considerado o maior propagandista político da história e fez convencer a população alemã de que os judeus eram responsáveis pela crise económica e política da Alemanha.

É de Goebbels a célebre frase: “Uma mentira muitas vezes repetidas, torna-se uma verdade”.
Fazendo a divulgação nos vários jornais de circulação sergipana, o governo se utiliza de uma forma covarde de publicidade, pois nossos militares jamais terão condições econômicas de rebater, no mesmo nível e com o mesmo espaço de mídia, as farsas publicadas.

Ao tentar jogar a população contra os policiais e bombeiros militares, a secretária Eloísa Galdino faz uso dos mesmos artíficios nefastos utilizados por um homem que mandou para os campos de concetração milhões de vítimas inocentes somente para agradar o Führer e buscar a manutenção de seu status.

A história segue seu ciclo...

Pena que, para os dominantes, nos dias de hoje, não é tão fácil assim manipular as massas com idéias preconceituosas e absurdas, especialmente no Brasil onde impera o regime democrático de direito e a liberdade de imprensa e de pensamento.

MILITARES DO ESTADO DE SERGIPE, ENCAMINHEM ESTA POSTAGEM PARA O MÁXIMO DE AMIGOS QUE VOCÊS PUDEREM CONTATAR ATRAVÉS DE SEUS E-MAILS E DEEM-LHES A CONSCIENTIZAÇÃO NECESSÁRIA PARA QUE NÃO ACREDITEM NO QUE O GOVERNADOR MARCELO DÉDA QUER FAZER ACREDITAR! NOSSA LUTA NÃO É CONTRA UM HOMEM SOMENTE E SIM CONTRA TODO UM SISTEMA QUE NOS EXCLUÍU E ASSIM QUER NOS MANTER.

À VITÓRIA!!!

QUE DEUS NOS AJUDE E OLHE POR NÓS!!!

Fonte: www.capitaomano.blogspot.com