domingo, 31 de maio de 2009

A VERDADEIRA HISTÓRIA DA LICENÇA DE GUALBERTO.

Líder do governo na Assembleia Legislativa, o deputado Francisco Gualberto surpreendeu, ao pedir uma licença de dez dias, apresentando inclusive um alentado atestado médico. Pelo texto do pedido, são dez dias para cuidar da saúde. E, realmente, o deputado Gualberto é um homem tenso, que de vez em quando é encaminhado ao departamento médico da Assembleia, com problemas de hipertensão. Mas não foi exatamente a saúde que o levou à licença. De fato, Gualberto não gostou nada do tratamento que estava sendo dado à questão da Polícia Militar, já há muitas semanas desafiando o governo em torno de um aumento dos soldos. Gualberto já ficou “fulo da vida” com a marcação da sessão para receber dois policiais militares em plenário falando para os deputados. Não é que ele fosse contra a falação, mas ele não foi avisado da sessão, nem oficial nem oficiosamente. Na sessão do dia anterior, não foi comunicada a realização da sessão especial. Nem ninguém do Legislativo ao menos lhe telefonou para anunciar o momento especial. Quando foi avisado, ao começar a sessão, ele estava em viagem para o interior e foi acusado até de ter “fugido” das discussões. Depois, foi pego de surpresa com a indicação da deputada Ana Lúcia, que não combinou nada com ele para a constituição de uma comissão que trataria do problema específico da PM. Ao sentir-se atropelado pelos fatos, preferiu pegar dez dias de licença. Na bolsa de apostas cresce a hipótese de, ao seu retorno, Gualberto entregar a liderança do governo. Imaginem como deve ter ficado quando soube que a tal comissão recebeu os líderes da PM, que levou as reivindicações da categoria para entregá-las apenas a um membro da comissão, a deputada Ana Lúcia Menezes. Os demais integrantes, em número de quatro, não puderam participar porque estavam fora da cidade.

Fonte: Jornal da Cidade - coluna do jornalista Ivan Valença

ENTREVISTA - NILSON LIMA

“Eu Não Tenho Problema De Relacionamento Pessoal Com Absolutamente Ninguém, Muito Menos Com O Governador Marcelo DÉDA... A POLÍTICA, TODAVIA, NOS JOGOU NUMA ENCRUZILHADA E ESTOU SENDO OBRIGADO A TRILHAR POR UM CAMINHO DIFERENTE, PORQUE NÃO ESTOU SÓ E TENHO QUE PROSSEGUIR, MAS SEM ME AFASTAR DOS OBJETIVOS E PRINCÍPIOS QUE SEMPRE ORIENTARAM A MINHA MILITÂNCIA POR UMA SOCIEDADE MAIS JUSTA E SOLIDÁRIA”. A AFIRMAÇÃO É DO EX-SECRETÁRIO DA FAZENDA, NILSON LIMA, QUE SERÁ CANDIDATO ELETIVO EM 2010, PODENDO ATÉ IR PARA O EMBATE COM DÉDA, CASO ACEITE O CONVITE QUE LHE FOI FEITO PARA DISPUTAR O GOVERNO DE SERGIPE. “AINDA TENHO DISPOSIÇÃO PARA DISPUTAR O MANDATO DE DEPUTADO FEDERAL, MAS POSSO DISPUTAR A ELEIÇÃO DE GOVERNADOR, A DEPENDER DA EVOLUÇÃO DAS DISCUSSÕES POLÍTICAS QUE ESTOU TRAVANDO DENTRO E FORA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES”, EXPLICA. ELE DIZ AINDA QUE RECEBEU CONVITES DE NOVE PARTIDOS, MAS AINDA NÃO DECIDIU SE DEIXARÁ OU NÃO O PARTIDO DOS TRABALHADORES. NILSON LIMA COMENTA AINDA A SITUAÇÃO FINANCEIRA DO ESTADO E A POSSIBILIDADE DE CORRIGIR OS SALÁRIOS DOS PROFESSORES, POLICIAIS MILITARES E DEFENSORES PÚBLICOS. NILSON LIMA AFIRMA QUE “A ÚLTIMA ELEIÇÃO DO SEBRAE DEIXOU MARCAS INAPAGÁVEIS DE INSENSATEZ, FALTA DE TOLERÂNCIA E DE INJUSTIÇAS” E REVELA QUE BATALHARÁ PARA OBTER O APOIO DE ZEZINHO GUIMARÃES, EX-SUPERINTENDENTE DO ÓRGÃO E INIMIGO POLÍTICO DO GOVERNO DO ESTADO.

w JORNAL DA CIDADE - O senhor pretende disputar o comando estadual do PT contra o atual vice-prefeito, Sílvio Santos?
NILSON LIMA - Eu já tive o privilégio de desempenhar diversas missões partidárias. Sempre fui indicado para ocupar cargo de direção sem pleitear. Não seria desta vez que eu iria inovar, mesmo recebendo apelo de companheiros e correntes internas para que eu participe da disputa. De forma objetiva, não disputarei o comando do partido e, desde já, desejo que o futuro presidente – seja o companheiro Sílvio Santos ou outro companheiro que venha a ser escolhido – tenha todas as condições de fortalecê-lo e colocá-lo – ainda mais – a serviço da democracia e da justiça social. A militância do PT merece e a sociedade necessita desses avanços.

w JC - Em suas recentes entrevistas o senhor fala de convites para se filiar a novos partidos. Quantos foram os convites? De quais partidos? Quem são as pessoas que convidaram o senhor?
NL - Recebi convites de dirigentes de nove partidos. Não me sinto ainda à vontade para declinar os nomes desses partidos e os respectivos dirigentes, uma vez que até o presente momento não formei convicção final sobre meu futuro político.

w JC - Existe a pretensão de deixar o PT? Quando fará isso? Porque isso?
NL - Do ponto de vista pessoal e ideológico não tenho a mínima vontade de sair do PT, partido do qual sou militante desde 1982, quando comecei a participar ativamente do movimento estudantil na Universidade Federal de Sergipe e das lutas populares em prol da redemocratização do país e da justiça social. No PT dei os primeiros passos na política e cresci na dinâmica das lutas e dos desafios que abracei. Nas últimas eleições fui candidato a deputado federal e obtive 34.850 votos, ficando na suplência da coligação que se tornou vitoriosa no pleito geral de 2006. Desde o término da campanha, venho me esforçando para fazer uma nova tentativa de chagar à Câmara dos Deputados. Confesso, todavia, que ultimamente tenho sido incomodado com a proliferação de boatos dando conta de que enfrentarei dificuldades para ter a candidatura aceita pelo PT ou que, uma vez candidato, serei minado em relação aos prefeitos com quem mantenho laços políticos. Por isso e também pela receptividade que tenho obtido junto a segmentos expressivos da sociedade sergipana estou passando seriamente a considerar a possibilidade de aceitar um dos convites que me foram formulados por dirigentes partidários no sentido disputar a eleição para governador. Nessa hipótese, eu teria que buscar uma alternativa partidária ao PT, algo que ainda não está na ordem do dia, pois ainda me encontro conversando com os companheiros de militância política para, o mais rapidamente possível, tomar a decisão final.

w JC- A que corrente do PT o senhor está vinculado hoje e quem poderia deixar o partido junto com você?
NL - Como é do conhecimento público, o PT contempla agrupamentos políticos internos que se organizam para defender suas respectivas teses, para a disputa das direções partidárias e também para promoção de candidaturas eletivas. Nesse sentido, toda a minha militância interna se deu em torno da corrente Articulação e suas variantes. Atualmente não tenho vinculação a nenhuma corrente interna. Passei, portanto, à condição de independente nas disputas internas do partido.

w JC - O governo do Estado teria condições reais de conceder um bom reajuste para os servidores? Com base em que o senhor afirma isso?
NL - Em relação a eventuais opiniões sobre o que irá resultar dos entendimentos ora em curso envolvendo o governo do Estado e os seus servidores, tenho me limitado a dizer que os parâmetros até então adotados não poderiam deixar de prevalecer, até porque, como já dito, decorrem de lei ou de contrato. Além disso, tenho ressaltado que o Estado fez bem feito o dever de casa fiscal nos dois últimos exercícios, quando foram acumulados superávits expressivos, redução do endividamento, a recuperação das suas regularidades fiscais junto à Receita Federal, ao Tesouro Nacional e à Previdência Social. Isso resultou na viabilização de expressivas transferências voluntárias da União e de operações de crédito por parte do BNDES e do Banco Mundial. Tudo isso junto faz com que o Estado, mesmo diante da crise econômica mundial que ainda insiste em produzir efeitos contra o bom funcionamento da economia global, desfrute de uma situação financeira que lhe dá um mínimo de tranquilidade para estabelecer uma política salarial justa com os seus servidores, de forma a repor perdas salariais e continuar corrigindo as distorções acumuladas nas diversas categorias funcionais, com destaque para o magistério, a Polícia Militar, os agentes penitenciários, os servidores da Defensoria, dentre outros que o governo venha estabelecer tratamento prioritário.

w JC - Desde que deixou a Secretaria da Fazenda o senhor dá algumas futucadas no governo. Há um clima rançoso, rancoroso entre o senhor e os governistas? Por que não optou por uma quarentena?
NL - Essas afirmações não correspondem à realidade, apesar da exposição pública a que vivo submetido, pois sou demandado com bastante frequência, em palestras, entrevistas e outras modalidades menos formais, no sentido de prestar esclarecimentos, manifestar opinião sobre os mais variados assuntos. Acredito que boa parte dessa procura se dê fundamentalmente pelo fato de já ter exercido funções estratégicas nas esferas municipal, estadual e federal, além da complexidade dos assuntos que dizem respeito à pública administração e seus labirintos burocráticos. Assim, torna-se perfeitamente plausível que um ou outro comentário possa produzir suscetibilidades ou incompreensões.

w JC - O senhor vai mesmo disputar uma cadeira na Câmara Federal? Quem lhe apóia hoje? Tem prefeitos? Empresários? Lideranças políticas do interior?
NL - Ainda tenho disposição para disputar o mandato de deputado federal, mas posso disputar a eleição de governador, a depender da evolução das discussões políticas que estou travando dentro e fora do Partido dos Trabalhadores.

w JC - Tem fundamento o comentário que circula nos meios políticos dando conta de que a sua saída da secretaria teria sido motivada por pressão de Jackson Barreto junto ao governo do Estado?
NL - Não tenho conhecimento sobre o assunto.

w JC - O senhor pretende fazer uma dobradinha com o ex-superintendente do Sebrae, Zezinho Guimarães, que deseja ser candidato a deputado estadual?
NL - A última eleição do Sebrae deixou marcas inapagáveis de insensatez, falta de tolerância e de injustiças. Todavia, contribuíram bastante para o meu processo de amadurecimento político. Se eu for candidato a deputado federal quero fazer dobradinha com diversos candidatos a deputado estadual, inclusive Zezinho Guimarães. Se for candidato a governador, batalharei pelo seu apoio.

w JC - É bom o relacionamento do senhor com os petistas, em especial com o governador Marcelo Déda?
NL - Eu não tenho problema de relacionamento pessoal com absolutamente ninguém, muito menos com o governador Marcelo Déda, que durante praticamente toda a minha militância política foi meu líder e me deu a oportunidade de servir à população de Aracaju, na Secretaria Municipal de Finanças durante cinco anos e três meses, e aos sergipanos, durante dois anos, na Secretaria de Estado da Fazenda, além de antes ter-me estimulado a ser candidato a deputado federal e em seguida atribuir-me a complexa e estimulante missão de coordenar o processo de transição do anterior para o atual governo. A política, todavia, nos jogou numa encruzilhada e estou sendo obrigado a trilhar por caminho diferente, porque não estou só e tenho que prosseguir, mas sem me afastar dos objetivos e princípios que sempre orientaram a minha militância por uma sociedade mais justa e solidária.

Fonte: Jornal da Cidade

CORONEL PEDROSO RECEBE ASSOCIAÇÕES NO QCG.

Com o objetivo de manter um entendimento com as lideranças das Associações Unidas dos servidores militares, o novo comandante geral da PM, coronel Pedroso, recebeu em seu gabinete representantes das entidades para discutir as reivindicações da classe e as estratégias para que a categoria possa ser ouvida pelo governo.

Reafirmando o discurso do governador Marcelo Déda, o Cel. Pedroso disse que enquanto comandante-geral estará à frente da negociação e que procurará conquistar o melhor para a tropa. Pedindo sinceridade aos líderes da categoria, ele ouviu os desabafos dos militares, cansados de tantos meses de enganação, e a afirmativa de que eles não concordavam com a idéia de que o "patrão negociasse com patrão", numa referência ao cargo de confiança ocupado pelo coronel. "Patrão tem que negociar com o trabalhador, e o próprio governador concordou com isso quando assinou um decreto em 2007 dizendo que nós éramos competentes pra negociar as reivindicações da classe", lembrou o sargento Araújo, presidente da Asprase.

No entanto, como se comprometeu em levar ao governo os anseios da tropa, ouvindo as entidades representativas, Pedroso conseguiu conquistar dos líderes o voto de confiança. O comandante disse que se reunirá constantemente com as entidades e que as manterá informadas sobre toda a negociação. Na reunião foi informado também que a comissão parlamentar que está acompanhando a negociação da categoria visitará o comandante-geral na próxima terça-feira, quando debaterão o assunto.

“Sabemos que o governador fechou as portas para as associações, e esperamos que ele não faça o mesmo com o comandante-geral e com os deputados, em quem estamos depositando agora nossa confiança a fim de que essa situação se resolva. Pouco nos importa quem ficará com os ‘louros da fama’, o que nos interessa é o resultado”, declarou Araújo.

Participaram do encontro representantes da Assomise, Asprase, ASSPM, ABSMSE, AAM/SE e ACSPM, além dos coronéis Santiago, Ramos e Ornellas. Na próxima quarta-feira (03), deverá haver outro encontro entre o comandante-geral e as associações.
Fonte: ASPRASE

Vejam fotos da reunião na lateral desta página

quinta-feira, 28 de maio de 2009

DEPOIMENTO DE POLICIAIS MILITARES É ADIADO.

Representantes das Associações Unidas serão ouvidos no Fórum Gumersindo Bessa em audiência remarcada para 15 de junho

Sargento Jorge Vieira: "conversa tranquila"

Policiais militares que representam as Associações Unidas estiveram na manhã desta quinta-feira, 28 no Fórum Gumersindo Bessa para prestar depoimento por conta de um inquérito policial aberto pelo ex-comando da Polícia Militar. Mas as ouvidas foram transferidas para o próximo dia 15 de junho. Os policiais são acusados de fazerem manifestações, sendo uma delas na porta da Secretaria de Estado da Administração (Sead).

De acordo com o sargento Jorge Vieira, que também seria ouvido nesta quinta-feira, houve apenas uma conversa informal com o juiz Diógenes Barreto e com o promotor Jarbas Adelino. “Conversamos de forma tranqüila, na base mesmo do diálogo”, ressalta.

Sargento Vieira explicou que os representantes da Unidas estão envolvidos em uma sindicância (que o inocentou e culpou o capitão Samuel); nesse inquérito, cujo depoimento foi remarcado e ainda em um novo, por conta da manifestação das mulheres dos policiais. “Esse de hoje já é um processo criminal aberto pelo ex-comandante, que o Ministério Público fez a denúncia e o juiz acatou abrindo processo. Agora vai ter a instrução, que é o acompanhamento dos fatos”, esclarece.

Fonte: Infonet

quarta-feira, 27 de maio de 2009

PARLAMENTARES QUE MEDIARÃO ACORDO ENTRE POLICIAIS MILITARES E GOVERNO SE REÚNEM COM MINISTÉRIO PÚBLICO.

Deputada Ana Lúcia

Formada no último dia 26, a Comissão Parlamentar que mediará as negociações entre os policiais militares e o Governo do Estado iniciou suas atividades já na manhã desta quarta-feira. Foram marcadas duas audiências, na parte da manhã: uma, com os policiais militares, na sala de comissões da Assembléia Legislativa, e outra, em seguida, com o Ministério Público Militar. A proposta de criação desta comissão foi uma iniciativa da deputada estadual Ana Lucia (PT) e já havia sido aprovada na última quinta-feira.

“Melhorar salário de funcionário público não é despesa”, afirma Ana Lucia, segura de que o resultado das negociações será satisfatório. Ela reforçou a importância do diálogo possibilitado por uma gestão democrática, uma vez que uma sociedade formada nos moldes capitalistas, com divisão de classes, tem como característica natural situações de conflito e confronto.

“É preciso perceber que os conflitos e contradições que por vezes ocorrem numa administração de esquerda abrem espaço para o diálogo, de maneira que fortalecem as relações democráticas”, explica Ana Lucia. De acordo com a deputada, as relações entre Governo e as diversas categorias de trabalhadores somente podem ser melhoradas e as distintas formas de violência diminuídas, através de políticas públicas.

A composição da Comissão Parlamentar reúne situação e oposição, no intuito de um trabalho não partidário, com o propósito comum de avançar nas conquistas objetivadas pelos trabalhadores. Os deputados que dão corpo à comissão são: Ana Lucia (PT), pastor Mardoqueu (PR), Garibalde Mendonça, Antônio dos Santos (PSC), Venâncio Fonseca (PP) e Augusto Bezerra (DEM). Por motivo de viagem de Venâncio Fonseca e Augusto Bezerra, a deputada Celinha Franco (DEM) assume o lugar da bancada de oposição até a próxima sexta-feira.

Fonte: Alese

E EM 2010 ...!

ASSOCIAÇÕES MILITARES NÃO CONCORDAM QUE COMANDANTE NEGOCIE COM GOVERNO.

Os representantes das Associações da Policia Militar, não concordam com as informações de que, a partir de agora, as negociações entre o governo do estado e a Policia Militar, na questão salarial, seja feita pelo novo comandante da PM, coronel José Carlos Pedroso Assumpção.

Coronel Pedroso disse que cabe ao comandante da corporação gerenciar as negociações, uma vez que, segundo ele, é uma questão de hierarquia e disciplina, porem não é isso que as Associações esperavam do novo comandante. Para o coronel, essa é uma questão que deve ser resolvida entre ele e o governo. “Irei levar as reivindicações de minha tropa e claro que tudo que for bom para ela, também será pra mim que faço parte da corporação”, afirma Pedroso.

Mas não é esse o raciocínio dos lideres da corporação que estão tentando negociar. Um dos representantes dos PMs, disse que para eles, não interessa “os meios” e sim o resultado das negociações e dos acordos. Ele afirma no entanto, que não é justo que o comando assuma as negociações sem ouvir as reivindicações da classe. “Não é possível que nós, como gestores dessas associações e que representamos mais de 4 mil homens, não sejamos ouvidos. Se está acontecendo essa negociação, ainda não fomos procurados”, disse.

Para o sargento Vieira, gestor da Caixa Beneficente e que tem como associados em torno de 4 mil policiais militares, todos estão à espera de um bom resultado, porem segundo ele, “como pode o patrão negociar com o gerente”, disse se referindo ao cargo que o coronel ocupa, ao ser comandante da corporação. “O gerente de uma empresa não tem como exigir as coisas do patrão, alem do mais somos os legítimos representantes”, explica Vieira.

A Assembleia Legislativa formou a Comissão de Segurança, composta de deputados estaduais da oposição e da situação para que os mesmos possam acompanhar de perto todo o processo de negociação entre o governo de Marcelo Déda (PT) e a Polícia Militar. Esta Comissão é quem intermediará as negociações, mas há uma dúvida: quem será o representante da Policia Militar? Será o coronel Pedroso que é o comandante geral da PM, ou será os presidentes das Associações.

Dessa maneira, mais um impasse foi criado no que se refere as reivindicações dos PMs. Caso o comando de fato, não aceite que as associações discutam com o governo as reivindicações, a situação de instabilidade e insegurança dos PMs, devem continuar. Essa será uma queda de braços entre um comandante que cobra hierarquia e disciplina e praticamente o resto da corporação, uma vez que entre todas as associações, são mais de 6 mil PMs.

Fonte: Fax Aju

DICAS SOBRE CARROS DO GOVERNO.

No domingo, a partir das quatorze horas até a segunda-feira às nove horas, é só o governador determinar que seja realizada no retorno das praias uma blitz com finalidade administrativa e autoridade para questionar o uso indevido dos veículos oficiais, com autonomia para notificar a ocorrência e levar ao conhecimento da Secretaria da Administração. Se assim proceder, o governador vai se surpreender com a quantidade de carros oficiais desviados da finalidade e servindo para transporte de auxiliares em lazer.

Fonte: blog do jornalista Cláudio Nunes

COMISSÃO PARLAMENTAR FARÁ MEDIAÇÃO.

Formada nesta terça-feira, 26, a Comissão Parlamentar que mediará as negociações entre os policiais militares e o Governo do Estado inicia suas atividades já na manhã desta quarta-feira. Estão marcadas duas audiências para a parte da manhã: uma, com os policiais militares, na sala de comissões da Assembléia Legislativa, e outra, em seguida, com o Ministério Público Estadual. A proposta de criação desta comissão foi uma iniciativa da deputada estadual Ana Lucia (PT) e já havia sido aprovada na última quinta-feira.

“Melhorar salário de funcionário público não é despesa”, afirma Ana Lucia, segura de que o resultado das negociações será satisfatório. Ela reforçou a importância do diálogo possibilitado por uma gestão democrática, uma vez que uma sociedade formada nos moldes capitalistas, com divisão de classes, tem como característica natural situações de conflito e confronto.

“É preciso perceber que os conflitos e contradições que por vezes ocorrem numa administração de esquerda abrem espaço para o diálogo, de maneira que fortalecem as relações democráticas”, explica Ana Lucia. De acordo com a deputada, as relações entre Governo e as diversas categorias de trabalhadores somente podem ser melhoradas e as distintas formas de violência diminuídas, através de políticas públicas.

A composição da Comissão Parlamentar reúne situação e oposição, no intuito de um trabalho não partidário, com o propósito comum de avançar nas conquistas objetivadas pelos trabalhadores. Os deputados que dão corpo à comissão são: Ana Lucia (PT), pastor Mardoqueu (PR), Garibalde Mendonça, Antônio dos Santos (PSC), Venâncio Fonseca (PP) e Augusto Bezerra (DEM). Por motivo de viagem de Venâncio Fonseca e Augusto Bezerra, a deputada Celinha Franco (DEM) assume o lugar da bancada de oposição até a próxima sexta-feira.

Fonte: Fax Aju

terça-feira, 26 de maio de 2009

COMISSÃO EM PROL DOS MILITARES É FORMADA.

Na manhã desta terça-feira, 26, foi formada uma comissão de parlamentares para acompanhar o andamento das reuniões da categoria com o Governo do Estado

Augusto Bezerra cobrou agilidade nas negociações

A insistência dos policiais militares pelo apoio dos deputados estaduais nas negociações por reajuste salarial junto ao Governo do Estado surtiu efeito. Na manhã desta terça-feira, 26, foi formada uma comissão de parlamentares para acompanhar o andamento das reuniões entre a categoria e o Governo. Oposição e situação irão se reunir nesta quarta-feira, 27, com os líderes das Associações Unidas para discutir a pauta de reivindicações dos PM's.

A comissão é formada por Venâncio Fonseca, Augusto Bezerra, Mardoquel Bodano, Ana Lúcia, Garibalde e Antonio dos Santos. Na ausência dos deputados de oposição, Celinha Franco irá representá-los. De acordo com o sargento Jorge Vieira, que lidera as associações, “a expectativa é de que outros parlamentares se somem a esta comissão, pois o presidente da Assembléia Legislativa [AL], Ulices Andrade, já afirmou que qualquer deputado pode participar das reuniões”.

Cobrança

Na sessão da última segunda-feira, 25, o deputado Augusto Bezerra já havia cobrado agilidade na formação da comissão. Para ele, “os policiais militares estavam ansiosos para que os deputados cumpram com seus papéis e representem a categoria junto ao Governo para discutir a pauta de reivindicações”. A reunião nesta quarta-feira está agendada para acontecer a partir das 8h30, na Sala de Comissões da AL.
Fonte: Infonet

COMISSÃO VAI INTERVIR EM FAVOR DOS MILITARES

Uma comissão formada por deputados das bancadas de governo e oposição vai discutir alternativas junto ao governo para atender as reivindicações dos policiais militares que têm feito vigília, quase diariamente, nas galerias da Assembleia Legislativa.Nesta quarta-feira (27), parlamentares e representantes da categoria se reúnem para discutir a pauta dos militares que lutam por melhores condições de salário e trabalho. A comissão é formada por Venâncio Fonseca (PP), Augusto Bezerra (DEM), Mardoqueu Bodano (PR), Ana Lúcia Menezes (PT), Garibalde Mendonça (PMDB) e Antonio dos Santos (PSC).

Fonte: Atalaia Agora

PENSE NA VALORIZAÇÃO QUE É DADA AOS MILITARES PELO GOVERNO!


DÉDA, REAJUSTE E MOVIMENTOS.

Talvez esta falta de tato do governo seja por conta de alguns neo-aliados que não possuem em sua história contato algum com os movimentos sociais e sindicais.

Esta semana o governador Marcelo Déda anuncia o reajuste para os servidores públicos estaduais. Pelas notas e declarações do próprio secretário da Fazenda através da imprensa, por conta da crise e a queda na receita, o reajuste não deve ultrapassar os 6%. O governo estuda conceder reajustes diferenciados para algumas categorias, mas até o momento nada de oficial, apenas especulações.

Se por um lado, por conta da crise financeira, o reajuste salarial será concedido dentro da realidade fiscal, principalmente por conta da Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF, por outro, o governador Marcelo Déda vem enfrentando sérios problemas nas discussões com alguns movimentos dos servidores, principalmente o magistério e a polícia militar.

Quanto ao magistério, existe uma divergência sobre a aplicação total da Lei do Piso da categoria, enquanto o governo entende que a lei deixa claro que o piso deve ser colocado em prática efetivamente em 2010, o Sintese entende que o piso tem que ser implementado este ano. Sem querer entrar no mérito da questão, o certo é que o Judiciário seguiu o entendimento do Governo do Estado e considerou a greve ilegal. Mas o magistério ainda aguarda uma decisão governamental.

O outro problema diz respeito a Polícia Militar. No ano passado, foi fechado um acordo com a PM, antes do acordo fechado com a Polícia Civil. A PM fechou um acordo, recebendo alguns benefícios e o último reajuste de 10% no início deste ano. A Polícia Civil demorou e saiu ganhando, porque fechou um plano de carreira, ganhando nível superior e uma projeção até o próximo ano, de recuperação das perdas salariais ocorridas durante anos e anos. Depois disso a PM ficou com uma pulga atrás da orelha e este ano resolveu cobrar os mesmos benefícios.

O governo alega que a PM tem uma corporação bem maior do que a Polícia Civil, além de ter recuperado gradativamente os salários dos policiais militares. O impasse está criado há vários meses e mesmo com várias rodadas de negociações, nada de concreto foi definido. A PM não pode fazer greve, mas está claro que a maioria dos policiais militares do Estado faz há alguns meses, a chamada “greve branca”. Dizer o contrário é mentir. Existe uma greve branca na PM de Sergipe.

Nesta situação com a PM, o governo errou ao deixar o movimento crescer e não ter chamado para o diálogo imediatamente. A maioria das lideranças da PM – que não tem interesses eleitorais – sabe que a situação financeira dos cofres públicos não ajuda em um acordo com reajustes grandes no momento. Mas também o governo pode avançar em outras reivindicações, como o nível superior, a carga horária e, um reajuste escalonado a longo prazo. Quando o governador engrossa a voz com palavras duras direcionadas para algumas lideranças da PM é por conta da partidarização do movimento.

Por outro lado está claro também que não era esperado este trato do governador com os movimentos sindicais. Em razão da sua história de luta, o governador deveria ter montado uma equipe com pessoas oriundas do próprio movimento e com tato político, para discutir e chegar a um denominador comum, por exemplo o líder do governo na AL, Gualberto. Talvez esta falta de tato do governo seja por conta de alguns neo-aliados (leia-se secretários e assessores) que não possuem em sua história contato algum com os movimentos sociais e sindicais. Essa falta de tato que está sendo passada para a maioria da sociedade sergipana pode custar caro ao governador: a sua reeleição.

Fonte: blog do jornalista Cláudio Nunes

segunda-feira, 25 de maio de 2009

ATENÇÃO MILITARES DE FOLGA, TODOS AMANHÃ NA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA.

Convidamos a todos os militares de folga para comparecem amanhã, dia 26, às 08:00 horas da manhã, à Assembléia Legislativa do Estado de Sergipe, para acompanharem a criação da Comissão Mista de Deputados Estaduais que irão intermediar o diálogo entre o Governador do Estado e os militares sergipanos. Contamos com a presença de todos que estiverem de folga, pois a união é a força do nosso movimento.

NILSON LIMA: GOVERNO PODE DAR AUMENTO AOS SERVIDORES NOS PERCENTUAIS DO DIEESE.

O ex-secretário da Fazenda, economista Nilson Lima (PT), admite que o Governo do Estado tem condições de dar um aumento dentro dos percentuais calculados pelo Dieese, dentro de 11% a 17%. Falando por telefone com a redação do Faxaju Online, nesta segunda-feira (25), Nilson disse que o Governo deve contar os números correntes para ter flexibilidade de chegar até um percentual dentro do que calculou o Dieese.

Segundo Nilson Lima, os instrumentos de negociação do Governo não tem mantido a mesa funcionando com maior freqüência, para atender a demanda e resolver os problemas em condições de evitar problemas maiores com as categorias funcionais.

Acha que o governador Marcelo Déda (PT) escolheu uma linha dentro de uma certa prudência, mas que poderia ter se preparado e avançado mais. Ensinou que existem dois critérios diferentes que pode atingir a Lei de Responsabilidade Fiscal, dentro de um conjunto de variações que podem ser utilizadas, de forma correta e sem atropelos: “o que parece é que o Governo tende a não utilizar essas variantes”, disse.

Os dois critérios são pela receita corrente líquida e pelo programa de ajuste fiscal. Pelo primeiro, o Governo naturalmente teria uma margem maior de negociação. Disse que o estado vem sofrendo sucessivas quedas de arrecadação do Fundo de Participação Estadual, mas o ICMS vem se mantendo.

Para cobrir o recuo dos impostos federais, o Governo tem margem de utilizar os R$ 160 milhões do empréstimo do BNDES e chegar a um melhor percentual de aumento para os servidores. Lembrou que o cenário que se vislumbra para o próximo quadrimestre é de melhoria na arrecadação e até o final do ano o Estado reporia os recursos emprestados pelo BNDES.

Nilson Lima disse, ainda, que a isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) por ter provocado perdas de um lado, mas se ganha do outro, em razão do aumento do consumo, que se reverte em melhoria na arrecadação do ICMS.

Fonte: Fax Aju

VALORIZAÇÃO DOS NOSSOS POLICIAIS MILITARES. ESTA NÃO É A REALIDADE DE TODOS.

MOURA DIZ QUE REAJUSTE PODE CHEGAR A 17,05%.

O governador de Sergipe, Marcelo Deda (PT) pretende anunciar nesta terça (26) ou quarta-feira (27), o índice de reajuste salarial dos servidores públicos estaduais.Enquanto o secretário da Fazenda, João Andrade fala em 3,5%, tomando como base o Programa de Ajuste Fisacal (PAF), o economista Luiz Moura, coordenador do Departamento Intersindical de Estudos Sócio-Ecônimico (Dieese), entende que o governador pode conceder um reajuste variável entre 11,63% e 17,05%.

Os índices, segundo explicou o economista, obedecem aos limites prudenciais e máximos, respectivamente, da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e foram calculados com base na arrecadação do Estado, relativa ao primeiro quadrimestre deste ano.

Fonte: Atalaia Agora

GOVERNO TEM 30 DIAS PARA RETIRAR LOGOMARCA DOS BENS PÚBLICOS.

Logomarca do Governo terá que ser retirada

O Governo do Estado tem um prazo de 30 dias para retirar as logomarcas publicitárias nos símbolos oficiais. Em caso de não cumprimento da obrigação no prazo assinalado, o Estado de Sergipe incorrerá em multa diária no importe de R$ 5.000,00 (cinco mil reais. A ação foi ajuízada pelos Promotores de Justiça de Defesa do Patrimônio Público do MPE, Drs. Alexandro Sampaio e Eduardo D`avila, contra o Estado de Sergipe, em virtude das irregularidades identificadas no uso da logomarca publicitária da atual Gestão do Governo de Sergipe.

Mesmo tendo sido assinado um Termo de Ajustamento de Conduta no dia 02 de Junho de 2008, até o momento não foi realizada a substituição das logomarcas publicitárias do Governo atual pelos símbolos oficiais.

Tendo isso em vista, a Juíza de Direito Elvira Maria de Almeida Silva estabeleceu o prazo de 30 dias para o cumprimento do referido Termo de Ajustamento de Conduta, o que implica na imediata remoção do símbolo da atual Gestão (coração circundado de vermelho e preenchido com as cores da bandeira de Sergipe) de toda e qualquer placa de identificação dos prédios públicos, pinturas em veículos, faixadas, etc. A partir de agora, os veículos e prédios públicos pertencentes ao Estado de Sergipe deverão ser identificados somente com o Brasão ou a Bandeira do Estado de Sergipe, que são os símbolos oficiais.

A Juíza também decidiu pela retirada da predominância da cor vermelha dos Centros de Atendimento ao Cidadão (CEAC), podendo essa ser mantida, se, e somente se harmonizada com as demais cores do espectro. Segundo ela, ficou devidamente comprovado que a programação visual reiteradamente utilizada pelo Estado de Sergipe entrou em manifesta rota de colisão com o TAC assinado perante o Ministério Público do Estado de Sergipe.

O valor da multa será revertido em favor do Fundo Especial do Ministério Público do Estado de Sergipe (FEMP/SE), conforme trata a Lei nº 6257/07, alterada pela Lei nº 6465/08.

Fonte: Atalaia Agora

sábado, 23 de maio de 2009

PRESIDENTE DA CUT DIZ QUE ÍNDICE DE 3,5% COLOCADO PELO SECRETÁRIO DA FAZENDA É INSIGNIFICANTE.

O presidente da Central Única dos Trabalhadores, Antônio Góis, que acompanhou a reunião da Mesa de Negociação Permanente, disse que o índice colocado pelo secretário é insignificante, não traduz a realidade do Estado e a necessidade do servidor.

“Acreditávamos que a partir dos números apresentados, entidades sindicais e governo começassem as negociações, porém, ficou claro que não ocorrerá, já que o secretário declarou que o governador Marcelo Déda irá divulgar o índice de reajuste através de anúncio”, observou. Góis ainda comentou que a Mesa de Negociação é importante. “Esse caráter de anúncio não condiz com a proposta de democratização da relação de trabalho”, enfatizou.

Fonte: Jornal do Dia

REAJUSTE DO SERVIDOR PODE SER DE APENAS 3,5 POR CENTO.

O secretário da Fazenda, João Andrade, reuniu o Dieese e representantes de 20 sindicatos para discutir a situação financeira do Estado e o reajuste dos servidores públicos. "Se a receita líquida do Estado se mantiver ao longo do ano, como nos quatro primeiros meses, nossa projeção de reajuste é de 3,5%", disse João Andrade. Os sindicalistas não ficaram satisfeitos com as declarações do secretário.

Fonte: Jornal Correio de Sergipe

E HAJA PERSEGUIÇÃO!

sexta-feira, 22 de maio de 2009

POLICIAIS PROTESTAM NA ASSEMBLÉIA.

Policiais militares lotaram as galerias da Assembléia Legislativa durante toda a sessão de ontem para ouvir debate com deputados

Policiais militares lotaram as galerias da Assembléia Legislativa, na manhã de ontem, para pedir aos deputados que intervenham junto ao governo do Estado quanto às suas reivindicações de equiparação salarial e melhores condições de trabalho.

As associações reivindicam do governo melhores salários e correções nas distorções salariais. A classe chegou a participar de reuniões da Mesa de Negociação Permanente criada pelo governo, porém não se chegou a um entendimento.

O presidente das Associações Unidas da Polícia Militar, capitão Samuel Barreto, usou a tribuna da Assembléia para expor as reivindicações da categoria aos deputados. Depois da reunião, ele disse que os policiais saíram satisfeitos com o que ficou acordado com os parlamentares.

Na próxima segunda feira, a Assembléia irá formar a Comissão de Segurança inter-partidária, uma antiga reivindicação dos policiais. A proposta para formação dessa comissão foi feita pela deputada estadual Ana Lúcia (PT), e deve ser composta por cinco membros.

Para Samuel, a criação da Comissão de Segurança é uma vitória da categoria, já que, segundo ele, “essa era uma reivindicação que há muito era esperada pelos militares”.

Alguns policiais militares que se encontravam nas galerias disseram estranhar a ausência dos deputados estaduais Francisco Gualberto (PT), líder do governo na Casa, e Gilmar Carvalho (PSB). “Nós esperávamos que principalmente o líder do governo e o radialista, que muito diz nos defender, se fizessem presentes para nos apoiar. Na hora que mais precisamos esse povo some”, desabafou o PM.

Fonte: Jornal do Dia

COMISSÃO NA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA.

Após as exposições dos representantes dos policiais militares ontem,21, na AL, os deputados estaduais também fizeram suas ponderações sobre a realidade de trabalho da categoria. A deputada Ana Lúcia (PT) marcou sua posição, ressaltando sempre a importância do diálogo na relação com o governo do Estado. A petista apresentou uma sugestão, que foi rapidamente acatada por todos os pares, da Assembléia Legislativa constituir uma comissão de deputados da situação e da oposição para que os mesmos possam acompanhar de perto todo o processo de negociação entre o governo de Marcelo Déda (PT) e a Polícia Militar.

Fonte: blog do jornalista Cláudio Nunes

POLICIAIS MILITARES CONSIDERAM VITÓRIA CRIAÇÃO DA COMISSÃO DE SEGURANÇA NA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA.

Centenas de policiais militares lotaram as galerias da Assembléia Legislativa, na manha desta quinta-feira (21). Os PMS foram pedir apoio dos deputados para intervirem junto ao governo do estado, na questão de suas reivindicações de equiparação salarial e melhores condições de trabalho.

As Associações estão reivindicando do governo do estado, melhores salários e correções nas distorções salariais. A classe chegou a participar de reuniões com a mesa de negociação criada pelo governo, porém sem acordo.

O presidente das Associações Unidas da Policia Militar, capitão Samuel Barreto, usou a tribuna da Assembléia para expor as reivindicações da classe aos deputados. Ao termino da reunião, ele disse que os policiais saíram satisfeitos da reunião que tiveram e com o que ficou acordado com os parlamentares.

É que na próxima segunda feira, a AL, irá formar a Comissão de Segurança inter-partidária, sendo essa uma antiga reivindicação dos policiais. A proposta para formação dessa comissão foi feita pela deputada estadual Ana Lúcia Menezes (PT). Na sessão de hoje, dois deputados estavam ausentes, Francisco Gualberto (PT), líder do governo e o deputado Gilmar Carvalho (PSB). O deputado Mardoqueu Boldano (PR), assumiu a liderança do governo.

Para Samuel, a criação da Comissão de Segurança foi uma vitória já que, segundo ele, “essa era uma reivindicação que há muito era esperada pelos militares”, disse.

Alguns policiais militares que se encontravam nas galerias, disseram estranhar a ausência dos deputados Gualberto e Gilmar Carvalho. “Nós esperávamos que principalmente o líder do governo e o radialista que muito diz nos defender, se fizessem presentes para nos apoiar. A hora que mais precisamos, esse povo some”, desabafou o PM.

Fonte: Fax Aju

PIZZA SABOR PM.

Leio constantemente os colunistas do Santa e achei muito interessante a coluna intitulada “Rodízio ou a la carte” em que o autor faz uma série de considerações que pode ser resumida na seguinte frase: “Quando (sic) mais vejo gente implorando por polícia sem se preocupar com a qualidade destes quadros, me sinto um apreciador de pizza a la carte num rodízio barulhento e nervoso”. Interessante a colocação feita pelo articulista.

No meio de texto, ou autor alerta que não está questionando a formação dos policiais e admite que não a conhece a fundo. Esta afirmação contém uma certeza embutida nela, a de que o autor tem um conhecimento, mesmo que superficial, de como é o processo de formação de um policial. Só isto já o coloca em uma situação privilegiada, pois garanto que a maioria esmagadora da população não conhece, sequer, o emprego, quanto mais à formação de um policial. O pesquisador norte-americano David H. Bailey aponta, entre outras coisas, o fato de o serviço policial não apresentar qualquer glamour, para justificar esta falta de interesse. Concordo com ele.

Entre as opções apresentadas no título da coluna, “Rodízio ou a la carte”, está faltando uma, para a Polícia Militar, que não é nem o rodízio, muito menos a la carte. É na verdade o tele-entrega. Basta você ligar para o 190, relatando o seu problema, que a entrega é providenciada. O meio de transporte mais usual, para o serviço de entrega, é o automóvel, existindo ainda as motos, bicicletas, barcos, aeronaves, cavalos e o tradicional a pé, às vezes acompanhado por cães.

Como se prepara a pizza sabor PM? Cada estado da federação tem a sua receita. A pizza sabor PM básica, versão Catarina, contém os seguintes ingredientes: Abordagem Sócio – Psicológica do crime e da Violência; Sistema de segurança pública no Brasil; Qualidade em serviço; Ética e cidadania; Fundamentos de polícia Comunitária; Criminalística aplicada; Teoria de Tiro; Defesa pessoal; Direção defensiva e policial; Pronto socorrismo; Prevenção e combate a incêndios; Direito ambiental; Direito constitucional; Direito da criança e do adolescente; Direito Penal; Direito Processual Penal; Direito militar; Direitos humanos; Legislação de trânsito; Introdução ao estudo do direito; Termo Circunstanciado; Gerenciamento do estresse; Saúde física; Resolução de problemas e tomada de decisão; Relações interpessoais e saúde mental; Português instrumental (documentos PM); Cerimonial e Protocolo; Telecomunicações; Informática; Policiamento ostensivo; Técnicas de Informação; Tiro Policial; Prevenção e combate do uso e abuso de drogas; Técnicas de polícia preventiva; Operações de policiamento de Trânsito; Operações de polícia; Gerenciamento de conflitos e negociação; Ordem unida; Legislação institucional. Preparo: adicione todos os ingredientes, aos poucos, de maneira a produzir uma massa uniforme. Depois leve ao forno por pelo menos 1.000 horas, que é o que dura o treinamento para Soldado da PMSC, isso sem considerarmos os processos de recrutamento e seleção.

Como toda pizza, a sabor PM tem algumas variações, ou especializações, mas todas partindo da pizza sabor PM básica. Existe a Operações especiais (que às vezes vem com muita pimenta), trânsito e rodoviário (as mais salgadas), ambiental (com ingredientes ecologicamente corretos), Proerd (sucesso absoluto com a criançada), comunitária (ainda com pouca aceitação), e a ostensiva geral, entre outras. A ostensiva geral é a mais comum, a que mais sai, a mais pedida.

Quando pedir uma pizza sabor PM? Você pode solicitar um tele-entrega em várias situações. Por exemplo, quando está precisando de um auxílio (não confundir com serviço de taxi). Só que o auxílio não é só para o cidadão, é feito, também, para os mais variados órgãos da administração pública, entre eles a Justiça. Pode ainda solicitar quando estiver ocorrendo um crime, mas neste caso apenas 35% dos pedidos são em decorrência de crime. Notou o detalhe? É que 65% dos “pedidos” não estão relacionados com crimes ou contravenções, mas como é o gosto do cliente que manda, nada pode ser feito.

Tem ainda os casos de acidente de trânsito, ou quando houver uma criança perdida, alguém desaparecido, na verdade uma infinidade de situações. A nossa Constituição fala em situações que envolvam a ordem pública, sem definir o que vem a ser a tal ordem pública. Alguns especialistas dizem que a ordem pública não se define, se sente. Cada comunidade e cada pessoa sente de uma forma muito própria o que é ordem pública. Por isso, ela varia no tempo e no espaço. O que é ordem pública aqui e agora pode não ser lá e agora, ou aqui e depois, entendeu?

Em quais locais é feita a entrega? A entrega é feita em qualquer lugar e a qualquer horário. Entrega-se no litoral, na serra, no interior, resumindo, no campo e na cidade. No centro e na periferia. De dia e de noite. No inverno e no verão, na verdade no outono e na primavera também. Com chuva, com sol, nublado ou com frio. Sete dias por semana, o ano todo. Não fecha fim de semana e nem em feriados. Às vezes nem precisa pedir. Em outras, o pedido não chega, ou chega atrasado.

E se a entrega não for bem feita? Bem, isso pode ocorrer, e ocorre, afinal de contas, em Santa Catarina, as entregas já estão se aproximando de 1,5 milhão a cada ano. Quando isso ocorre basta abrir o jornal que vai estar tudo lá, muito bem documentado e ilustrado com fabulosas fotos. Às vezes nem precisa abrir o jornal, está na capa, quando não como a principal manchete. Essa é a pizza sabor PM! Tá servido? (tenente-coronel Paulo Roberto Bornhofen, do 10º BPM de Santa Catarina).

Fonte: blog do jornalista Cláudio Nunes

POSSE NO TJ. NINGUÉM ENTENDEU.

O novo comandante da PM, assumirá o cargo na sexta-feira, às 18hs, no auditório do TJ. A solenidade de transmissão sempre ocorreu no Cefap, com a passagem da tropa. Se o espaço está em reforma poderia fazer no próprio Quartel Central. Qual o motivo da escolha do auditório do TJ. Foi proposital neste momento de crise?

Fonte: blog do jornalista Cláudio Nunes

quinta-feira, 21 de maio de 2009

MILITARES APRESENTAM PAUTA DE REIVINDICAÇÕES NA ASSEMBLÉIA.



Assunto de debates travados na Assembleia Legislativa entre governo e oposição, a situação dos policiais militares de Sergipe foi mostrada no plenário pelos gestores da Caixa de Beneficência da PM e do Corpo de Bombeiros, sargento Jorge Vieira da Silva e o cabo Silvério Palmeira, atendendo a um requerimento aprovado pela Casa, de autoria do líder da bancada de oposição, deputado estadual Venâncio Fonseca (PP). A categoria prestigiou o debate sobre a pauta de reivindicações a ser apresentadas ao governador Marcelo Déda (PT), chegando a superlotar as galerias da Assembléia.

Da tribuna da Casa, o sargento Vieira exibiu um vídeo-documentário destacando vários pontos da pauta de negociação, como a distorção salarial em relação aos rendimentos atuais dos Policiais Civis e o forçado exercício irregular da profissão nas delegacias que, sem estrutura alguma, ficam sob a responsabilidade de policiais militares e não dos civis. Após a exibição, Vieira disse que “é por isso que foi exposto que a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros são grandes. O nosso movimento é ordeiro, democrático, legalista e, principalmente, impactante. Uma frase que resume tudo: perseguição! São ameaças de prisão e expulsão, policiais são obrigados a retirar os adesivos do movimento de seus veículos e até nossos movimentos estão sendo esvaziados”, denunciou.

“Integração entre as polícias nesse modo é impossível, sem o tratamento igualitário. Gostam de exibir os salários dos militares. Por que não divulgam os salários dos policiais civis? Os policiais querem nível superior, uma carga horária definida para deixarem de ser escravos e querem uma remuneração condizente com o grau de complexidade da função. Nós saímos de casa para defender a sociedade e nem sabemos se voltamos. E, alguns, voltam mutilados”, completou o sargento da PM.

Vieira ainda acrescentou que “a Segurança Pública não dá certo em Sergipe porque se investe na polícia reativa, para se encontrar quem matou e quem roubou. Mas a sociedade não quer isso! As pessoas querem a polícia preventiva. Esse investimento tem que partir na valorização do homem. Tem militares que hoje são motoristas de autoridades, enquanto a população está insegura por conta de gestão. Somos contrários a desigualdade dentro da SSP, contra esse tratamento injusto e diferenciado. Por que polícia rica e polícia pobre? Vão esperar o caos total na secretaria? O problema não se resolve com a mudança de secretário ou comandante! Mas com valorização do profissional! Não se pode fazer mudança sem democracia. Não fazemos política contra o governador, mas mesmo sem cometer um crime algum, hoje sou processado por estamos reivin dicando melhores condições de salário e de trabalho. O caminho é o diálogo porque a motivação está acabando”.

Cabo Palmeira – Em seu discurso, o cabo Palmeira colocou que “a nossa capacidade de reagir está sendo retirada. Nós só temos o direito de ficarmos calados e tudo o que dissermos será usado nos tribunais contra nós mesmos. Será que cometemos os crimes de sonhar, de pedir, de expressar nossas agruras e lutar por dias melhores? O nosso cargo é de segurança ostensiva. O Policial Militar sai de casa e vai para a guerra. Muitos acabam perdendo a batalha. Presto uma homenagem a dois sobreviventes desta guerra: o soldado Damião, o sargento Maciel e o cabo Edgar”, colocou.

Em seguida, o cabo da PM acrescentou dizendo que “eles perdem a guerra por salários incompatíveis com a profissão; por uma legislação castrense, onde não se pode reivindicar; carga horária excessiva e as mínimas condições de trabalho. Causa estranheza as condições de higiene que são dadas aos postos de trabalho de outras categorias do governo, mas os nossos são fétidos. O nosso texto não é de esquerda e nem de direita: é positivista!”, completou.
Fonte: Agência Alese

VIEIRA RESUME IMPASSE ENTRE MILITARES E GOVERNO: PERSEGUIÇÃO E AMEAÇA DE PRISÃO.

Assunto de vários debates travados na Assembléia Legislativa, entre governo e oposição, a realidade dos policias militares de Sergipe foi externada até agora há pouco, no plenário da AL, na manhã desta quinta-feira (21), pelos gestores da Caixa de Beneficência da PM e do Corpo de Bombeiros, sargento Jorge Vieira da Silva e o cabo Silvério Palmeira, atendendo a um requerimento aprovado pela Casa, de autoria do líder da bancada de oposição na Casa, deputado estadual Venâncio Fonseca (PP). A categoria prestigiou o debate sobre a pauta de reivindicações a serem apresentadas ao governador Marcelo Déda (PT), chegando a superlotar as galerias da Assembléia.

Da tribuna da Casa, o sargento Vieira exibiu um vídeo-documentário destacando vários pontos da pauta de negociação, como a distorção salarial em relação aos rendimentos atuais dos Policiais Civis e o forçado exercício irregular da profissão nas delegacias que, sem estrutura alguma, ficam sob a responsabilidade de policiais militares e não dos civis. Após a exibição, Vieira disse que é por isso que foi exposto que a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros são grandes. O nosso movimento é ordeiro, democrático, legalista e, principalmente, impactante. Uma frase que resume tudo: perseguição! São ameaças de prisão e expulsão, policiais são obrigados a retirar os adesivos do movimento de seus veículos e até nossos movimentos estão sendo esvaziados, denunciou.

Integração entre as polícias nesse modo é impossível, sem o tratamento igualitário. Gostam de exibir os salários dos militares. Por que não divulgam os salários dos policiais civis? Os policiais querem nível superior, uma carga horária definida para deixarem de ser escravos e querem uma remuneração condizente com o grau de complexidade da função. Nós saímos de casa para defender a sociedade e nem sabemos se voltamos. E, alguns, voltam mutilados, completou o sargento da PM.

Vieira ainda acrescentou que a Segurança Pública não dá certo em Sergipe porque se investe na polícia reativa, para se encontrar quem matou e quem roubou. Mas a sociedade não quer isso! As pessoas querem a polícia preventiva. Esse investimento tem que partir na valorização do homem. Tem militares que hoje são motoristas de autoridades, enquanto a população está insegura por conta de gestão. Somos contrários a desigualdade dentro da SSP, contra esse tratamento injusto e diferenciado. Por que polícia rica e polícia pobre? Vão esperar o caos total na secretaria? O problema não se resolve com a mudança de secretário ou comandante! Mas com valorização do profissional. Não se pode fazer mudança sem democracia. Não fazemos política contra o governador, mas mesmo sem cometer crime algum, hoje sou processado por estar reivindicando melhores condições de salário e de trabalho. O caminho é o diálogo porque a motivação está acabando.

Cabo Palmeira - Em seu discurso, o cabo Palmeira colocou que a nossa capacidade de reagir está sendo retirada. Nós só temos o direito de ficarmos calados e tudo o que dissermos será usado nos tribunais contra nós mesmos. Será que cometemos os crimes de sonhar, de pedir, de expressar nossas agruras e lutar por dias melhores? O nosso cargo é de segurança ostensiva. O Policial Militar sai de casa e vai para a guerra. Muitos acabam perdendo a batalha. Presto uma homenagem a dois sobreviventes desta guerra: o soldado Damião, o sargento Maciel e o cabo Edgar, colocou.

Em seguida, o cabo da PM acrescentou dizendo que eles perdem a guerra por salários incompatíveis com a profissão; por uma legislação castrense, onde não se pode reivindicar; carga horária excessiva e as mínimas condições de trabalho. Causa estranheza as condições de higiene que são dadas aos postos de trabalho de outras categorias do governo, mas os nossos são fétidos. O nosso texto não é de esquerda e nem de direita: é positivista!, completou.

Fonte: Fax Aju

POLICIAIS MILITARES PROTESTAM NA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA.

Os policiais militares lotaram o plenário da Assembléia Legislativa de Sergipe, na manhã desta quinta-feira(21) para cobrar apoio dos deputados estaduais. A categoria luta por reajuste salarial. Durante a sessão, o sargento Vieira e o cabo Palmeira se pronunciaram colocando a atual situação das negociações entre os policiais e o Governo do Estado aos parlamentares. Eles pediram ajuda dos deputados na intermediação das discussões e disseram que estão sofrendo perseguição governamental.

"Estamos respondendo processo por motim injustamente, só porque reivindicamos melhorias salariais. Não é justo que o governo não nos receba e não proponha um reajuste para a categoria. Nós o mesmo tratamento dado aos policiais civis. Queremos equiparação salarial, já que p governo elevou o salário do civil e desmoralizou o militar", disse Vieira.

De acordo com o presidente da Associação dos Oficiais da Policia Militar, capitão Samuel Barreto, os policiais vão continuar frequentando a Assembléia Legislativa a fim de lutar por seus direitos. "Não vamos fazer greve, por ser considerada ilegal, mas não vamos nos acomodar. Os dados divulgados pelo Governo não condizem com a realidade do nosso contracheque. Os deputados precisam nos apoiar, mas até agora nenhuma posição", colocou.

O líder da oposição na Assembléia Legislativa, deputado estadual Venâncio Fonseca, usou o tribuna para saudar os policiais, citando o nome de dois membros da corporação: soldado Damião e o terceiro sargento José Marcelino. O parlamentar disse que os dois PMs são homens honrados e que dedicam as vidas à Polícia Militar e à sociedade. "Cumprem o dever e são exemplos", defendeu Venâncio, lembrando que a categoria vem dando uma demonstração de civilidade no movimento criado para pleitear melhores condições de trabalho e de salário. "Diferente do que ocorreu no passado", destacou.

Solução - A deputada Ana Lúcia(PT) sugeriu a criação de uma comissão parlamentar para intermediar a negociação dos policiais militares com o Governo do Estado. "Vamos unir os parlamentares da Situação e Oposição e levarmos essa situação mais a sério. Queremos que os policiais tenham um retorno o mais rápido possível por parte do Governado Déda", colocou a deputada. O sargento Vieira comunicou que há um tempo um requerimento solicitou a formação de uma comissão, mas até o momento não houve resposta por parte dos deputados. A deputada tentou marcar reunião com os representantes do governo ainda hoje(22) mas não conseguiu êxito. Só a partir de segunda-feira ela dará uma posição aos policiais militares.

Fonte: Atalaia Agora

POLICIAIS MILITARES ENDURECEM DISCURSO CONTRA GOVERNO.

Em plenário da AL, policiais cobraram apoio dos deputados e reiteraram força do movimento para alcance das reivindicações da categoria

Policiais lotam galeria da AL

Os líderes das associações unidas dos policiais militares ocuparam o plenário da Assembléia Legislativa (AL) na manhã desta quinta-feira, 21, para cobrar dos deputados apoio às reivindicações da categoria. Com as galerias lotadas, os parlamentares ouviram do sargento Jorge Vieira e do cabo Palmeira as propostas de reajuste salarial dos PM’s. “Queremos equiparação com os policiais civis”, discursaram eles. A oposição aproveitou para criticar o Governo e cobrar a reabertura do diálogo com os militares.

“Esta é uma oportunidade de mostrar para os deputados a situação atual da categoria e cobrar o apoio dos representantes do povo”, explicou o sargento. O deputado Venâncio Fonseca, afirmou que “a oposição apóia o movimento dos policiais e defende o pagamento de melhores salários para a categoria”. Numa comparação com os policiais civis, Venâncio disse que “o Governo do Estado criou uma polícia rica em detrimento dos militares, que se tornaram a polícia pobre”.

Venâncio apóia policiais militares

Perseguições

Sargento Jorge Vieira e cabo Palmeira ocuparam o plenário da AL

Num discurso menos moderado, os demais líderes das associações, também presentes na AL, relataram de que forma o grupo vai dar continuidade ao movimento. “Quem vai dizer até onde nós vamos chegar é o Governo da forma como está nos tratando”, declarou o capitão Samuel.

De acordo com ele, “se as perseguições continuarem, os policiais militares também continuarão mostrando para a sociedade o que está acontecendo”. A crítica foi feita em relação aos inquéritos policiais e a sindicância que foram abertos contra os líderes das associações. Do mesmo modo, o policial Edgar Menezes afirmou que “o movimentos dos policiais só irá parar quando o Governo atender as reivindicações da categoria ou se prenderem os policiais”.

Ausências
Edgar: "só iremos parar quando o Governo atender as reivindicações"

Com coletes vermelhos e bexigas pretas nas mãos, os policiais acompanharam a sessão da AL e perceberam a ausência do líder da base de apoio do Governo, Francisco Gualberto e do deputado Gilmar Carvalho. “Já imaginávamos que eles não fossem aparecer”, desdenhou Edgar Menezes.

Para defender o Governo, a deputada Ana Lúcia afirmou que “o problema da PM não começou no Governo Déda, pois a desvalorização dos servidores é histórica”. Reconhecendo a legitimidade do movimento dos policiais, ela ressaltou que “a contradição do atual Governo é ainda não ter corrigido as distorções”.

Fonte: Infonet

quarta-feira, 20 de maio de 2009

PMs BUSCAM APOIO DA OAB/SE.

Um grupo de policiais foi à OAB/SE, pedindo intermediação da Ordem para solucionar impasse com o Governo.

Os policias militares fizeram um relato da situação, denunciando que vêm sofrendo perseguições do Governo do Estado por promoverem manifestações públicas em defesa de melhores condições de trabalho e salários. E, na oportunidade solicitaram a interferência da OAB/SE para solucionar o impasse.

O presidente da OAB/SE, Henri Clay Andrade, ouviu as reclamações dos policiais militares e demonstrou preocupação com o impasse, entendendo que a Polícia Militar é fundamental e estratégica para a segurança pública do Estado.

Henri Clay tentará uma audiência com o governador Marcelo Déda para discutir a questão de forma a restabelecer o diálogo entre Governo e Policiais Militares.
Fonte: OAB/SE



SEM ACORDO, POLICIAIS MILITARES PODERÃO SE AQUARTELAR NA PRÓXIMA SEMANA.

O governador Marcelo Deda (PT), deve anunciar até a próxima sexta-feira (22), o valor do reajuste que será dado ao funcionalismo público estadual. O anuncio está sendo aguardado pela maioria dos servidores, porem não é esse o sentimento da Policia Militar.

As Associações Militares, estão à espera de que a Mesa de Negociação montada pelo governo do estado, volte a se reunir para que seja resolvido as reivindicações dos PMs. Eles querem equiparação salarial e que seja concedido reajuste, assim como foi feito com a policia civil.

As Associações já contam com o apoio de 17 Coronéis da corporação, que irão acompanhar e participar das negociações ao lado dos representantes da classe. Isso pode acelerar um possível aquartelamento da tropa, uma vez que, estando esses coronéis participando das manifestações, a PM não terá quem comandar as operações.

A reclamação dos PMs, é de que o governo venha a conceder o reajuste, sem que seja feito a equiparação salarial que eles reivindicam. A situação está se tornando cada vez mais complicada, o que deixa a população à mercê dos bandidos, já que o governo não acena para que a mesa de negociação volte a funcionar.

O aquartelamento, embora não seja confirmado pelas Associações, poderá acontecer na próxima semana, já que o reajuste deverá ser linear e abranger a todos os servidores, incluindo a policia militar.

Alem desse impasse, os dirigentes das Associações estão a cada final de dia tendo uma surpresa. No inicio da semana, os mesmos tomaram conhecimento de que irão responder a mais um inquérito policial, o que deixa, não só os representantes das associações, bem como toda a corporação revoltada.

Outra situação que poderá acontecer no estado, é uma “greve branca”, que também não é confirmada pelas associações, mas que pode acontecer. Policiais estarão na rua, porem de braços cruzados, sem combater o crime. Dessa forma não há como puni-los, já que estarão em serviço, porem sem trabalhar.

Se isso vier a ocorrer, é possível que a OAB/SE, solicite intervenção federal, já que o estado ficará sem segurança. A OAB tem acompanhado de perto as negociações e deve se pronunciar sobre o assunto ainda esta semana.

Fonte: Fax Aju

terça-feira, 19 de maio de 2009

POLICIAIS MILITARES VOLTAM A PROTESTAR EM FRENTE À OAB DE SERGIPE.

Mesmo com perseguições e diversas tentativas de intimidar a classe, os militares sergipanos e suas suas esposas, participaram de uma manifestação em frente a O.A.B. Sergipe, onde na sede desta Entidade estava a se realizar uma sessão de julgamento da Comissão de Anistia, mostrando as mazelas do período ditatorial, mas pelo jeito esse período ainda ecoa em Sergipe, pois nunca se viu tamanha perseguição contra a classe dos militares por parte do Governo do Estado.

Assista a matéria exibida na TV Sergipe, no SE Notícias 2ª edição, clicando no link abaixo:
http://emsergipe.globo.com/multimidia/?id=28598

MP PEDE INSTAURAÇÃO DE INQUÉRITO CONTRA ASSOCIAÇÃO DE PMs.

Veja matéria exibida no telejornal SE Notícias 2ª edição da TV Sergipe, que mostra que os representantes das Associações Unidas irão responder a mais um inquérito policial, por solicitação do Promotor de Justiça Militar, em virtude de terem participado do protesto realizado pelas mulheres dos policiais militares no último dia 29 de abril.

Clique no link abaixo e confira a reportagem:
http://emsergipe.globo.com/multimidia/?id=28597

POLICIAIS E ESPOSAS REALIZAM PROTESTO.

Espalhados pelos semáforos localizados no entorno da Praça Camerino, os manifestantes entregaram folhetos contra dados divulgados pelo Governo

Policiais reunidos nas proximidades da Praça Camerino

Policiais militares e esposas realizaram mais um movimento por reajuste salarial nesta segunda-feira, 18. Espalhados pelos semáforos localizados no entorno da Praça Camerino, os manifestantes entregaram folhetos com informações sobre o salário dos policiais e a diferença existente com os valores divulgados pelo Governo do Estado.“Os dados divulgados pelo Governo não condizem com a realidade. É só mais uma forma de enganar a sociedade”, disse o sargento Vieira, acompanhado de alguns policiais, que concordavam com ele sobre a “inverdade” dos valores apresentados em peças publicitárias do Governo. “Este é mais um protesto em favor dos policiais militares, que se arriscam e são submetidos a várias situações de risco”, afirmou Vieira.

“Estou ajudando meu marido”

Maria José: "precisamos nos movimentar"

A declaração acima é da senhora Ivanete Viana, que distribuía folhetos em frente à Ordem dos Advogados do Brasil, em Sergipe (OAB/SE), local onde havia maior concentração de manifestantes. No local acontecia a solenidade de julgamento da Comissão Nacional de Anistia, com a presença do ministro Tarso Genro e do governador Marcelo Déda.

A dona de casa Maria José, que também é esposa de policial, afirmou que “não é justo que os militares recebam tão pouco”. Para ela, as manifestações são uma forma de mostrar para a sociedade a importância do trabalho da PM. “Nós precisamos nos movimentar, fazer alguma coisa, para que este quadro mude”, afirmou ela.

Gratificação

Vencimentos dos policiais

Um soldado engajado, que preferiu não se identificar, temendo represálias, afirmou que recebe R$ 1.635,33, valor esse inferior ao divulgado pelo Governo (R$ 1.778,42). Como prova, o policial apresentou o contracheque. Da mesma forma, um segundo tenente comprovou que recebe menos de R$ 3.735,96 (salário previsto pelo documento divulgado pelo Governo). “Eu recebo mensalmente R$ 2.889,67, e isso porque não estou mais na ativa, já que os valores que o Governo está divulgando são elevados por conta da gratificação por serviço externo”, explica o tenente.

Para o sargento Vieira, “é injusto que esta gratificação seja paga somente aos policiais que estão na ativa, pois, se um policial se aposentar hoje, fica recebendo um salário muito baixo”. Outro ponto de discordância diz respeito ao valor do triênio, que no documento divulgado pelo Governo, refere-se a vencimentos máximos. “O policial só estará recebendo os salários apresentados pelo Governo se ainda estiver na ativa após 30 anos de trabalho e isto é impossível”, reclama ele.

Resposta

A superintendente geral dos Recursos Humanos da Secretaria de Estado da Administração, Andrea Machado, explica que o reajuste na gratificação por serviço externo corresponde a um dos avanços oferecidos pelo Governo aos policiais. “A gratificação refere-se a 82% do salário base”, informa ela.Sobre o triênio, ela confirma que os dados referem-se a valores máximos, mas ressalta que esta informação está presente no documento divulgado pelo Governo. “Nós não escondemos esta informação. Ela está presente na legenda que explica que a remuneração é a soma de diversos valores, dentre eles, o vencimento básico, a gratificação por serviço externo, o triênio máximo, a periculosidade e a gratificação por atividade militar”, explica Andrea Machado.


Fonte: Infonet

segunda-feira, 18 de maio de 2009

REPRESENTANTES DAS ASSOCIAÇÕES UNIDAS ESTÃO SENDO INDICIADOS POR PARTICIPAREM DA PRIMEIRA CAMINHADA PATROCINADA PELAS MULHERES DOS POLICIAIS MILITARES

Os representantes das Associações Unidas estão mais uma vez sendo indiciados para responderem a novo processo criminal, só que desta feita por terem participado do dia 29 de abril do corrente ano, da caminhada organizada pelas mulheres dos policiais militares sergipanos, que contou também com a presença de parentes, amigo e simpatizantes da causa. É lamentável tamanha perseguição ao representantes da classe que de forma pacífica e ordeira, vêm lutando pela melhoria da classe. MILITARES, PERMANEÇAMOS UNIDOS POIS SÓ ASSIM DEMONSTRAREMOS NOSSA FORÇA E DAREMOS UM BASTA NESTA PERSEGUIÇÃO DESENFREADA PARA CALAR AS VOZES DO NOSSO MOVIMENTO.

Veja abaixo fotos de entrevista concedica hoje à TV Sergipe pelos representantes das Associações Unidas, acerca do seus indiciamentos em novo processo criminal.




ENQUANTO ISSO NA PM, NADA DE PROMOÇÕES. DEVEM ESTAR ESTUDANDO, POIS SÓ DÃO ESSA RESPOSTA QUANDO SE QUESTIONA SOBRE AS MESMAS.

CESSÃO DE PM PARA O TRF.

Soa estranho a cessão de Policiais Militares para o TRF da 5ª Região. O Tribunal possui o cargo de Técnico Judiciário, especialidade Segurança e Transporte, cujas atribuições se dirigem basicamente para a proteção e transporte dos Magistrados em eventos decorrentes do serviço. Além disso, faz concursos regularmente para o preenchimento do cargo. Quem perde com isso? A população, que sofre com a diminuição do efetivo policial nas ruas do Estados".

Fonte: blog do jornalista Cláudio Nunes

GOVERNADOR PECA AO DEIXAR POLICIAIS REQUISITADOS.

O governador Marcelo Déda não teve a coragem de acabar com a prática de colocar à disposição de órgãos públicos e outros segmentos policiais militares. São muitos, mas muitos mesmo, que poderiam trabalhar no policiamento ostensivo nas ruas. Tem PM que só colocou a farda quando fez o curso para ingressar. De lá para cá vive requisitado. E o pior: a maioria está insatisfeita com o governo. Cadê a coragem governador?

Fonte: blog do jornalista Cláudio Nunes

domingo, 17 de maio de 2009

ATENÇÃO! PASSEATA DAS MULHERES DOS POLICIAIS MLITARES NESTA SEGUNDA-FEIRA.

Nesta segunda-feira, dia 18, as lideranças da Associação das Mulheres dos Policiais Militares, irão realizar MAIS UMA GRANDE PASSEATA PELAS RUAS DE ARACAJU, com o objetivo de mostrar para a sociedade a discrepância salarial existente entre as Polícias Militar e Civil, bem como, pedir um basta nas perseguições que os militares que representam a classe vêm sofrendo por parte do Governo e do atual Comando da PM. A CONCENTRAÇÃO SERÁ REALIZADA ÀS 13:00 HORAS, NA PRAÇA CAMERINDO. A participação de todas as mulheres de policiais militares, de militares, parentes e simpatizantes da causa é de extrema importância, pois não devemos esquecer que a união faz a força e só assim, demonstrar que o movimento dos militares não se calará ante as perseguições.

sexta-feira, 15 de maio de 2009

COMANDO DA PM: PEDROSO FICA SURPRESO COM INDICAÇÃO.

Novo comandante da Polícia Militar de Sergipe está alinhavando os projetos que serão desenvolvidos a partir da próxima semana

Coronel Pedroso: "novo desafio"

O secretário de Segurança Pública João Eloy confirmou nesta sexta-feira, 15, a indicação dos coronéis José Carlos Pedroso Assumpção como comandante da Polícia Militar de Sergipe e Eduardo Santiago como subcomandante. Modesto, coronel Pedroso preferiu falar com a reportagem do Portal Infonet, ainda como “suposto” comandante, alegando que o decreto ainda não foi assinado pelo governador Marcelo Déda. Mas garante ter ficado surpreso com a indicação.

Segundo o secretário João Eloy, a indicação do substituto de Magno Silvestre, com quem teve uma conversa nesta sexta-feira, comunicando a troca de comando da PM, não é do governador Marcelo Déda. “A escolha foi minha e toda a responsabilidade também é minha, pois confio no trabalho de ambos”, destaca referindo-se aos coronéis Pedroso e Santiago.

Coronel Pedroso disse que aguardará o anúncio do governador, pois até que haja a assinatura do decreto e a posse, continua como responsável pela Assessoria de Comunicação da PM. “Ainda não vou me pronunciar como comandante. Estou me resguardando até a próxima semana quando o decreto deverá ser assinado”, ressalta.

Indagado se será difícil substituir Magno Silvestre à frente do comando da Polícia Militar de Sergipe, coronel Pedroso foi claro. “A tarefa difícil não é substituir Magno Silvestre, mas ser o comandante da corporação, o que para mim será um novo desafio. Estou alinhavando os projetos com calma”, enfatiza acrescentando que o convite foi uma surpresa.

Fonte: Infonet

CORONEL PEDROSO SERÁ NOVO COMANDANTE DA PM.

O novo comandante da Polícia Militar será mesmo o coronel José Carlos Pedroso. A informação foi confirmada no início da tarde desta sexta-feira(15) pelo secretário de Segurança Pública, João Eloy. O decreto de exoneração ainda não foi publicado no Diário Oficial do Estado. Segundo informações, o atual coronel da Polícia Militar (PM), Alberto Magno Silvestre dos Santos, deixará o comando da Polícia Militar de Sergipe na próxima semana.

"A exoneração deve estar saindo na próxima segunda-feira, mas independente disso o coronel Magno já está sabendo da mudança. Na manhã desta sexta-feira conversei com ele, o comuniquei da decisão e o agradeci pela colaboração", comentou o secretário, que não soube informar para qual setor o coronel será encaminhado. Segundo ele, esta determinação será do novo comandante da PM de Sergipe.

De acordo com o Coronel Pedroso, será um desafio comandar a corporação. "Recebi a indicação com surpresa, mas até o momento respondo pela Assessoria de Comunicação da PM. Só serei comandante após a assinatura do decreto por parte do governador", falou.

Fonte: Atalaia Agora

quinta-feira, 14 de maio de 2009

O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA, DR. JOÃO ELOY, CONVIDA REPRESENTANTES DAS ASSOCIAÇÕES UNIDAS PARA UMA VISITA.

No dia de ontem, no turno da tarde, os representantes das Associações Unidas foram convidados para uma visita à SSP pelo Dr. João Eloy. Os representantes dos militares esperam que o atual Secretário de Segurança possa ter um diálogo franco e aberto com a classe. Vamos esperar para ver.





PM APURA TRANSFERÊNCIA DE CAPITÃO DO PELOTÃO AMBIENTAL.

Promotores acham coincidência o capitão Matheus ter sido afastado após diligência a uma boate.

Os promotores de Justiça Augusto César Leite de Resende (Meio Ambiente e Urbanismo), Deijaniro Jonas Filho (Controle Externo da Atividade Policial) e Sandro Luiz da Costa (Meio Ambiente e Urbanismo) ouviram ontem, o ex-comandante do Pelotão Ambiental de Aracaju, capitão Matheus Soares Silva, com o objetivo de investigar a motivação da sua transferência para o Batalhão da Polícia Militar de Lagarto.

O fato ocorreu sem qualquer motivação, segundo os promotores, e, coincidentemente, dois dias depois da diligência na “Boate Suburbia”, no bairro Coroa do Meio, realizada na madrugada do último dia 2 de maio, por requisição do MPE diante das constantes reclamações de poluição sonora recebidas. Na ocasião, o Pelotão Ambiental apreendeu uma mesa de som pertencente a uma pessoa ligada ao comando da Polícia Militar, encaminhando-a, posteriormente, ao Juizado Especial Criminal do DIA.

“Diante de indícios concretos de violação ao princípio da impessoalidade, ante a suposta perseguição ao ex-comandante do Pelotão Ambiental, o MPE instaurou Inquérito Civil para apurar a conduta do comando da Polícia Militar de Sergipe, consistente na transferência imotivada do capitão Matheus do comando do Pelotão Ambiental, para o 7º Batalhão, em Lagarto”, explicou o promotor Augusto César Leite de Resende.

O Ministério Público solicitou informações ao comandante da Polícia Militar de Sergipe, Magno Silvestre para que justifique a transferência do capitão Matheus para Lagarto. Posteriormente, as razões apresentadas serão analisadas pelos Promotores de Justiça, que adotarão as medidas necessárias.

No ofício encaminhado à PM, o Ministério Público esclarece que diligências desse tipo fazem parte do trabalho de parceria desenvolvido entre MPE, Polícia Militar do Estado de Sergipe e outros órgãos, com o único objetivo de atender à população e reduzir as reclamações de poluição sonora e ambiental, recebidas em grande volume pelas Promotorias do Meio Ambiente. Por isso, o MPE consi-dera que o afastamento do capitão Matheus do Pelotão Ambiental ocorre na contra-mão do trabalho que vem sendo desenvolvido, tendo em vista a sua especialização em Gestão e Policiamento Ambiental, e a sua expressiva atuação, reconhecida por todos os promotores Ambientais da Grande Aracaju.

Fonte: Jornal da Cidade

CERCA DE 500 PMs EM DESVIO DE FUNÇÃO.

O governo do estado está de parabéns pelas inaugurações da penitenciaria do bairro santa maria e do cadeião, todavia necessário se faz um maior planejamento por parte da secretaria no tocante ao número de agentes penitenciários para gerir suas necessidades. O boletim geral ostensivo da Policia Militar de 13 de maio, n° 82, publica a transferência de mais 10 policiais militares para o cadeião, além dos mais de 50 retirados das ruas para tomar conta da penitenciaria do Santa Maria. Isso tudo somado aos mais de 400 PMs nos muros dos presídios do estado, perfaz um total de cerca de 500 policias desviados de função, realizando atividade diversa do que a constituição determina. Essas atividades são de agentes penitenciários. A Sejuc se sustenta pela força da PMSE fazendo com que a população sergipana seja prejudicada com a escassez do policiamento ostensivo. E o mais importante, todos os policiais militares são pagos pela Polícia Militar, a Sejuc não entra nem com a gratidão e o reconhecimento pelos serviços prestados.

Fonte: blog do Jornalista Cláudio Nunes.

POLICIAMENTO OSTENSIVO. PRIORIDADE?

Tornou-se uma constante a cessão de policiais militares para os mais diversos órgãos através da secretaria de estado da administração, um exemplo claro disso são as publicações no BGO n° 81 de 12 de maio. Todas as cessões feitas com ônus para o órgão de origem, ou seja, a Polícia Militar. São os órgãos beneficiados: promotoria de justiça de Ribeirópolis, moita bonita, aparecida e são Miguel do Aleixo, secretaria de estado de planejamento e tribunal regional federal 5ª região. Essas não são as primeiras cessões feitas pela administração.

Fonte: blog do Jornalista Cláudio Nunes.

PELOTÃO AMBIENTAL.

O governador do Estado precisa mandar apurar a exoneração do capitão Matheus, do comando do Pelotão Ambiental, que foi transferido para Lagarto. O comentário é que o mesmo O mesmo foi exonerado do comando da pelotão e transferido para Lagarto por cumprir com o seu dever. Com a operação do pelotão ambiental para diminuir os abusos com uso de equipamentos de som, ao fazer uma abordagem na coroa do meio e apreender equipamento de uma casa noturna, o mesmo recebeu a visita do motorista da Sub-Comandante da PM que, a pedido do mesmo, solicitava a devolução dos equipamentos. Como não o fez, foi exonerado! O Pelotão Ambiental estava realizando um excelente trabalho com o apoio do MP. Certamente o MP vai investigar este problema.

Fonte: blog do Jornalista Cláudio Nunes

RESPONSÁVEL PELO PELOTÃO AMBIENTAL É TRANSFERIDO. SERÁ APURADA UMA POSSÍVEL PERSEGUIÇÃO AO OFICIAL.

Assista a matéria exibida no telejornal SE Notícias 2ª edição da TV Sergipe, onde mostra que o ex-comandante do Pelotão Ambiental, Cap. Matheus Soares Silva, fora transferido deste para o Batalhão de Lagarto e que o Ministério Público Estadual irá apurar tal fato, visto que existem indícios concretos de violação ao princípio da impessoalidade, ante a suposta perseguição ao ex-comandante do Pelotão Ambiental.

Veja a reportagem clicando abaixo:
http://emsergipe.globo.com/multimidia/?id=28472

quarta-feira, 13 de maio de 2009

MPE INVESTIGA AFASTAMENTO EX-COMANDANTE.

Os Promotores de Justiça Augusto César Leite de Resende (Meio Ambiente e Urbanismo), Deijaniro Jonas Filho (Controle Externo da Atividade Policial) e Sandro Luiz da Costa (Meio Ambiente e Urbanismo) realizaram nesta quarta-feira (13), a oitiva do ex-Comandante do Pelotão Ambiental de Aracaju, Capitão Matheus Soares Silva, com o objetivo de investigar a motivação da sua transferência para o Batalhão da Polícia Militar de Lagarto.

Tal fato ocorreu sem qualquer motivação e, coincidentemente, dois dias depois da Diligência na “Boate Suburbia”, realizada na madrugada do último dia 2 de maio, por requisição do MPE diante das constantes reclamações de Poluição Sonora recebidas. Na ocasião, o Pelotão Ambiental apreendeu uma mesa de som pertencente a uma pessoa ligada ao Comando da Polícia Militar, encaminhando-a, posteriormente, ao Juizado Especial Criminal do DIA.

“Diante de indícios concretos de violação ao princípio da impessoalidade, ante a suposta perseguição ao ex-comandante do Pelotão Ambiental, o MPE instaurou Inquérito Civil para apurar a conduta do Comando da Polícia Militar de Sergipe consistente na transferência imotivada do Capitão Matheus do Comando do Pelotão Ambiental para o Sétimo Batalhão, em Lagarto”, explicou o Dr. Augusto César Leite de Resende.

O Ministério Público solicitou informações ao Comandante da Polícia Militar de Sergipe, para que justifique a transferência do Capitão Matheus para Lagarto. Posteriormente, as razões apresentadas serão analisadas pelos Promotores de Justiça, que adotarão as medidas necessárias.

No Ofício encaminhado à PM, o Ministério Público esclarece que diligências desse tipo fazem parte do trabalho de parceria desenvolvido entre MPE, Polícia Militar do Estado de Sergipe e outros órgãos, com o único objetivo de atender à população e reduzir as reclamações de Poluição Sonora e Ambiental, recebidas em grande volume pelas Promotorias do Meio Ambiente. Por isso, o MPE considera que o afastamento do Capitão Matheus do Pelotão Ambiental ocorre na contra-mão do trabalho que vem sendo desenvolvido, tendo em vista a sua especialização em Gestão e Policiamento Ambiental, e a sua expressiva atuação, reconhecida por todos os Promotores Ambientais da Grande Aracaju.

Fonte: Fax Aju

URGENTE!!! PASSEATA DAS MULHERES DOS POLICIAIS MILITARES SEGUNDA-FEIRA, ÀS 13 HORAS.

Recebemos um email proveniente da Associação das Mulheres dos Policiais Militares informando da impossibilidade de realização do EVENTO PROGRAMADO PARA 15 HORAS DA QUINTA-FEIRA, DIA 14/05/2009, em decorrência das fortes chuvas que têm assolado a capital sergipana.
Nesta mesma oportunidade, as lideranças da Associação das Mulheres dos Policiais Militares pediram a compreensão por parte dos interessados em participar e remarcaram a GRANDE PASSEATA DAS MULHERES DOS POLICIAIS MILITARES PARA ÀS 13 HORAS DA SEGUNDA-FEIRA, DIA 18/05/2009.
É de suma importância o nosso COMPARECIMENTO EM MASSA, já que um MINISTRO DO GOVERNO LULA VAI ESTAR VISITANDO A CIDADE.
O BARNABÉ MILITAR DE SERGIPE VAI VIRAR ARTISTA GLOBAL!!!!
AVANTE CAMARADAS!
DIGNIDADE JÁ!
ISONOMIA SALARIAL NA SSP/SE JÁ!
CARGA HORÁRIA JÁ!
NÍVEL SUPERIOR JÁ!
QUE DEUS NOS AJUDE E OLHE POR NÓS!

Fonte: www.capitaomano.blogspot.com

ERA ASSIM QUE ESTAVA NOSSA SSP.

terça-feira, 12 de maio de 2009

FONSECA: "GOVERNO PODE OFERECER BOM REAJUSTE".

Usando os números apresentados pelo Departamento Intersindical de Estudos Sócio-Econômico (Dieese), o deputado estadual Venâncio Fonseca (PP) cobrou hoje (12) do governador Marcelo Deda (PT) um bom reajuste para o funcionalismo público estadual. "Já se aproxima a segunda quinzena do mês de maio (quando o governador disse que iria anunciar o percentual de reajuste do salário dos servidores públicos estaduais), e é preciso que a equipe econômica do governo traga boa notícia para os trabalhadores", disse Fonseca.

Pelos dados apresentados pelo economista Luiz Moura, que coordena o Dieese em Sergipe, o Estado tem condições de oferecer um reajuste de, no mínimo 15,8%, respeitando o limite prudencial a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e podendo chegar a 21,89%, usando o limite máximo permitido pela mesma lei.

Segundo ele, não adiantar criticar os dados do Dieese porque eles são oficiais. "Vale lembrar que quando o PT era oposição usava, justamente, os dados do Dieese para cobrar aumento para o trabalhador. Não adianta o governador dizer, agora, que Luiz Moura é um vendedor de ilusões porque não é. Os números apresentados sobre as finanças públicas do Estado são reais e devem ser considerados", afirmou.

Fonte: Atalaia Agora

INSEGURANÇA NO BAIRRO SIQUEIRA CAMPOS.

FAMILIAS AMENDROTADAS NO SIQUEIRA CAMPOS

Dezenas de famílias que residem no bairro Siqueira Campos, em Aracaju, estão vivendo um verdadeiro terror. Diariamente várias casas são arrombadas por marginais que agem em plena luz do dia, sem medo de represálias.

Os moradores reclamam da falta de policiamento preventivo na região. Os marginais agem durante o dia e de “cara limpa”. Eles não tem a preocupação de encobrirem o rosto. No último domingo, marginais visitaram uma residência na rua Bahia, bem próximo às residências dos militares do exército. Por volta das 15 horas, mesmo com o portão trancado com cadeado, foi levado do local uma bicicleta. Recentemente nesta mesma residência, um marginal tentava arrombar a casa, porem foi impedido de realizar o ato por um vizinho, que acabou por detê-lo.

A população deseja que a Policia Militar realize blitz na região, efetuando revistas e conferindo a identificação das pessoas, pois ai, inibiria a ação dos marginais.

Fonte: Fax Aju