segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

ADVOGADO DIZ QUE AÇÃO DE PMs FOI LEGAL.

O advogado da Associação Beneficente dos Servidores Militares de Sergipe, Dr Márlio Damasceno, disse na manha desta segunda-feira (28), que a ação dos PMs, no episodio que envolveu o cantor André Lelis, foi legal.

Márlio disse que os PMs só compareceram ao local, após serem acionados pelo Ciosp, já que houve vários telefonemas de moradores vizinhos ao local onde estava sendo realizado o show. “A lei é para todos, portanto se os moradores se sentiram incomodados e solicitaram a presença da policia, está se fez presente e pediu que se diminuísse o som. Outra coisa, para que o show fosse realizado, alem de autorização da Emsurb, os moradores também teriam que ter dado autorização, como exige a lei”, explicou o advogado.

Para o advogado, um outro ponto que caracterizou “desacato a autoridade”, foi o fato de que o cantor teria dito no palco, que iria encerrar o show por determinação policial e que isso acontecia em Aracaju, coisa que segundo o cantor não ocorria em Salvador. “Ele podia ter dito que o show ia ser interrompido mas não que isso só acontece aqui”, disse Márlio.

Fonte: Faxaju (Munir Darrage)

APÓS DEPOIMENTO, ANDRÉ LELLIS É LIBERADO.

O artista se apresentou na manhã desta segunda-feira, 28, na SSP onde foi liberado em seguida pelo delegado Fernando Melo

O artista no momento que estava detido

O depoimento do cantor André Lélis, que estava sendo aguardado na manhã desta segunda-feira, 28, na Delegacia de Turismo, foi transferido para a Coordenadoria de Policiamento da Capital (Copcal) da Secretaria da Segurança Pública (SSP). Ele foi detido na noite do último domingo, 27, enquanto realizava um show no bairro Coroa do Meio, depois que os policiais solicitaram o fim da apresentação por poluição sonora.

Enquanto a imprensa aguardava a chegada do artista na Delegacia de Turismo, o delegado Gilberto Passos explicou que estava no momento do show e que chegou a questionar os militares sobre o que estava acontecendo, mas só obteve a informação de que o equipamento de som do local seria apreendido, por conta da perturbação do sossego.

“Eu estava do lado de fora da casa, não presenciei e nem ouvi nenhum ato de incitação por parte do artista, até porque na hora o som já estava baixo. Mas isso será apurado no inquérito. Caso a PM tenha cometido alguma irregularidade, o juiz irá saber dosar a aplicação da pena. E caso André Lélis tenha cometido um delito, também será apurado”, explica o delegado.

Passos acrescentou, ainda, que existe uma controvérsia entre um suposto abuso de autoridade ou um crime de desobediência por parte do artista.

O advogado da empresa responsável pelo evento, Bruno Novaes Rosa, afirmou que o evento já estava acontecendo há pelo menos três horas e que o artista foi surpreendido com os policiais em cima do trio determinando que parasse de tocar. “O artista foi o último a se apresentar e estava tocando há 40 minutos quando foi surpreendido por policiais em cima do trio. Em momento algum foi pedido que regulasse a altura do som, até porque quem controla o som não é o cantor”, destacou o advogado, declarando que durante a abordagem a Polícia Militar não portava nenhum equipamento para medir a intensidade do som.

A assessoria de comunicação da empresa organizadora do evento, Amanda Silveira, salientou que os policiais agiram de forma truculenta, mas considera o fato como isolado. “Em nenhum momento os policiais chegaram para negociar, e o show foi encerrado, a polícia subiu no trio e o cantor foi preso. Diria que a polícia agiu de forma truculenta”, assegura a assessora, que nega qualquer ato de incitação por parte do artista e esclarece que a polícia é parceira e colabora em todos os eventos organizados pela empresa.

O advogado da Associação Beneficente de Servidores Militares de Sergipe (Absmse), Márlio Damasceno, afirma que o procedimento feito pelo militares foi correto. “A lei do silêncio existe e deve ser respeitada, os policiais foram até o local atender uma ocorrência de perturbação do sossego, onde se tratava de um trio elétrico tocando em uma área externa. O que não poderia acontecer foi o artista incitar as pessoas dizendo que em Salvador isso não acontece. Da mesma forma que as pessoas têm direito a diversão, outras têm direito ao descanso”, menciona o advogado.

Coordenador da Copcal, Delegado Fernando Melo

O coordenador das delegacias da capital, Fernando Melo, disse que achou melhor que o artista comparecesse a Copcal por considerar imparcialidade, já que o delegado da Delegacia de Turismo estava no local durante o fato. “Orientei que ele fosse embora e se for preciso um novo depoimento, ele será convocado. Todos os fatos serão investigados”, garante.

Fonte: Infonet (Kátia Susanna)

CANTOR ANDRÉ LELIS É PRESO EM ARACAJU E SOLTO AO PRESTAR DEPOIMENTO À POLÍCIA.

Depois de prestar declarações ao delegado plantonista, Washington Okada, na madrugada desta segunda-feira (28), o cantor André Lelis, foi liberado pela Polícia Civil, mas só retorna a Salvador à tarde depois de ser ouvido pela Delegacia de Turismo, para onde o inquérito foi enviado.

O titular da Delegacia de Turismo, Gilberto Passos, vai ouvir depoimento de todos os envolvidos no incidente que ocorreu ontem durante a lavagem da casa de show Subúrbia, ionde André Lelis desceu preso do trio elétrico, em show para aproximadamente três mil pessoas.

Já foram ouvidos o aspirante PM Igor Alves e o PM Soares, da Polícia Ambiental, autores da prisão do cantor. Todos serão intimados pelo delegado Gilberto Passos a depor na Delegacia de Turismo, que será a responsável pelo inquérito. O cantor André Lelis foi ouvido por vol das 02:30 horas da madrugada desta terça-feira pelo delegado plantonista e logo depois liberado, porque não foi comprovado algum tipo de crime, que justificasse sua detenção pelos Policiais.
Segundo informação do pessoal ligado ao cantor e de promotores do evento, André Lelis entrará com um processo contra o aspirante Igor Alves, por abuso de autoridade. Na plantonista, a reportagem do Faxaju Online, que acompanhou todos os fatos, conversou com o aspirante Igor Alves e ouviu: “não posso dar entrevistas. Quem deve tratar do assunto é o comandante da PM ou a assessoria de imprensa”.

O fato - O cantor baiano André Lélis foi preso na noite deste domingo (27), quando cantava durante a festa da lavarem do Subúrbia, casa de show localizada na Coroa do Meio, por volta das 22 horas, depois que soldados da Radio Patrulha invadiram o local e determinaram a redução do som do trio elétrico Fofinho, que hoje deve seguir para tocar no carnaval do Piauí.

Com a determinação da Polícia de parar o show, mesmo depois de ter baixado o som, o cantor André Lelis anunciou ao público que estava terminando o show por ordem da Polícia”. E lamentou: “a festa está tão bonita, em Salvador não acontece isso”. Ao ouvir a palavras do cantor, o aspirante PM Igor Alves, que estava como oficial de operação, e o policial Soares, da Polícia ambiental, deram voz de prisão a André Lélis e o obrigaram a descer do trio.

Houve um princípio de tumulto e muita gente subiu no trio. O policial queria que ele descesse pelo fundo, mas o cantor desceu pela frente e, passando por uma multidão de aproximadamente três mil pessoas, os policiais foram vaiados por jovens que participavam da festa.

Na delegacia plantonista, para onde foi levado, duas versões foram dadas como motivo da prisão: desacato à autoridade, insuflar a população contra as autoridades policiais e desobediência a uma determinação policial. O delegado de plantão, Washington Okada, ouviu o depoimento do aspirante Igor, do policial Soares e do cantor André Lelis, liberando-o logo em seguida.

Acabar a festa – Gustavo Paixão, um dos organizadores do evento, acompanhou tudo na Delegacia Plantonista e disse que a intenção era acabar a festa. Paixão contou, ainda que assim que os policiais chegaram o som foi baixado, sem que tivesse havido algum pedido e muito menos uma conversa.

Um dos proprietários da casa de show Subúrbia, Alexandre Souza, disse que não houve notificação do pelotão ambiental. “Os policiais estavam armados, inclusive com metralhadoras, o que foi um risco, já que havia uma multidão de jovens participando da festa”.

Segundo um advogado que estava na festa, mais de 30 policiais fortemente armados chegaram ao local e agiram com truculência: “não houve nenhum crime que justificasse a ação”, disse. Os organizadores da festa disseram que todos os vizinhos foram consultados sobre a lavagem do subúrbio e concordaram com o evento. Uma senhora grávida aceitou ser hospedada em um hotel da orla, para não ser incomodada pelo barulho.

Segundo ainda os responsáveis pela festa, um fiscal da Emsurb estava no local e seu aparelho mostrava que os decibéis eram compatíveis com o horário.

A Polícia diz que recebeu uma determinação do Ciosp para enviar uma patrulha ao local, mas a pessoa que telefonou não se identificou. Várias pessoas estavam na Delegacia Plantonista. Ouviram de um soldado da PM: “se fosse um pé de chinelo não tinha ninguém aqui”.

Fonte: Faxaju

RADIOPATRULHA PRENDE FORAGIDO DO PRESÍDIO DE AREIA BRANCA.

Policiais militares da Companhia de Polícia de Radiopatrulha (CPRp) prenderam na tarde de sexta-feira, 25, Alain Delon Santos Nascimento, 30 anos, acusado de empreender fuga do presídio de Areia Branca.

A ação aconteceu no bairro Jardim Centenário, bairro Olaria, quando uma guarnição recebeu a informação - através de agentes penitenciários que trabalham no local – de que o homem havia fugido e empreenderam buscas. O homem foi condenado a 19 anos de reclusão por homicídio e fugiu há três meses. Alain foi preso e encaminhado ao referido presídio.

Prisão de traficantes

Policiais militares da CPRp prenderam no sábado, 26, Adriano Conceição Menezes, 20 anos, e Everton dos Santos Menezes, 19 anos, acusados de portar 16 pedras de crack prontos para a comercialização. A ação, comandada pelo sargento Elson Nascimento, aconteceu na rua Geruzinho, Centro de Aracaju, quando os policiais encontraram os suspeitos vendendo crack em um imóvel abandonado e a droga comercializada estava escondida em um tijolo. Os envolvidos foram conduzidos à Delegacia Plantonista.

3º BPM IMPEDE FURTO DE GADO E APREENDE VEÍCULOS USADOS NO CRIME EM CAMPO DO BRITO.

O Pelotão de Comandos e Serviços do 3º Batalhão de Polícia Militar (PCSv/ 3º BPM) apreendeu dois veículos usados numa tentativa de furto na noite do sábado, 26, no povoado Limoeiro, em Campo do Brito, município distante 64 quilômetros da capital.

A ação foi frustrada por militares informados via 190 sobre a presença de homens que tentavam furtar o gado de uma propriedade rural da localidade. Ao se aproximar do ponto indicado, os PMs avistaram dois carros e uma movimentação de pessoas.

Os suspeitos notaram a aproximação da polícia e empreenderam fuga, sendo avistados num outro trecho da estrada de terra, de onde fugiram, abandonando os veículos, um Fiat Uno de cor verde e placas HZI 2359 e uma S-10 branca, sem placas. Segundo informações dos policiais, os homens conseguiram abater duas novilhas, mas não tiveram tempo de levar a carne, devido a chegada da PM.

A carne e os carros foram levados à Delegacia de Campo do Brito, onde foi registrada a ocorrência. O gado foi entregue à dona e os automóveis encaminhados ao pátio do 3º BPM, em Itabaiana. A ocorrência foi atendida pela guarnição formada pelo sargento Jesus, cabo Passos e soldado Batista.

1ª CIA / 3º BPM PRENDE SUSPEITO DE ROUBOS EM AREIA BRANCA.

Policiais da 1ª Companhia do 3º Batalhão de Polícia Militar (1ª Cia/ 3º BPM) prenderam uma dupla suspeita de roubos na cidade de Areia Branca na noite da sexta-feira, 25. Os homens foram denunciados pela prática de roubo a transeuntes da localidade e foram detidos numa seresta no próprio município.

Segundo informações da polícia, a dupla estava em via pública abordando pedestres e efetuando roubos. Diante da informação, os militares partiram em rondas, mas não conseguiram localizar os suspeitos, que, num segundo momento foram avistados numa seresta.

Ao perceberem a aproximação dos PMs, que efetuavam rondas no local, a dupla iniciou um tumulto, na tentativa de desviar a atenção dos policiais, mas não teve êxito e foi detida e identificada como Claudiano Alves da Silva, de 23 anos, e Jairo Rodrigues Gois, de 21 anos. Os jovens foram encaminhados à Delegacia de Areia Branca pela guarnição comandada pelo sargento Bosco.

PERNAMBUCO: PMs PRESSIONAM POR MELHORES SALÁRIOS.

Em assembleia que, pela primeira vez na história, reuniu as cinco associações que defendem os direitos dos policiais e bombeiros militares, praças e oficiais se mostraram insatisfeitos com o governo do Estado. O encontro aconteceu um dia depois do fim do prazo que o Executivo teria para dar resposta às reivindicações referentes ao reajuste salarial da categoria. Ao fim da assembleia, cerca de 500 policiais e bombeiros realizaram caminhada pelo Centro do Recife e ameaçaram paralisar as atividades, caso o governo não apresente, até terça-feira, proposta aprovada pela classe.

“A união de praças e oficiais mostra que toda a categoria está insatisfeita. E também revela que estamos ainda mais fortes”, avaliou o presidente da Associação de Cabos e Soldados, Renílson Bezerra.

O objetivo, segundo coronel João Moura, da União dos Militares do Brasil, é que na próxima assembleia o número de policiais e bombeiros triplique. “É importante que todos venham fardados, para que a população saiba que é a PM que está insatisfeita com o governo.”

Há três meses, categoria e governo começaram negociação, mas deram um prazo de 90 dias para voltar à discussão. O prazo se encerrou anteontem.

CARTA

Procurado pelo JC para repercutir o assunto, o governo do Estado se limitou a enviar à imprensa uma carta assinada por mais de 50 oficiais que se dizem contra o movimento “equivocado” da categoria.

Para o presidente da Associação dos Oficiais da PM, coronel Eduardo Fonseca, que estava na assembleia, os oficiais foram pressionados a assinar o documento. “Muitos têm cargo de confiança e fazem apenas o seu papel. Outros têm cargo comissionado e outros só estão assinando por interesses pessoais”, destacou.

Entre os que assinam a carta estão o secretário-executivo de Ressocialização, coronel Romero Ribeiro, e o chefe do Estado Maior, coronel Carlos Alberto Feitosa.

Fonte: Jornal do Comércio

domingo, 27 de fevereiro de 2011

A ABSMSE PARABENIZA A POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SERGIPE PELOS SEUS 176 ANOS DE VIDA QUE ORGULHA A TODOS OS SERGIPANOS.

A ABSMSE gostaria de parabenizar a Polícia Militar do Estado de Sergipe por completar 176 anos de vida, bem como, todos os membros desta briosa Corporação que fazem dela um orgulho para o nosso Estado e para nosso País.

A Polícia Militar de Sergipe (PMSE) tem por função primordial o policiamento ostensivo e a preservação da ordem pública no Estado do Sergipe. Ela é Força Auxiliar e Reserva do Exército Brasileiro, e integra o Sistema de Segurança Pública e Defesa Social do Brasil. Seus integrantes são denominados Militares dos Estados, assim como os membros do Corpo de Bombeiros Militares de Sergipe.






História

A PMSE foi criada em 1835 com a denominação de Corpo Policial da Província. O efetivo inicial era duzentos integrantes; sendo oito de policiamento montado. Historicamente a Corporação seguiu o mesmo percurso das demais Polícias Militares. Em 1917 passou a Força Auxiliar do Exército. E em 1920[7] foi reestruturada como um Batalhão Policial, com uma Seção de Bombeiros. A partir de 1946 passou a desenvolver a configuração atual, constituindo progressivamente as atuais modalidades de policiamento. A Polícia Militar do Estado de Sergipe participou da Guerra do Paraguai, da Guerra de Canudos, da Revolução de 1932 e do Combate ao Cangaço.

O Brasão da PMSE


Descrição heráldica

Escudo inglês, palado, estilizado, tendo como ornato exterior uma coroa em ouro, representando o Império do Brasil. Partição esquartelada, com subpartições cujas cores representam a Bandeira do Estado de Sergipe. Encimando o ângulo do meio do Chefe, encontram-se peças representativas da sigla da Polícia Militar do Estado de Sergipe (PMSE). No ângulo sinistro da ponta encontram-se figuras astronômicas representadas por cinco estrelas de cor branca, evocando a foz dos principais rios de Sergipe. No ângulo destro da ponta encontram-se as peças representativas da data de criação da Corporação (28/02/1835). Em abismo encontra-se uma peça móvel de branco com forma de contorno, representando o território do Estado de Sergipe. Sobre esta peça estão dispostas duas figuras artificiais sobrepostas: uma representando as Armas do Estado - um balão contendo a palavra PORVIR em fundo azul, evocando o futuro, outra em amarelo caracterizando o símbolo básico das Polícias Militares - duas pistolas cruzadas.

Homenageando a Polícia Militar do Estado de Sergipe, homenageamos cada policial militar onde quer que se encontre neste Estado, em defesa da sociedade sergipana.  Por isso homenagemos todos com a mensagem abaixo:

Como policial militar, enfrentei o maior choque cultural da minha vida, ao ter de argumentar com todo tipo de pessoas, do mendigo ao magistrado, entrar em todo tipo de ambiente, do meretrício ao monastério.

Como policial militar, fui parteiro, quando não dava tempo de levar as grávidas ao hospital, na madrugada.

Como policial militar, fui psicólogo, quando um colega discutia com a esposa, diante da incompreensão dela, às vezes, com a profissão do marido.

Como policial militar, fui assistente social, quando tinha de confortar a mãe de alguma vítima assassinada por não possuir algo de valor que o assaltante pudesse levar.

Como policial militar, fui borracheiro e mecânico, ao socorrer idosos e deficientes com pneus furados.

Como policial militar, fui pedreiro, ao participar de mutirões para reconstruir casas destruídas por enchentes.

Como policial militar, fui paramédico fracassado, ao ver um colega ir a óbito a bordo da viatura.

Como policial militar, fui paramédico realizado, ao retirar uma espinha de peixe da garganta de uma criança.

Como policial militar, fui apedrejado por estudantes da mesma escola na qual estudei e fui professor, por pessoas do mesmo grêmio do qual participei.

Como policial militar, fui obrigado a me tornar gladiador em arenas repletas de terroristas que são membros de torcidas organizadas, em jogos de times pelos quais nem torço.

Como policial militar, sobrevivi a cinco graves acidentes com viaturas, nunca a menos de 120km/h, na ânsia de chegar rápido àquela residência onde a moça estava sendo estuprada ou na qual um idoso estava sendo espancado.

Como policial militar, fui juiz da vara cível, apaziguando ânimos de maridos e mulheres exaltados, que após a raiva uniam-se novamente e voltavam-se contra a polícia.

Como policial militar, fui atropelado numa blitz por um desses cidadãos que, por medo da polícia, afundou o pé no acelerador e passou por cima de vários colegas.

Como policial militar, arrisquei-me a contrair vários tipos de doenças, ao banhar-me com o sangue de vítimas às quais não conhecia, mas que tinha obrigação de tentar salvar.

Como policial militar, arrisquei contaminar toda a minha família com os mesmos tipos de doenças, pois, ao chegar em casa, minha esposa era a primeira a me abraçar, nunca se importando com o cheiro acre de sangue alheio, nem com as manchas que tinha de lavar do uniforme.

Como policial militar, fui juiz de pequenas causas, quando, em minha folga, alguns vizinhos me procuravam para resolver seus problemas.

Como policial militar, fui advogado, separando, na hora da prisão, os verdadeiros delinquentes dos "laranjas", quando poderia tê-los posto no mesmo "barco".

Como policial militar, fui o homem que quase perdeu a razão, ao flagrar um pai estuprando uma filha, enquanto a mãe o defendia.

Como policial militar, fui guardião de mortos por horas a fio, sob o sol, a chuva e a neblina, à espera do rabecão, que, já lotado, encontrava dificuldade para galgar uma duna mais alta, ou para penetrar numa mata mais densa.

Como policial militar, fiquei revoltado ao necessitar de um leito para minha esposa parir e, ao chegar ao hospital da polícia, deparar-me com um traficante sendo operado por um médico particular.

Como policial militar, fui o cara que mudou todos os hábitos para sempre, andando em estado de alerta 25 horas por dia, sempre com um olho no peixe e o outro no gato, confiando desconfiado.

Como policial militar, fui xingado, agredido, discriminado, vaiado, humilhado, espancado, rejeitado, incompreendido.

Na hora do bônus, esquecido; na hora do ônus, convocado.

Tive de tomar, em frações de segundo, decisões que os julgadores, no conforto de seus gabinetes, tiveram meses para analisar e julgar.

E mesmo hoje, calejado, ainda me deparo com coisas que me surpreendem, pois afinal ainda sou humano.

Não queria passar pelo que passei, mas fui voluntário, ninguém me laçou e me enfiou dentro de uma farda, né!?

Observando-se por essa ótica, é fácil ser dito por quem está "de fora" que minha opinião não importa, ou que, simplesmente, não existe.

Amo o que faço e o faço porque amo.

Texto (Tião Ferreira)

sábado, 26 de fevereiro de 2011

DECLARADA "GUERRA" ENTRE DEPUTADO ESTADUAL GILMAR CARVALHO E ABSMSE.

No inicio do mes o jornalista e deputado estadual Gilmar Carvalho, que apresenta o programa Jornal da Ilha, na Ilha FM, teceu duras criticas a setores da policia militar, chegando inclusive a classificar de máfia fardada.

A partir dai, criou-se uma antipatia que começa a produzir os frutos que não é bom para o jornalista, já que as Associações da Policia não tem poupado criticas ao parlamentar.

Essa situação acabou por criar tambem uma saia justa entre Gilmar e o deputado capitão Samuel. No inicio da semana, Samuel teria aprentado uma indicação cobrando uma definição da carga horária da policia militar e bombeiros militares. Nesta mesma semana, Gilmar apresentou um projeto de Lei fazendo a mesma reivindicação o que acabou por irritar Sameul que em entrevista, mesmo sem citar nomes, pediu ética e postura do colega.

No mesmo dia das declarações feitas pelo deputado Samuel Barreto, o tambem deputado Gilmar Carvalho procurou responder e explicar que um havia apresentado uma indicação e o outro um projeto de Lei.

Não conteste com as explicações, a Associação Beneficente dos Servidores Militars do Estado de Sergipe (ABSMSE), postou uma charge, onde supostamente o aluno Gilmar Carvalho espera cola do colega Sameul.

Veja o que diz a charge:

ESTÃO COLANDO OS PROJETOS DO NOSSO DEPUTADO CAPITÃO SAMUEL E SOMENTE AGORA ALGUÉM SE DIZ TAMBÉM DEFENSOR DA CLASSE. HA! HA! HA! PODE COLAR NÃO COMPANHEIRO.


Fonte:  Faxaju

ESTÃO COLANDO OS PROJETOS DO NOSSO DEPUTADO CAPITÃO SAMUEL E SOMENTE AGORA ALGUÉM SE DIZ TAMBÉM DEFENSOR DA CLASSE. HA! HA! HA! PODE COLAR NÃO COMPANHEIRO.

POLÍCIA MILITAR COMEMORA 176 ANOS DE HISTÓRIA COM EXPOSIÇÃO EM SHOPPING NA CAPITAL.




Comemorar os seus 176 anos de história com a sociedade sergipana. Com este objetivo, a Polícia Militar do Estado de Sergipe lançou uma exposição no shopping Riomar às 10h da manhã desta sexta-feira, 25. O evento conta com estandes de Unidades e Subunidades da Corporação, onde estão expostas fotografias históricas, viaturas, armas e equipamentos usados no trabalho diário da PM.

A mostra exibe o trabalho do Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran), Comando de Operações Especiais (COE), Pelotão de Polícia Ambiental (PPAmb) e do Programa Educacional de Resistência às Drogas e Violência (Proerd). Cada unidade conta com policiais próprios, habilitados a falar ao público sobre as peculiaridades do serviço diário da sua Organização Policial Militar.

Na primeira hora de exposição, o espaço recebeu dezenas de pessoas interessadas em ver de perto as armas usadas pelo COE em suas operações. Dentre os visitantes, mereceu destaque o policial italiano Biagio Greco, que trabalha na Guarda Financa, na cidade de Milão, com operações antiterrorismo e situações de risco, e se mostrou interessado pelos armamentos do COE, chegando a encontrar similaridade com as armas utilizadas em seu trabalho na Europa.

Além das armas expostas pelo COE, o evento também apresenta animais taxidermizados (empalhados) recolhidos, em sua maioria, de acidentes ocorridos no estado. Os bichos chamam a atenção do público, em especial das crianças. O vendedor José Hugo Macedo se mostrou curioso com a técnica utilizada para a taxidermização e questionou o cabo Machado, do PPAmb, sobre o serviço diário do Pelotão. “Achei interessante a mostra, pois não temos contato diário com estes animais e exposições como estas nos aproximam destes bichos”.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

HABEAS CORPUS EM FAVOR DOS REPRESENTANES DA ABSMSE É PUBLICADO NO BGO DA CORPORAÇÃO.

= Continuação do Boletim Geral Ostensivo nº 035 de 24 de fevereiro de 2011 =
b.14) Ofício nº 0397/2011-SJM Aracaju, 18 de fevereiro de 2011.

Senhor Comandante,

De ordem do MM. Juiz de Direito Militar Dr. Diógenes Barreto, comunico a Vossa Excelência que foi prolatada sentença no processo n.º 201020602334 (Habeas Corpus), no qual figuram como pacientes o SGT PM JORGE VIEIRA DA CRUZ E 1º SGT PM EDGARD MENEZES SILVA FILHO, concedendo em parte a ordem de Habeas Corpus por este Juízo, sem prejuízo da apuração já em andamento através do IPM nº 267/2010. Segue em anexo fotocópias da Sentença.

Atenciosamente,

Juscelino Melo Silva
Escrivão

Página número 906 Confere com o original:

GENÁRIO DOS SANTOS JOÃO –
CEL QOPM Chefe do EMG.

CIDADÃ EXPRESSA SUA GRATIDÃO AO CABO MECENAS POR AUXÍLIO PRESTADO EM OCORRÊNCIA.

= Continuação do Boletim Geral Ostensivo nº 032 de 21 de fevereiro de 2011 =

= 3ª P A R T E =
I =ASSUNTOS GERAIS =

1 – GABINETE DO COMANDO GERAL – TRANSCRIÇÃO DE DOCUMENTOS – Para o devido conhecimento de todo o público interno, transcreve-se abaixo o teor do seguinte documento:

a) Aracaju/SE, 01 de fevereiro de 2011.

Senhor Comandante da Polícia Militar em Sergipe

No dia 16 de novembro de 2010, por volta das sete horas da manhã, ocorreu-me que, ao voltar da escola onde deixei minha filha, passei mal enquanto dirigia e, involuntariamente, compliquei o trânsito da ponte, próxima ao Shopping Riomar. Agora que me sinto recuperada da doença que então me aconteceu, sinto-me compelida a narra-lhe o que segue adiante. No momento em que passei mal, enquanto alguns transeuntes já me cercavam para me dar algum socorro, passava pelo local, retornando do trabalho, um Cabo da Polícia Militar que se identificou como Cabo Mecenas, da Companhia de Turismo.

Com esta carta desejo registrar, através de Vossa Senhoria, a minha gratidão ao Cabo Mecenas pela forma elogiosa e cheia de compaixão com que ele me prestou assistência numa hora tão difícil na vida de qualquer pessoa. Após ter chamado a SAMU, enquanto esperávamos por todo o tempo o senhor Mecenas me assistiu cuidadosamente e fez-me sentir segura de que não estava só. Quem passou por situação que se assemelhe àquela sabe quão importante é a certeza de estar protegido nessas horas.

Por isso, solicito que Vossa Senhoria transmita ao Cabo Mecenas a minha profunda gratidão pela assistência eficaz que me prestou num momento assaz difícil em minha vida. Atitudes como as dele renovam a esperança de que a humanidade ainda tem jeito. Também fazem-nos crer que, apesar de todas as dificuldades (e eu suponho que não sejam pequenas) a instituição Polícia Militar em Sergipe possui em seu quadro profissionais efetivamente zelosos em sua função de proporcionar segurança do povo sergipano. Isso muito nos honra.

Por fim solicito que este elogio conste nos assentamentos do senhor Mecenas e se possível, que chegue ao conhecimento de seus companheiros militares.

Clarice Fagundes
Cidadã

Em conseqüência, a 1ª Seção do EMG providencie acrescentar nos assentamentos do Cabo PM 2034 Cláudio Antônio Mecenas Tavares, CPF 406.922.805-53, o elogio acima transcrito.

Confere com o original:

GENÁRIO DOS SANTOS JOÃO - CEL QOPM
Chefe do EMG.

SÃO CRISTÓVÃO: ABANDONO DE DELEGACIA SERÁ INVESTIGADO.

A Corregedoria da Polícia Civil vai apurar caso de suposto abandono de delegacia na madrugada desta sexta-feira, 25

Apenas um policial estava na delegacia durante a madrugada (Fotos: Arquivo Portal Infonet)

Uma delegacia de portas abertas, mas sem policiamento, será investigada pela Corregedoria da Polícia Civil. A ocorrência foi registrada em São Cristovão, município distante 25 km da capital sergipana. De acordo com informações do delegado do município, Ronaldo Marinho, apenas um policial estava de plantão no local e precisou se ausentar para comer um lanche.

O corregedor Frederico Murici explicou que enviou uma equipe ao local para verificar se algum objeto foi subtraído, mas esclareceu que nenhum preso estava na delegacia no momento do fato. Frederico disse ainda que será feito um levantamento de todos os fatos.

O delegado Ronaldo Marinho fala sobre o esforço e empenho da equipe

O delegado Ronaldo Marinho ressaltou que falta estrutura para o pleno funcionamento da delegacia e afirmou que conta apenas com uma equipe de dois investigadores e apenas um escrivão para atender uma população de 40 mil habitantes. Marinho admitiu que quando alguém liga para a delegacia, a orientação é que retornem a ligação para o Centro de Operações em Segurança Pública (Ciosp), através do 190.

Para o delegado a pouca estrutura da delegacia impossibilita o atendimento eficaz a população. “A estrutura não é a ideal, mas temos feitos esforços para atender a população na medida do possível. Temos uma equipe pequena, mas muito comprometida com o trabalho. Na delegacia somos responsáveis por diversos crimes contra o patrimônio, várias investigações envolvendo homicídios e violência de transito, lesões corporais e até coisas mais simples como briga de vizinhos e todos esses procedimentos são feitos”, conta Ronaldo Marinho, que destaca ainda a distancia entre os povoados como uma das dificuldades para o policiamento ostensivo.

“Tenho certeza que não é por falta de vontade da Polícia Militar, mas a maioria dos crimes que são registrados como assaltos e roubos são por falta de policiamento ostensivo. O problema é que falta efetivo tanto na Polícia Militar quando na Polícia Civil”, analisa.

Em entrevista ao Portal Infonet na última quinta-feira, 24, a assessoria de comunicação da Secretaria da Segurança Pública (SSP) explicou que nos últimos três anos a secretaria investiu na reforma e construção de unidades policiais, sendo um investimento de R$ 5 milhões. A assessoria afirma que várias unidades já foram reformadas no interior do Estado e outras também serão construídas e reformadas.

O assessor da SSP, Lucas Rosário, enfatizou que a necessidade de um efetivo maior é clara. “Mesmo com essa necessidade, as prisões continuam sendo realizadas, mas o governador já anunciou o concurso, mas ainda não tem data marcada”, esclarece.

Fonte: Infonet (Kátia Susanna)

DPM DE JAPARATUBA PRENDE ACUSADO DE PORTAR 24 TROUXAS DE MACONHA E PEDRAS DE CRACK.

Policiais militares do Destacamento Policial Militar (DPM) de Japaratuba prenderam na sexta-feira, 25, José Carlos dos Santos, acusado de portar 24 trouxas de maconha e nove pedras de crack.

A ação aconteceu quando uma guarnição composta pelo sargento Ailton e cabo Soares realizava rondas na localidade e observou o homem em atitude suspeita na estrada da rodagem, antigo matadouro, município de Japaratuba. O homem foi preso e o caso encaminhado à Delegacia de Japaratuba. Houve ainda o apoio de policiais militares da 3ª Companhia do 2º Batalhão da Polícia Militar (3ª Cia/2º BPM) durante a ocorrência.

2ª CIA / 6º BPM PRENDE ACUSADO DE TRANSPORTAR MADEIRA NATIVA PARTINDO DE UMBAÚBA.

Policiais militares da 2ª Companhia do 6º Batalhão de Polícia Militar (2ª Cia/6º BPM) prenderam na noite de quinta-feira, 24, por volta das 21 horas, Manoel Messias de Lima, 41 anos, acusado de transportar ilegalmente um caminhão com 12 m3 de ingá, espécie de madeira nativa.

A ação aconteceu por volta das 21 horas, quando uma guarnição composta pelo sargento Paulo Sérgio, cabo Neves, aluno CFC Carlos Alves e soldado Almeida realizava rondas na localidade e observou um caminhão Dodge, de cor amarela, placa ILS 1916.

A madeira é, segundo o homem que efetuava o transporte, oriunda de uma fazenda localizada na cidade de Umbaúba. Informou que estava apenas conduzindo material que não lhe pertencia. O caso foi encaminhado à Delegacia de Umbaúba.

DEPUTADO CAPITÃO SAMUEL BARRETO COBRA "POSTURA E ÉTICA" DE COLEGA.

O deputado estadual capitão Samuel Barreto, não gostou nada de um colega apresentar indicação, cobrando do governo a definição da carga horária da policia militar e bombeiro militar.

Na manha desta sexta-feira (25), em tom nada conciliador, Samuel disse que havia apresentado na ultima terça-feira, uma indicação ao governo do estado, solicitando que seja regularizado a questão da carga horária dos PMs e BMs. “Eu estou na Assembléia representando todos os trabalhadores do meu estado e principalmente a família militar da qual faço parte. Eu apresentei essa semana quatro requerimentos que são antigos anseios de nossa classe e entre eles, o que reivindica a regularização da carga horária”, explicou o deputado.

Para Samuel, o deputado que apresentou a indicação, não teve ética e nem postura. “Eu peço que esse colega tenha ao menos ética e postura. Ele não pode sair de defensor da classe, requentando matéria, afinal ele sabia que eu já havia apresentado. Eu quero que os outros 23 deputados, colegas meus saia em defesa de nossa classe, mas não requentando matéria e pousando de bom moço, quando na verdade ele passou vários anos na Assembléia e nunca fez nada por nossa policia”, desabafou Samuel.

Em nenhum momento da entrevista que concedeu e que fez o desabafo, onde cobrou postura e ética do colega, o capitão Samuel Barreto citou o nome do colega parlamentar, porem o deputado estadual que apresentou a indicação nesta quinta feira, foi o deputado Gilmar Carvalho.

Fonte: Faxaju

ASSOCIAÇÃO CONTESTA AUTORIA DE INDICAÇÃO.

Os gestores da Associação Beneficente dos Servidores Militares de Sergipe (ABSMSE), estão contestando a informação passada por um deputado estadual, de que a indicação feita na assembléia Legislativa, sobre a carga horária para os militares, é de sua autoria.

Na ultima terça-feira, o deputado capitão Samuel Barreto, apresentou quatro indicações solicitando benefícios para a categoria, inclusive uma delas, cobrando do governo que seja definida a carga horária para as corporações (PM/BM).

Ao tomar conhecimento de que o parlamentar está reivindicando a autoria do projeto, o gestor da ABSMSE, sargento Jorge Vieira, demonstrou indignação. Segundo Vieira, o parlamentar passou vários anos na AL e não se preocupou com essa questão, porem agora, após o deputado Samuel reivindicar, o deputado também resolveu assumir o caso.“Eu não entendo porque esse deputado agora quer dizer que a indicação é dele. Ele copiou a indicação do nosso legitimo deputado.  Ele vários anos lá e nunca se preocupou com isso, agora que o nosso representante, deputado capitão Samuel Barreto saiu em nosso defesa, ele vem pousar de bonzinho. Só nesta semana, Samuel apresentou quatro indicações e uma delas foi exatamente sobre a nossa carga horária”, explicou o gestor.

Para os gestores, Jorge Vieira e Edegard Menezes, isso teria que ser feito a muito tempo, porem segundo ele, nenhum político se preocupou com a situação dos militares. “Estamos há muito tempo a espera de uma carga horária, e agora isso aconteceu graças ao nosso deputado. Nós agradecemos a qualquer deputado que vier trabalhar em prol da categoria, portanto, que o mesmo seja sensato e não copie projeto de outro colega”, disse Vieira.

Fonte: Faxaju (Munir Darrage)

TEM UM "DEPUTADO" QUE MORDE, ASSOPRA E AGORA PEGA CARONA NO PROJETO DO DEPUTADO CAPITÃO SAMUEL E DIZ QUE É SEU. AÍ É DEMAIS COMPANHEIROS!


Um certo "deputado estadual" que dias atrás quis passar para a sociedade que a polícia militar era uma "máfia fardada", que policiais militares só trabalhavam até as 13 horas e que a polícia civil trabalhava mais do que a Polícia Militar, pois é companheiros, esse mesmo "deputado", vem agora querer plagiar no projeto do Deputado Capitão Samuel, dizendo que apresentou o projeto de carga horária para a Polícia Militar e divulgando isso na mídia.

Esse "deputado" que plagiou o projeto do Deputado Capitão Samuel sobre definição de uma carga horária para os militares sergipanos, nunca fez nada por nossa classe, ao contrário, fez foi denegrir a nossa imagem companheiros e como viu que houve uma grande repercussão negativa contra a sua pessoa, agora quer posar de defensor da classe militar, mas não deixaremos nos enganar, pois já sabemos o comportamento desse "deputado" que agora quer defender a nossa classe militar.

Este blog estará aberto para divulgar neste espaço os projetos dos políticos do nosso Estado em prol da classe militar, mas sem plagiar projeto de outro, até porque, mentira tem pernas curtas.

PAGAMENTO DA GRAE DO PRÉ-CAJU FOI LIBERADO PELO GOVERNADOR A PEDIDO DO DEPUTADO CAPITÃO SAMUEL.

Hoje dia (25), o pagamento está disponível da conta do policial militar que trabalhou no evento.

Na última quarta-feira (23), o deputado estadual capitão Samuel (PSL), se reuniu com o secretário da Casa Civil, Jorge Alberto. O convite do secretário foi para discutir sobre a segurança do carnaval e a situação das Gratificações por Atuação em Eventos - GRAEs - atrasadas, cuja preocupação nasceu em decorrência do discurso feito pelo deputado capitão Samuel, na Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe, na manhã da última quarta-feira (23).

Na reunião o deputado capitão Samuel, explicou a insatisfação da categoria em relação ao atraso do pagamento das GRAEs. “Expliquei para Jorge Alberto o que os policiais estavam pensando. Ele entendeu e intermediou a conversa entre este parlamentar e o governador”. Salientou o deputado.

O secretário Jorge Alberto, passou todas as informações cedidas pelo deputado de forma correta, concisa e verdadeira para o governador Marcelo Déda(PT), ainda em reunião.

Diante do caso e dos problemas que este poderia ocasionar para a segurança pública do Estado, o governador Marcelo Déda determinou que fosse resolvido imediatamente o problema da GRAE, atrasada do Pré-Caju 2011. O secretário Jorge Alberto, após autorização do governador, fez contato com os secretários da Fazenda e da Segurança Pública no sentido de concretizar a autorização do governador. “Hoje o pagamento da GRAE, do Pré-Caju, está disponível na conta de todos os policiais militares que participaram do evento. Parabenizo o governador Marcelo Déda e o secretário Jorge Alberto pela rapidez e por ter mais uma vez entendido a necessidade da família militar sergipana”, afirmou capitão Samuel.

O parlamentar, começou o mandato fazendo as principais reivindicações dos militares – Policias e Bombeiros Militares, a prova da sua atuação na Assembleia Legislativa são os requerimentos de indicação ao Governo do Estado, solicitando resolução para os problemas da tropa militar sergipana. Todas as indicações foram feitas no último dia 14 de fevereiro pelo Gabinete do deputado estadual capitão Samuel. As primeiras quatro indicações foram: que seja estabelecido o prazo de 30 dias para o pagamento da GRAE – Gratificação por Atuação em Eventos. Projeto de lei estabelecendo a definição da carga horária do servidor militar de Sergipe. Projeto de Lei atualizando o Quadro o Organizacional da PM/SE, de acordo com os segmentos ativados (batalhões, companhias e pelotões) sem a devida previsão legal. Projeto de lei estabelecendo que a Gratificação por Atuação em Eventos – GRAE acompanhe a atualização do reajuste do soldo.

O capitão Samuel, disse ainda que ficou estabelecido na reunião que o pagamento do carnaval deste ano será feito em março, após 30 dias do evento.

Fonte: Assessoria Parlamentar (Chris Brota)

DIREITOS E GARANTIAS DOS PRAÇAS SERÃO DISCUTIDOS NO VII ENERP.

Os diretores da Associação Nacional de Praças (ANASPRA), reuniram-se em Brasília nos dias 14 e 15 deste mês para organizar o VII ENERP - Encontro Nacional das Entidades Representativas dos Praças - que acontecerá entre os dias 27 e 29 de abril, na cidade de Porto Alegre/RS.

A valorização profissional, o reconhecimento dos direitos fundamentais dos praças e o reconhecimento da sua importância para a segurança pública com vistas para melhor atender a sociedade, serão os temas centrais.

O evento será dividido em três tópicos: o papel dos praças na segurança pública nos municípios, o modelo de segurança pública do Brasil e os direitos dos policiais e bombeiros diante do regulamento disciplinar e do código penal militar.

No primeiro momento, será discutido as condições de trabalho nos municípios, em especial nos menores. Vale lembrar que muitas vezes o único representante do estado no contexto da defesa social é um praça e, no entanto, este não tem o pleno exercício da autoridade policial. O que acaba levando o descrédito da população em relação a sua atuação.

De acordo com Subtenente Gonzaga, presidente da Aspra – PM/BM, a falta de dotação orçamentária e financeira por parte do estado facilita, e muitas vezes obriga, o município a se responsabilizar pelo funcionamento da PM. Em contrapartida, gera interferência política danosa para a segurança pública e constrangimentos injustificáveis para o praça.

O segundo item, gira em torno do modelo de organização que admite duas polícias no plano federal e duas no estadual, além das guardas municipais e sistema prisional. Na avaliação da Anaspra, esse modelo já não atende a demanda da sociedade por segurança pública. É preciso discutir a existência duas polícias estaduais, o modelo militarizado, as funções e área de atuação atualmente estabelecida para cada uma das polícias, e propor soluções concretas, uma vez que a sociedade já não aguenta mais tantos impostos e tanta insegurança.

O terceiro tema é o direito dos praças em relação ao código penal militar e os regulamentos disciplinares que continuam reduzindo os praças a pseudo cidadãos. Somente para lembrar, um cidadão que pratica um crime hediondo tem direito ao instituto da liberdade provisória. Já o praça, quando comete um crime de desobediência, por exemplo, não o tem. Da mesma forma, os regulamentos disciplinares são verdadeiros instrumentos de dominação dos oficiais em relação aos praças, que além de institucionalizar a humilhação e o assédio moral, reduz os praças a um mero instrumento dos políticos detentores do poder.

A exemplo de Minas Gerais, onde o RDPM foi substituído pelo código de ética e disciplina, banindo a pena privativa de liberdade, é necessário que o restante do Brasil também siga esse modelo. "Quando defendemos o fim da pena de prisão em MG, muitos militares, em particular, um segmento de oficiais temiam pelo enfraquecimento da disciplina e da hierarquia em razão da perda da discricionariedade na aplicação da pena, em específico, a de prisão”, lembrou Gonzaga.

De acordo com ele o que foi visto, na prática, foi uma discussão madura na elaboração do código, tendo como foco de um lado a consolidação de instrumentos rígidos de controle interno e do outro o respeito a cidadania dos militares com a garantia do devido processo legal, a ampla defesa e do contraditório.

“Na minha avaliação, fundada no respeito a disciplina e a hierarquia se fortaleceram. Pois, o que impede a melhoria das relações internas não é a nossa lei e sim a cultura de dominação e humilhação de alguns poucos”, arrematou.
A Aspra irá fazer uma ampla mobilização, segundo o presidente, para que o VII ENERP, tenha a participação de um grande número de praças e que o debate seja propositivo e qualificado.

Fonte: ANASPRA

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

A DECLARAÇÃO ABAIXO FOI FEITA PELO DELEGADO DE POLÍCIA DE JAPOATÃ. ENQUANTO ISSO O CIDADÃO SERGIPANO NÃO TEM A SEGURANÇA PÚBLICA QUE MERECE. ATÉ QUANDO?

SEM TELEFONE E COM JANELA PROTEGIDA POR PAPELÃO: É UMA DELEGACIA DO INTERIOR.

Delegacia sem telefone e sem Internet e a janela protegida por papelão. Um delegado e dois policiais militares responsáveis pela segurança em Japoatã. Esse é o retrato da segurança publica no interior do estado de Sergipe.

O delegado de policia de Japoatã, Leógenes Correa, que também é responsável pela delegacia de São Francisco, denunciou a precariedade em que se encontra a delegacia que trabalha e a falta de efetivo policial civil, para fazer o serviço de investigação, alem de apenas dois policiais militares para fazer o trabalho ostensivo.

Leógenes contou em detalhes a real situação que se encontra a delegacia onde trabalha, afirmando que não há agente civil, que seria para efetuar investigação e que apenas dois policiais militares fazem o trabalho ostensivo em todo o município. “Aqui só tem eu e mais dois policiais militares, já que o agente que tinha aqui ficou doente em janeiro e ainda não retornou”, contou ele.

Apenas dois PMs são responsáveis pela segurança naquele municipio, porem nesta quinta-feira (24), Japoatã conta apenas com os serviços do delegado e de um PM, já que o outro está de licença médica.

Alem da falta de efetivo, o delegado contou ainda que a delegacia não tem telefone e nem Internet, o que dificulta o registro das denuncias e também as ouvidas, já que é preciso fazer os boletins de ocorrências. Alem disso, segundo Leógenes, as prisões são feitas apenas nos casos de flagrante, já que não há quem faça o serviço de investigação. Uma outra situação contada pelo delegado, é que a situação não é diferente em São Francisco, onde lá ele também responde pela delegacia.

Nenhum tipo de investigação é realizada em Japoatã, por falta de agente civil. “Todas as denuncias que chegam até mim eu registro e estou aguardando um agente para que eu possa determinar a investigação, porem no momento tudo que eu posso fazer é registrar e aguardar providencias para que mande um agente para o nosso município”, explicou o delegado.

“Alem de não termos telefone, não temos Internet e a situação lá complica ainda mais, pois a janela da delegacia é protegida por um papelão. Isso tudo já foi comunicado a SSP e agora estamos aguardando que possa ser resolvida essa situação”, disse Leógenes.

Para o gestores da Caixa Beneficente dos Servidores Militares do Estado de Sergipe (ABSMSE), sargentos Jorge Vieira e Edgard Menezes, toda essa situação já foi constatada e documentada pela associação, tendo inclusive esse relatório sido entregue ao comando geral, à época. “Nós fizemos um levantamento das delegacias do interior de nosso estado e a situação em que se encontra a de Japoatã, não é diferente das outras. Só que esse relatório acabou custando para mim e para o Edgard, um IPM”, contou Vieira.

O gestor disse também que foi apresentado diversas sugestões para corrigir, segundo Vieira, “um equivoco de gestão”. “É preciso tirar os PMs das repartições e coloca-los nas ruas. Outra coisa, na baia onde fica os cavalos da PM, quem cuida la são PMs, e isso deveria ser feito por uma empresa terceirizada e com isso esses PMs estariam na rua fazendo a segurança da população”, defendeu Vieira.

Uma outra situação defendida pelos gestores, “é a Ação Civil Pública que obrigava o estado a tirar os PMs das delegacias para fazerem o trabalho preventivo, porem o governo contestou e a situação continua a mesma, como contou ai o delegado Leógenes”, explicou sargento Edgard.

A entrevista do delegado foi concedida ao radialista Evenilson Santana, no programa Liberdade Noticias Segunda Edição, nesta quarta-feira.

Fonte: Faxaju (Munir Darrage

SARGENTO VIEIRA COMENTA DECLARAÇÕES DO GOVERNADOR SOBRE ATO DOS MILITARES.

O sargento Jorge Vieira participou do programa na manhã desta quarta-feira, 23, para comentar sobre as declarações do governador em ter chamado os manifestantes de ‘bando de insubordinados’ em uma emissora de rádio. Em seu depoimento o sargento contesta a fala do governador e destaca que a luta dos policiais pela aprovação da PEC 300 foi realizada de forma tranqüila e sem agredir ou atrapalhar o transito.

De acordo com ele, a luta continua e a categoria respeita a sociedade e o governo, no entanto, ressalta que a categoria não pode é ficar calado e deixar de buscar melhorias para a classe.

Um sargento, que não quis se identificar, também participou do programa para informar que está sem receber as diárias por um evento que aconteceu dia 08 de dezembro.

Fonte: Rádio Jornal 540

DÉDA PRECISA REFLETIR SOBRE "ROUPA SUJA" DA SSP.

Déda e a necessidade de refletir

O secretário de Estado da Segurança Pública, o delegado João Eloy de Menezes, não ficou nada satisfeito com o fato de o delegado Leógenes Correia ter lavado a "roupa suja" da SSP na audiência da Liberdade FM. Uma fonte da própria SSP garante a informação e ainda sustenta que a zanga perpassou ao radialista George Magalhães, que teria dado muita ênfase às denúncias, no seu programa de hoje.

Apesar do mal estar, até a tarde desta quinta-feira, dia 24, contudo, a SSP não havia sequer se dado ao luxo de tentar desmentir o delegado Leógenes - ao menos em seu site oficial. Falta de telefone, Internet, policiais, janela... São graves as denúncias, e não podem ficar no ar, como a fuga de Floro Calheiros Barbosa, por exemplo. O internauta-contribuinte imagina quanto está saindo do seu bolso para tentar recapturar Floro outra vez?

...Voltando às denúncias de Leógenes, quando o próprio delegado abre o jogo numa emissora de rádio sobre a falta de estrutura que o acossa dificultando garantir segurança à sociedade, note-se, é porque o caos tende a estar instalado. A inteligência manda o governador Marcelo Déda refletir sobre este e outros fatos. A Segurança Pública pode não estar andando como ele acredita. E as consequências disso na pele da sociedade são bem conhecidas.

P.S. Em tempo, e por dever de justiça, registre-se aqui que nunca a policia sergipana foi tão bem remunerada como no governo petista. São também investimentos e mais investimentos, todavia...

Fonte: Universo Político (Joedson Telles)

POLÍCIA MILITAR PRENDE ASSALTANTE DE LOTÉRICA EM ARACAJU.

A Polícia Militar flagrou na tarde desta quarta-feira, dia 23, o estudante Felipe dos Santos, 21 anos, logo depois de ele assaltar uma agência lotérica situada à avenida Hermes Fontes, no bairro Grageru, em Aracaju. Ele utilizava uam pistola de brinquedo.

Funcionários do estabelecimento informaram que o acusado teria roubado a loja também na última sexta-feira, dia 18. Além de ter sido reconhecido pelas vítimas, Felipe teria sido flagrado pelo sistema de câmeras da lotérica.

O assaltante foi detido pelo cabo PM José Magalhães dos Santos, do Esquadrão de Policiamento Montado (EPMon), que estava de folga e passava pelo local e presenciou a ação.

"Percebi o movimento suspeito e perguntei às pessoas o que havia acontecido. Elas me informaram e descreveram o acusado, que eu consegui deter no momento em que ele entrou no carro. Ele ainda resistiu à prisão, sendo que precisei dominá-lo", detalhou Magalhães, que não sabia que Felipe utilizava uma pistola de brinquedo.

O preso foi encaminhado à 1ª Delegacia Metropolitana da Polícia Civil (1ªDM), com o apoio da 1ª Companhia do 8ºBatalhão de Policiamento Comunitário. "Fizemos o flagrante do Felipe por roubo qualificado e seguiremos investigando os fatos para saber se realmente ele cometeu esse segundo assalto".

3ª CIA / 8º BPCom REALIZA "OPERAÇÃO FRANELINHA" EM TERMINAL RODOVIÁRIO.

Proporcionar uma maior segurança aos usuários do Terminal Rodoviário Governador José Rolemberg Leite e orgãos existentes no local, bem como ao Terminal de Integração Governador Leonel Brizola. Com este intuito, a Polícia Militar – através da 3ª Companhia do 8º Batalhão de Polícia Comunitária (3ª Cia/8º BPCom) – deflagrou a ´Operação Flanelinha´.

“A operação tem como objetivo prioritário combater a atividade clandestina de guardador de veículo autônomo, o popular Flanelinha, que em diversas situações constrange e intimida os profissionais que trabalham na região ou pessoas que necessitam estacionar no local por algum motivo”, comentou o capitão Fábio Rodrigues Cardoso, comandante da 3ª Cia/8º BPCom.

Na quarta-feira, 23, foram detidos em flagrante seis adultos e apreendidos três adolescentes por estarem realizando o indevido serviço nos locais citados. A operação, que não tem data para término, foi deflagrada em atendimento às constantes denúncias registradas pelo Ciosp 190. Além da atividade ilícita, houve casos envolvendo estes indivíduos relacionados a vias de fato entre eles, danificação de veículos e uso de droga com o dinheiro arrecadado da atividade ilícita.

A profissão ilícita decore dos mesmos não atenderem ao previsto na Lei nº 6.242, de 23 de setembro de 1975, a qual dispõe sobre o exercício da profissão de guardador e lavador autônomo de veículos automotores, e dá outras providências. Tal norma obriga para o exercício desta atividade o registro na Delegacia Regional do Trabalho, dentre outras obrigações. Os indivíduos que realizam tal “trabalho” nos terminais especificados não estão na situação legalizada exigida.

Sobre a Companhia

A 3ª Cia/8º BPCom fica sediada na Rua Henrique Dias, s/n, bairro Capucho, em Aracaju. O efetivo está composto por 93 homens e mulheres, comandados pelo capitão Fábio Rodrigues Cardoso. A subunidade é responsável pelo policiamento comunitário dos bairros América, Capucho, Dom Pedro, Bugio, São Carlos, Veneza I e II.

GATI E POLÍCIA CIVIL PRENDE ACUSADO DE TRÁFICO EM TOBIAS BARRETO.

No final da tarde de quarta-feira, 23, agentes civis da delegacia da cidade de Tobias Barreto e policiais militares do Grupo de Ações Táticas do Interior (GATI) realizaram a prisão, em flagrante, de Luciano Santos Ramos, 18 anos, acusado de envolvimento com o tráfico de drogas.

A prisão foi motivada por uma denúncia formalizada através do Disque-Denúncia da Polícia Civil (181). No momento da prisão, a polícia apreendeu várias trouxas de maconha e cápsulas contendo crack, que estavam na residência do suspeito. Durante interrogatório, Luciano confessou que comercializava droga.

4ª CIA / 1º BPCom RECUPERA MOTO ROUBADA INSTANTES APÓS O CRIME NO BAIRRO SANTA MARIA.

Na manhã da quarta-feira, 23, policiais da 4ª Companhia do 1º Batalhão de Polícia Comunitária (4ª Cia/ 1º BPCom) recuperaram moto roubada no bairro Santa Maria. O veículo, uma motocicleta Dafra, de cor preta e placa IAL 7522, foi tomado de assalto às 11h no conjunto Valadares e recuperada uma hora depois no conjunto Padre Pedro, no mesmo bairro do roubo.

Apesar das diversas rondas, os responsáveis pelo roubo não foram localizados. Segundo a vítima, que apresentava um corte na perna, ela tinha sido abordada por dois homens, que estavam armados com uma arma de fogo e uma arma branca, usada para atingir o dono da moto.

A ocorrência foi atendida pela guarnição composta pelo sargento Nilson, cabo Ginaldo, cabo Edjaldo e o soldado Saviniky, que foi acionada pelo Centro Integrado de Operações em segurança Pública (CIOSP).

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

CAPITÃO SAMUEL DEFENDE INTEGRAÇÃO ENTRE SEGURANÇA PÚBLICA E PRIVADA.

Foto:  Mônica Azevedo

O deputado estadual Capitão Samuel (PSL), fez um pronunciamento na manhã de hoje, 23, na Assembleia Legislativa, em defesa de maior integração entre a segurança pública e a privada, com objetivo de melhorar a vigilância nas ruas e aperfeiçoamento da categoria. Para o presidente da Comissão de Segurança da Casa, a segurança pública não pode andar dissociada da segurança privada.

De acordo com o deputado estadual, o Rio Grande do Sul adotou uma medida que está garantindo uma parceria de sucesso entre a segurança privada e a pública, que oferece cursos de aperfeiçoamento e treinamento para os vigilantes, que ao final do curso recebem um certificado e ampliam o relacionamento entre a Polícia Militar e a Polícia Civil, com troca de informações.

“Entendo que na hora que a segurança pública do Estado começar a interagir com a segurança privada, a segurança vai ficar mais consolidada. Imagine se em cada posto de vigilância, os profissionais passarem as informações para a Polícia Civil e a Polícia Militar? Imagine quantos olhos a segurança pública vai ter se puder utilizar estas ferramentas no dia-a-dia? Nem a Polícia Militar nem a Polícia Civil é onipotente ou onipresente, então esta parceria beneficia a sociedade e a segurança pública”, acredita Capitão Samuel.

Desta forma, o deputado estadual, que é presidente da Comissão de Segurança da Assembleia Legislativa, disse que vai buscar conhecer melhor esta realidade da segurança pública do Rio Grande do Sul para ver a viabilidade de ser adotada em Sergipe.

Outro ponto abordado pelo Capitão Samuel, é a preocupação salarial dos vigilantes do Estado, que estão começando a discussão do dissídio da categoria. O deputado estadual disse que a negociação entre empresários e o sindicato dos vigilantes privados já começou, mas ainda não avançou nas propostas que estão muito abaixo das expectativas dos profissionais da área.

Fonte: Alese

HOMENS SÃO PRESOS AO TENTAR SUBORNAR PM.

Presos foram detidos portando drogas e munições em Japoatã

Alessandro e Ronaldo(à direita) tetaram subornar os policiais(Foto:SSP)

Uma ação conjunta da Polícia Militar e da Polícia Civil resultou na prisão de dois homens, acusados de narcotráfico e porte ilegal de munição em Japoatã, município distante 94 quilômetros de Aracaju.

O gari Alessando dos Santos, 25 anos, e o lavrador Ronaldo dos Santos, 25, foram flagrados na periferia da cidade portando uma sacola com maconha e 64 papelotes da droga, além de seis munições calibre 38.

Segundo o delegado da Polícia Civil da cidade, Leógenes Corrêa, os acusados tentaram subornar a guarnição do Destacamento da Polícia Militar em Japoatã no momento da prisão. "A equipe local da PM nos deu apoio durante a operação e recebeu a proposta de libertar os presos, o que foi negado e seguido de mais uma acusação. Na hora em que foram capturados, Ronaldo e Alessandro estavam ainda com R$ 320 oriundos do tráfico, celulares e uma motocicletas", informou.

Fonte: SSP/Infonet

EX-PRESIDIÁRIO QUE SE PASSAVA POR PM É RECONHECIDO EM ASSALTO REGISTRADO EM ACADEMIA.


Fotos:  Reinaldo Gasparoni

Na manhã desta quarta-feira, 23, as polícias Civil e Militar prestaram detalhes sobre a prisão de Marcos de Oliveira Esmerim Júnior, 32 anos, que foi surpreendido por policiais militares na madrugada do último domingo, 20, durante a festa da padroeira do município de Divina Pastora, quando se passava por policial militar. Após sua prisão foi constatado por parte da Polícia Civil que o falso policial se tratava de um assaltante que agiu no dia 25 de janeiro deste ano em uma academia de ginástica localizada no bairro 13 de Julho.

De acordo com o 3º sargento destacado no município de Riachuelo, Brito Souza, a prisão aconteceu depois que populares informaram a respeito de uma ocorrência relativa a vias de fato. “Fomos até o local e lá recebemos a informação de que um policial militar a paisana havia resolvido o problema. Fomos a procura do suposto policial e o encontramos. Pedimos sua identificação e após questionamentos comprovamos que se tratava de um falso policial”, explicou Brito.

Ainda de acordo com o sargento, moto taxistas que trabalhavam durante a festa afirmaram que o criminoso estava abordando motociclistas, pedindo documentação e habilitação e até mesmo efetuando uma falsa blitz. “Com ele encontramos uma falsa carteira provisória da Polícia Militar e uma arma de ar comprimido”, finalizou o sargento.

Marcos, que é ex-presidiário, tendo cumprido pena de 13 anos por conta de crimes de homicídio e porte ilegal de arma de fogo, subtraiu da academia de ginástica R$ 200,00 em dinheiro e mais R$ 3.000,00 em cheques. Na oportunidade, ele foi flagrado pelas câmeras do estabelecimento comercial no momento em que sacava uma arma e rendia a recepcionista da academia.

De acordo com a delegada da 1ª Delegacia Metropolitana, Maria Zulnária de Oliveira, o falso policial já vinha sendo investigado pela Polícia Civil por conta do assalto a academia. “Já estava tramitando um inquérito policial e foi representada a prisão temporária por conta do crime registrado na academia.

Com a prisão em flagrante de Marcos, feita pela PM, efetuamos diligências necessárias, onde vítimas o reconheceram como o autor do crime. Mais tarde ele assumiu a ação criminosa. Ele será indiciado pelos crimes de roubo qualificado e falsidade ideológica”, explicou a delegada.

DPM DE JAPARATUBA APREENDE MOTO ROUBADA COM PLACA DE GOL.

Policiais do Destacamento Policial Militar de Japaratuba (DPM) prendem homem com motocicleta roubada na tarde da terça-feira, 22, na cidade de Japaratuba. O veículo, uma moto CG Titan, de cor vermelha, com o chassi raspado e a placa HZA 5293 tinha restrição de roubo e estava com a placa de um veículo Gol.

A motocicleta estava em poder de Cleverton Alves Santos, que alegou que a moto tinha sido comprada das mãos de um homem de pré-nome Gustavo, que foi localizado e conduzido juntamente com Cleverton à Delegacia de Japaratuba, para prestar mais esclarecimentos.

A ocorrência foi atendida pela guarnição formada pelo sargento Ailton, o aluno do Curso de Formação de Sargentos Lima e o aluno do Curso de Formação de Cabos Paulino.

EM SEU PRIMEIRO DISCURSO NA TRIBUNA, O DEPUTADO CAPITÃO SAMUEL FEZ UM BALANÇO GERAL DA SEGURANÇA PÚBLICA NO ESTADO.

Na última segunda-feira (21), o deputado estadual capitão Samuel(PSL), ocupou a tribuna pela primeira vez e discursou de forma construtiva, reafirmando os compromissos e agradecendo a todos que participaram de sua vitória. “Senhor presidente, senhoras e senhores deputados, senhores da galeria, fiquei feliz de ver o exército brasileiro aqui com a banda nas galerias, funcionários desta casa, meus amigos sargento Vieira e sargento Edgard que se encontram aqui, gostaria do agradecer a todos vocês, todos os amigos que confiaram na minha eleição, no trabalho do capitão Samuel e acreditaram que poderia sim ter um deputado aqui nesta casa, oriundo da família militar, oriundo da cidade de Malhador e da classe menos favorecida".

Agradecimentos

O deputado militar não esqueceu de agradecer aos amigos e familiares que estiveram presentes nos momentos difíceis da sua vida. " Agradeço primeiramente a Deus que permitiu a minha chegada aqui, por que sem ele com certeza eu não chegaria aqui. Vou agradecer a estes companheiros que trabalharam lado a lado comigo, agradeço do fundo do meu coração e reafirmo o compromisso com todos eles. O compromisso com a verdade com o coletivo e o compromisso com a família militar. Aos meus familiares pela luta que foi durante toda a minha vida, pelas prisões que já aconteceram enquanto militar no quartel, por lutar e falar tudo aquilo que eu acreditava e a minha família sofria mais do que eu quando ficava preso. Agradeço pelos momentos difíceis que eles viveram ao meu lado". Disse o parlamentar.

PEC 300

Capitão Samuel, teve cravado 15 minutos para falar na tribuna sobre o Projeto de Emenda Constitucional que iguala os salários dos agentes prisionais, das polícias militar, civil e bombeiros militares, com os salários dos profissionais de segurança pública de Brasília."No dia de hoje com a visita da presidente Dilma aqui em Sergipe eu aproveito para falar de um assunto que há muito é falado no Brasil inteiro que é a PEC 300. Muitas das vezes as pessoas falam disso e não sabem nem do que se trata, uns falam que é busca de dinheiro, outros ficam falando que o orçamento não dá para pagar e as vezes não sabem nem quanto representa isso". O parlamentar, fez questão de trazer para o plenário uma discursão sobre a segurança pública sergipana e do Brasil. "A PEC 300, como bem diz esta camisa é por uma questão de igualdade, por que o crime que é cometido em Brasília, em São Paulo, no Rio, em Belo Horizonte é cometido aqui em Sergipe também, o crime é o mesmo. O profissional que se arrisca se arrisca em qualquer lugar do Brasil. Os impostos pagos pelo comerciante pela indústria por todos é o mesmo, é imposto para o Brasil. E não tem por que pagar o policial de Brasília com impostos de sergipanos através do fundo nacional de segurança pública e não pagar a polícia sergipana. Proporcionar segurança ao povo de Brasília e não proporcionar segurança ao povo de Sergipe". Afirmou o capitão.

O parlamentar disse ainda que a PEC 300, trará a igualdade de tratamento entre as polícias ela trás a igualdade de tratamento entre os profissionais de segurança pública por que não adianta falar em integração policial, não adianta falar em construir CIOSP – Centro Integrado de Segurança Pública, onde ambas as polícias participem no mesmo ambiente de trabalho, e uma ganha mais do que a outra, não adianta fazer isso. Não adianta tentar misturar água e óleo". Afirmou Samuel.

Samuel Barreto disse que Itabaianinha precisa de mais atenção na segurança pública, por que no último carnaval esteve presente no município e constatou o problema de ordem pública, apenas oito policiais militares fazendo segurança para 50 mil pessoas. "Não podemos ver isso em Itabaianinha novamente".

Segurança e horas extras

O problema da falta de pagamento de horas extras dos policiais militares foi outro questionamento feito pelo deputado que não cansa de dizer que os problemas estão se somando e cada vez ficando ainda maior. Para o parlamentar existe um risco muito grande em acarretar uma carga de trabalho maior do que o trabalhador pode ter e sobretudo se esse trabalhador não recebe pelas horas extras trabalhadas. "Não posso ver a reclamação que fiz no ano passado e saber que os policiais que trabalharam no Pré Caju, em Itabaianinha, trabalharam cinco dias seguidos, e até hoje não foi pago as horas extras daqueles policiais. Agora vem Pré Caju, Projeto Verão, entre outros eventos e o problema se agravando".

Samuel relacionou alguns erros que estão incomodando os militares e refletindo diretamente na segurança e no policiamento ostensivo do Estado."O Secretário João Eloy é o responsável pelo que está acontecendo na Segurança Pública do Estado. Ele é o responsável pela pasta e tem que encontrar uma fórmula, seja conversando com o secretário da Fazenda que tem conversar com o governador e tentar resolver. O que não pode é o policial que trabalhou no carnaval do ano passado ficar esperando sem previsão para receber a hora extra. E como vai ficar este carnaval? Qual a motivação que este homem, este policial vai ter? Deixando sua família em casa, não participando do carnaval, não se divertindo com seus pais, com seus filhos e trabalhar de escala extra, arriscar a sua vida e não receber. Eu fico preocupado com o carnaval que se aproxima, por que voluntários não teremos e o efetivo atual não tem como fazê-lo, e essa preocupação não é só pelo não recebimento do meu policial, mas pela sociedade que pode ter a sua segurança prejudicada”.

O deputado aproveitou a oportunidade para parabenizar o novo comandante da Polícia Militar, cel. Resende. "Espero que Deus o traga com muita força para lutar, espero que o secretário João Eloy, revolva esse problema que me preocupa por causa da sociedade sergipana, pelo carnaval que se aproxima que é uma festa grande, temos em Aracaju um grande evento que é o Rasgadinho, essa preocupação tem que ser de todos os parlamentares. O efetivo da corporação é pouco não tem condições de fazer o carnaval sem hora extra, o policial terá que cumprir a escala por que a legislação obriga ou senão fica preso. Mas nós temos que tomar uma atitude e uma atitude que garanta a segurança do povo sergipano e garantir que esta segurança melhore a cada dia".

O deputado estadual Mudinho (PSL), parabenizou, o capitão Samuel pelo tema de extrema importância para a sociedade. “A vossa excelência já começa trazendo um tema importante, preocupado com uma festa grande, uma festa que se bebe muito, tem muita gente exaltado e a questão de segurança pública hoje é importantíssima demais, principalmente para as cidades que têm o carnaval tradicional como é o caso de Neópolis, Pirambu, Itabaianinha e esse tema deixa realmente a gente preocupado”. O deputado Mudinho, enfatizou a preocupação do capitão Samuel com esse tema Segurança Pública tendo em vista a intermediação através do secretário João Eloy entre outras ações. Mudinho disse que gostaria de se associar ao pronunciamento do deputado capitão Samuel, pela iniciativa em tratar das questões de segurança pública e pelo momento oportuno que antecede o carnaval.

O deputado de oposição Augusto Bezerra (DEM), também parabenizou o pronunciamento do capitão Samuel e em seu nome saudou todos os militares que fizeram o ano passado uma das demostrações mais organizadas que o estado de Sergipe já viu. "Em toda história dos servidores sergipanos o Movimento Tolerância Zero é inesquecível, um movimento em prol de melhores salários e a PEC 300 que vossa excelência e os militares trazem como uma solicitação que vai engrandecer a tropa não só em Sergipe, mas em todo o Brasil. É uma luta muito justa. Conte com a nossa simpatia como sempre contou e tenho certeza que nesta casa, vossa excelência será uma voz atuante em nome de Sergipe e também em nome de todos os militares através de uma luta séria que trouxe o senhor até esta casa como representante desta categoria". Concluiu Augusto Bezerra.

Gratidão dos militares

O deputado capitão, encerrou seu discurso questionando o pronunciamento do governador Marcelo Déda num programa de rádio matinal em que ele disse que a família militar era ingrata. “A polícia não é ingrata, ela é grata a quem lutou do lado dela, ela foi grata a quem estava com ela nos momentos difíceis, e ela foi grata ao governador Marcelo Déda, por que nós votamos no governador, por que sabemos dos avanços que houveram, sabemos e reconhecemos. E sabemos das dificuldades que foram criadas. Nós sabemos do papel de cada parlamentar, por exemplo da deputada Ana Lúcia (PT), que teve um papel fundamental no dado momento, por que ela entendeu a situação que nós passávamos, ela compreendeu. Todos tiveram a participação. Samuel falou que nos últimos quatro anos do governo Marcelo Déda, praticamente dobrou os investimentos na área de Segurança Pública agora a aplicação tem que ser pensada. "E nesse ponto eu não culpo o governador". Enfatizou o deputado.

Samuel parabenizou os deputados que devolveram os cem policiais militares para a sociedade e viu como uma demonstração de amor ao povo sergipano e um exemplo a ser seguido, pois, cada um está fazendo a sua parte. O deputado lembrou que o governador acertou quando teve a iniciativa em relação ao Banco do Estado de Sergipe – BANESE - em devolver cento e quarenta policiais militares para a segurança ostensiva. "Precisamos somar esforços, por que vários governos já tentaram e não conseguiram, tenho certeza que todos os deputados querem contribuir para o avanço.

O deputado estadual capitão Samuel, concluiu seu discurso dizendo que irá contribuir com o conhecimento técnico que tem, com o diálogo que irá travar e debater muitas vezes com secretário de Segurança Pública, João Eloy, mas sempre baseado no respeito, e com todos os deputados da Assembleia Legislativa para que se possa avançar a cada dia esse tema.

Fonte: Assessoria Parlamentar ( Chris Brota)