sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

EM ASSEMBLÉIA, POLICIAIS MILITARES DEFINEM PAUTA DE NEGOCIAÇÕES PARA 2011.

Deputado Capitão Samuel fazendo uso da palavra (Fotos:  ABSMSE)

Auditório repleto de militares, reformados e pensionistas


Sgt. Vieira, gestor da ABSMSE concedendo entrevista à imprensa

Sgt. Edgard, diretor da ABSMSE fazendo uso da palavra


Deputado Federal André Moura demonstrou seu apoio aos militares sergipanos em suas reivindicações

O senador Eduardo Amorim também fez uso da palavra para afirmar seu compromisso com a classe militar, na luta pelas suas reivindicações.  Na foto, da esquerda para a direita, o presidente nacional do PSC Vitor Jorge Abdala Nósseis; o deputado estadual Capitão Samuel; o líder do PSC da câmara dos deputados, o deputado federal Ratinnho Júnior (filho do apresentador Ratinho); o senador Eduardo Amorim; o deputado federal André Moura e o Sgt. Vieira gestor da ABSMSE



As Associações Unidas da Policia Militar, estiveram reunidas na tarde desta quinta-feira (17), no Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, para discutir a pauta de reivindicações da classe para 2011.

Cerca de mil Policiais Militares e Bombeiros Militares, participaram da Assembléia e muitos fatos aconteceram lá. Alem das discussões das reivindicações, houve também um manifesto em prol da pré-candidatura do senador Eduardo Amorim ao governo do estado. Segundo disse um PM, quando o senador chegou ao local acompanhado do líder do PSC no congresso, Ratinho Junior, do também federal André Moura e do representante da classe na AL/SE, deputado capitão Samuel Barreto, um coro de voz se ergueu: “senador Eduardo Amorim o nosso governador, o nosso governador”.

Alem disso, os militares já definiram as reivindicações que serão feitas. Segundo um membro das Associações, os pontos mais cobrados são as definições da carga horária que, na Assembléia ficou definido que querem uma carga de 30 horas semanais.

Durante a discussão sobre a carga horária, um policial fez uso da palavra e na presença dos parlamentares, classificou o governo como sendo “escravocrata”. Bastante emocionado, e com a voz embargada, ele afirmou que estava perdendo a família por falta de tempo para se dedicar a ela, alem do mais disse estar muito estressado, fato esse que pode causar problemas para a população, já que estresse pode levar o homem a cometer atos impensados. “eu não agüento mais esse governo escravocrata. A toda hora somos escalados. De que adianta ganhar bem e termos dinheiro e perdermos a nossa família ou nossa vida”, questionou o policial.

Outra reivindicação que deve pautar na mesa de negociação, será as promoções que estão atrasadas. “Há PM que está a espera de sua promoção há 17 anos. São 17 anos que ele é soldado e espera promoção para ser cabo e isso não acontece. Outro ponto defendido por nós, é a exigência de nível superior para o ingresso na PM e BM”, explicou o gestor da ABSMSE, sargento Jorge Vieira.

Esses são para eles, algumas das reivindicações, porem os PMs há muito vem contestando quanto a alimentação que são servidas nos quartéis. Segundo eles, alem da comida ser de péssima qualidade, isso acaba por criar uma despesa maior para o estado. Eles querem que isso seja feito através de um ticket alimentação ou que seja pago junto ao soldo.

Também ficou definido na Assembléia que, o governo terá que melhorar as condições de trabalho dos policiais, e para isso eles cobras mais viaturas alem da reforma das que hoje existem. Alem disso eles querem melhoria nos quartéis, principalmente no interior do estado.

As associações vão esperar o sinal verde por parte do governo do estado, quanto a volta da mesa de negociação para apresentarem as reivindicações.

Fonte: Faxaju (Munir Darrage)

Nota:  Estiveram presentes à assembléia das associações militares hipotecando apoio à classe na defesa dos seus direitos e reivindicações as seguintes autoridades:  o presidente nacional do PSC Vitor Jorge Abdala Nósseis; o deputado estadual Capitão Samuel; o líder do PSC da câmara dos deputados, o deputado federal Ratinnho Júnior (filho do apresentador Ratinho); o deputado federal André Moura e o senador Eduardo Amorim.


Cada vez mais os militares sergipanos mostram a sua força e a sua união na luta em prol de melhorias para a classe e na busca de uma segurança pública cada vez melhor para a sociedade.  Nós, militares, estamos de parabéns!

3 comentários:

Jornal Percurso disse...

Não são os governos escravocratas, mas o modelo militarizado da PM. Esse tema é um tabu até em associações de praças. O que temem?
Todo policial militar, não idiotizado, sabe que o sistema militar reinante há quase dois séculos é desumano, cruel e cerceia direitos. Mas as associações não veem ou não querem ver. Querem mudanças, mas elas não virão no modelo atual.
Acorda, pessoal. Esse modelo militarizado só interessa a governos incompetentes e oficiais da PM.
Marcos Simões

jose disse...

esperamos que lutem para mudar a lei de promoçoes só assim resolverá esta questao de uma vez por todas

Anônimo disse...

Que pauta foi definida? onde só vimos os politicos falarem de seus compromisso com, a pec 300, ficou bem claro que somente Edgar e Vieira são os representante da caixa beneficente, cade o cb palmeira, nem a foto dele o blog registrou, demonstrando que essa administração da caixa somente é de dois.