domingo, 6 de fevereiro de 2011

GOVERNADOR PROMOVE MUDANÇAS NA CÚPULA DA SSP E COMANDO DA PM.

Assumirão respectivamente as funções de comandante da PM e superintendente da Polícia Civil, o coronel PM Aelson Resende e a delegada Katarina Feitosa

Fonte:  Marco Veira

Numa reunião promovida na manhã desta sábado, 5, no Palácio de Veraneio, o governador Marcelo Déda e o secretário de Estado da Segurança Pública, João Eloy de Menezes, discutiram os detalhes de um processo de mudança que será promovido na cúpula da segurança pública, incluindo o comando da Polícia Militar e da Polícia Civil em Sergipe. Assumirão respectivamente as funções de comandante da PM e superintendente da Polícia Civil, o coronel PM Aelson Resende e a delegada Katarina Feitosa.

Segundo o governador, estas mudanças seguem um processo natural de transição a partir de reflexões sobre as demandas que incidem sobre os mecanismos de segurança do Estado. “Iniciando-se o novo governo, uma das constatações que fiz é de que são inegáveis os avanços da segurança pública. A polícia de Sergipe tem demonstrado um desempenho notável na qualidade dos serviços que realiza, onde alcançamos o reconhecimento nacional na capacidade de elucidação de crimes, rapidez de captura dos autores de delitos, além da qualidade e quantidade de inquéritos concluídos”, avaliou Marcelo Déda.

Ainda segundo Déda, o desempenho dos serviços de inteligência da polícia sergipana atua como um verdadeiro “guardião” da segurança dos cidadãos a partir do desbaratamento de dezenas de quadrilhas criminosas que tentaram se instalar em Sergipe. “Isso ocorreu especialmente depois que em alguns estados como São Paulo e Rio de Janeiro, a repressão ao tráfico de drogas ficou mais intensa. As tentativas destas quadrilhas em fixarem sede em Sergipe foi frustrada pela ação competente da inteligência com o suporte da Polícia Civil e Polícia Militar”, exemplificou.

Aumento de desempenho

Mesmo diante de indicadores positivos em relação a vários estados do Nordeste, de acordo com o governador, ainda é necessária uma evolução nos serviços de segurança pública. “Temos indicadores de homicídios muito abaixo de estados como Alagoas e Pernambuco, mas não podemos nos conformar apenas com a comparação, precisamos construir um viés de baixa nos números, especialmente naqueles relativos à homicídios”, apontou o governador, considerando ainda assim os resultados dos demais índices criminosos.

“A redução dos assaltos a ônibus é uma realidade que ninguém pode negar. É só observar as estatísticas de três anos atrás e compará-las com as de hoje”, ilustrou Déda.

Ainda assim, o governador afirma que é necessário também desenvolver a compreensão de que a atividade criminal também se expande no interior do estado, exigindo uma abordagem efetiva. “Estes são desafios que vão exigir do Governo do Estado e do secretário da Segurança Pública a capacidade de dar continuidade ao bom trabalho, mas também a coragem para inovar, incorporando novos mecanismos, utilizando cada vez com mais eficiência os novos instrumentos que o governo colocou à disposição da polícia, que é hoje bem remunerada, bem equipada e tecnologicamente atualizada”, relatou o governador.

Remanejamento

Na busca desses resultados e novos indicadores, ainda segundo o governador, o secretário João Eloy propôs um remanejamento na equipe para galgar estes novos objetivos e cumprir as novas missões. “Hoje fiz o convite para os novos titulares das instituições policiais sergipanas. O coronel Resende assumirá o comando da Polícia Militar, a doutora Katarina Feitosa assumirá a Superintendência da Polícia Civil, e o delegado João Batista, que respondia por esse cargo, passará a ser o secretário adjunto com tarefas muito nítidas para consolidar a nossa política de segurança pública, agregando novas ferramentas e instrumentos na área da gestão e também na área de definição da política”, anunciou Déda.

Nesse sentido, o novo secretário adjunto viajará ao estado de Pernambuco, já na próxima semana, onde participará de uma reunião do Conselho de Segurança Pública daquele estado para estudar o modelo ali adotado. “Muito embora tenhamos, do ponto de vista de aparelhamento e remuneração e até de indicadores, números melhores que os de Pernambuco, nós queremos estudar avanços que são verificados em qualquer estado com humildade, pois a nossa meta é melhorar”, afirmou o governador.

Reconhecimento

Déda também fez questão de agradecer ao coronel José Carlos Pedroso pela colaboração que ofereceu durante o exercício do comando na Polícia Militar. “O cumprimentei pelo trabalho que fez, reconheci a sua capacidade profissional e o seu zelo como oficial da Polícia Militar para atender às diretrizes de governo e recuperar o prestígio daquela instituição mais do que secular. Uma das características do comando do coronel Pedroso foi o seu profissionalismo”, reconheceu o governador, ao informar que consolidando esse profissionalismo, ele irá fazer a transição de comando oferecendo toda colaboração ao novo comandante.

“Este é um fato inédito, demonstrando o espírito de colaboração do comandante que sai para o comandante que entra. Por isso fiz questão de agradecer e reconhecer o esforço do coronel Pedroso, seu compromisso profissional e a sua excelência como oficial da nossa Polícia Militar, pela colaboração que ofertou”, disse Déda.

Ainda de acordo com o governador, a solenidade de posse será realizada entre os próximos dias 15 e 16 de fevereiro, após a semana onde será procedida a transição de todos os aspectos de comando.

Perspectivas

Segundo o coronel Resende, a indicação foi recebida com surpresa, a partir da determinação do governador com a anuência do secretário João Eloy, mas a natureza do trabalho de evolução da segurança pública é de seu pleno conhecimento, pois atuava como o secretário adjunto vivenciando a intensificação do processo de eficácia na gestão que é uma determinação do governador. “Assumimos esta nova missão preparados para os novos desafios de implementar esse novo modelo de gestão, priorizando o atendimento ao público. Este é um compromisso que mantenho desde que ingressei na Polícia Militar”, frisou o coronel Resende, que há 27 anos é oficial na corporação, onde também já foi soldado e sargento.

“Acima de tudo é motivo de orgulho encarar esse desafio de comandar uma tropa que passa por um momento de evolução, numa condição que não existia antes, mas ainda precisa se aperfeiçoar e mostrar à população sua eficiência no trabalho ostensivo, atuando de modo a obter o reconhecimento da sociedade sergipana, resgatando a sensação de segurança para a nossa população, o que valorizará cada vez mais o trabalho de cada policial”, ponderou o comandante indicado.

Evolução

Já segundo o secretário de Estado da Segurança, João Eloy, este é um processo necessário para ‘oxigenar’ as instituições de segurança pública para priorizar a implementação dessa nova estratégia de, através da gestão mais eficaz, oferecer a tão buscada sensação de segurança. “Mesmo diante das diversas conquistas que já obtivemos, precisamos trabalhar mais no aspecto da prevenção. Temos muito sucesso na investigação e elucidação dos crimes, mas ainda temos muito a evoluir para evitar que o crime venha a acontecer. E é isso que será a meta principal a partir desse remanejamento nos quadros da segurança”, apontou o secretário.

Fonte: Agência Sergipe de Notícias

Um comentário:

Anônimo disse...

AGORA VAI COMEÇAR MAIS UM CAPITULO DA PMSE ¨DECADENCIA¨.