quinta-feira, 31 de março de 2011

RIO DE JANEIRO: TODOS OS CERCA DE 40 MIL POLICIAIS MILITARES NO ESTADO RECEBERÃO PISTOLAS CALIBRE PONTO 40 DO COMANDO DA CORPORAÇÃO.

As armas ficarão acauteladas pelos PMs e cada uma delas será de uso individual e intransferível — como já ocorre na Polícia Civil. A medida, segundo o relações-públicas da PM, coronel Henrique Lima de Castro Saraiva, tem como objetivos possibilitar aos comandantes das unidades um controle maior sobre o armamento usado por seus subordinados e dificultar o desvio de armas. Cada PM será responsável pela sua pistola e terá que responder à corregedoria da corporação no caso de perda por qualquer razão.

A PM já adquiriu um lote de nove mil pistolas que serão distribuídas a unidades em breve. Outros lotes serão comprados ainda este ano. Outra medida adotada pelo comandante-geral da corporação, coronel Mário Sérgio Duarte, foi determinar uma inspeção nos paiois de todas as cerca de 60 unidades da Polícia Militar — incluindo os 40 batalhões, as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), as academias de formação profissional e até os hospitais — para saber a situação deles. Além de contabilizar a quantidade de munição, coletes, armas, armamentos químicos e não letais, as inspeções vão apontar possíveis desvios.

Também serão vistoriadas as armas em poder de PMs cedidos ao Tribunal de Justiça e ao Ministério Público.

PM evita incorporar armas apreendidas com bandidos

Segundo a PM, os relatórios mensais feitos pelos comandantes não impediram, por exemplo, que um fuzil doado ao Batalhão de Choque pela Marinha de Guerra do Brasil fosse achado durante a ocupação do Complexo do Alemão. As vistorias nos paiois foi determinada poucos dias após a instalação da CPI das Armas pela Assembleia Legislativa. A comissão fez quatro pedidos de informações sobre armamentos à corporação.

Segundo a PM, a apreensão de armas nas ruas é a maior fonte de desvios de armamentos. Para o comandante Mário Sérgio, a corporação evita incorporar ao seu arsenal armas apreendidas com traficantes com para evitar desvios.

— Sobre as irregularidades, nós tomaremos providências internas. Havendo sinais de participação criminosa, a instauração dos competentes inquéritos para apuração dos crimes será feita. Eu oriento bastante a nossa corregedoria para investigar a fundo casos de desvio de armas. Na operação no Complexo do Alemão, eu determinei que todo o armamento apreendido fosse marcado com spray branco — disse o comandante da PM, em entrevista à rádio CBN.

Atualmente, o controle do armamento da PM é dificultado pelo fato de as armas trazerem apenas o número do lote, sem identificar a unidade nem a corporação. Além disso, armas de um mesmo lote são espalhadas ao serem distribuídas pelas unidades da PM.

Ex-secretário nacional de Segurança Pública, o coronel José Vicente Filho é a favor da medida de entregar armas aos policiais, mas adverte:

— A medida está vindo com atraso. É corretíssima. Mas, para receber a arma, o policial deve ter disparado pelo menos 300 tiros e ter feito curso de manutenção do armamento. A arma pode engasgar.

Fonte: O Globo

CEARÁ: MINISTÉRIO PÚBLICO CRITICA META DE ABORDAGEM POLICIAL IMPOSTA POR MAJOR.

Ordem é para que policiais atinjam meta de 25 abordagens diárias, sob pena de infração disciplinar grave

O Ministério Público Estadual enviou, nesta quarta-feira (30), ao comandante-geral da Polícia Militar do Ceará uma recomendação que se insurge contra a ordem de um major da Instituição, que determinou aos seus comandados a realização de 25 abordagens diárias, sob pena de incorrer em infração disciplinar grave.

De acordo com os promotores de Justiça André Karbage e José Filho, do Centro de Apoio Operacional Criminal, da Execução Criminal e Controle Externo da Atividade Policial (Caocrim), a abordagem e busca pessoal, sem ordem judicial, conforme o artigo 244 do Código de Processo Penal, só poderá ser efetivada se houver fundada suspeita. A abordagem sem critério fere garantias constitucionais da pessoa, tais como: o direito de locomoção, a intimidade, a dignidade e a imagem, notadamente quando estas abordagens são registradas pela imprensa.

Na recomendação, os promotores de Justiça determinam a imediata revogação da ordem ilegal; a emissão de orientação a todos os oficiais para que se abstenham de adotar medida semelhante; a submissão de todos os policiais a curso de aperfeiçoamento em abordagens a pessoas; a revogação de qualquer sanção disciplinar que, porventura, tenha sido imposta ao policial que não tenha cumprido a tal determinação e, ainda, a apuração da conduta do oficial pela expedição da ordem ilegal.

Cópias da recomendação foram enviadas a vários órgãos, bem como a todos os Promotores de Justiça do Estado do Ceará, para que, em se deparando com situação semelhante, possam cobrar a responsabilidade funcional e criminal do infrator.

Fonte: CNEWS

1ª CIA / 8º BPCom IMPEDE FURTO DE VEÍCULO NO CENTRO.

Homens da 1ª Companhia do 8º Batalhão de Polícia Comunitária (1ª Cia/ 8º BPCom) prenderam Claudio dos Santos, de 30 anos, por volta das 10h desta quinta-feira, 31, na Rua Propriá, Centro da capital, após uma tentativa de furto a veículo.

O suspeito tentava abrir um Fiat Uno de cor branca e placas HZZ 6094 com o auxílio de uma chave micha, quando foi flagrado por populares, que acionaram a polícia por meio do Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (CIOSP).

Munidos da informação, os policiais se deslocaram até o ponto da ocorrência e chegaram a tempo de prender Claudio em flagrante. O infrator foi detido e conduzido à Delegacia de Furtos e Roubos pela guarnição Coiote 03, formada pelo sargento Luciano e o soldado W. Santos.

1ª CIA / 1º BPCom IMPEDE HOMICÍDIO EM ITAPORANGA D'AJUDA E APREENDE ARMA.

Na noite da quarta-feira, 30, militares do 1º Pelotão da 1ª Companhia do 1º Batalhão de Polícia Comunitária prenderam Cléviton Santos, de 19 anos, no Centro da cidade de Itaporanga D’Ajuda. O jovem foi detido após tentar contra a vida de Wagner Santos Barbosa, de 22 anos, com o auxílio de uma faca.

A guarnição composta pelo sargento J. Raimundo, cabo Da Fé, aluno do Curso de Formação de Cabos Tavares e soldado Freitas foi acionada via 190 e chegou a tempo de efetuar a prisão em flagrante de Cléviton e impedir o crime. O suspeito e a arma foram encaminhados à Delegacia Plantonista de Aracaju, para providências cabíveis.

DPM DE JAPARATUBA APREENDE MOTO COM CHASSI ADULTERADO E PRENDE CONDUTOR.

Policiais do Destacamento Policial Militar de Japaratuba apreenderam uma motocicleta de cor vermelha e placa HZS 2083 no Povoado Encruzilhadas, zona rural de Japaratuba, na quarta-feira, 30. O veículo estava adulterado e foi localizado durante abordagem a José Adriano da Silva, que transitava pela localidade em atitude suspeita.

A guarnição formada pelo sargento Ailton e aluno do Curso de Formação Cabos Paulino constatou, após abordagem e verificação do chassi da moto, que o mesmo estava adulterado. José Adriano foi conduzido à Delegacia de Japaratuba, juntamente com o veículo.

SÃO PAULO: ALCKMIN TIRA ESCOLTA DE PRESOS DA PM.

O governador Geraldo Alckmin anunciou ontem, durante seminário na Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), que vai transferir a escolta de presos para agentes de escolta subordinados à Secretaria de Administração Penitenciária.

Em setembro do ano passado, resolução da Secretaria da Segurança Pública (SSP) havia determinado que os policiais militares seriam os responsáveis pela transferência e pelo transporte de presos para atendimentos médicos e audiências.

A tarefa cabia aos policiais civis e, na época, a SSP justificou a medida dizendo que pretendia reforçar as investigações nas delegacias paulistas. Os policiais militares, contudo, perderam cerca de 4 mil homens no patrulhamento das ruas. De acordo com o governo, diariamente, 900 policiais são deslocados para a atividade.

"Nós criamos agentes de escolta e vigilância, por lei. Os de vigilância de muralhas de presídios assumiram, são quase 4 mil e foram um sucesso, deu certo, liberando 4 mil PMs para as ruas. A escolta não foi implementada", disse Alckmin. "Defendemos a teleconferência, reduzir o número de escoltas, economizando muito dinheiro. A outra (necessidade) é introduzir gradualmente os agentes de escolta, para também liberarmos os policiais para agentes de rua."

Dados da criminalidade. O comandante da Polícia Militar, Álvaro Batista Camilo, defendeu ontem a divulgação dos dados de criminalidade, anunciada pelo governo do Estado: "No início, serão divulgados por delegacia - mais de 1,6 mil no Estado coincidem com as áreas das companhias da PM. No futuro, estudamos dar acesso por bairro."

Nota: Um exemplo a ser seguido. Infelizmente aqui em Sergipe os policiais militares encontram-se desviados de função, trabalhando em presídios e escoltando presos, funções que competem aos guardas prisionais e o Governo do Estado nada faz para mudar essa situação, pois os policiais militares que hoje estão desviados de suas funções em presídios do Estado, poderiam muito bem estar nas ruas dando maior segurança à sociedade sergipana.

quarta-feira, 30 de março de 2011

SENSAÇÃO DE INSEGURANÇA É MAIOR NA REGIÃO NORDESTE, APONTA ESTUDO.

O índice de percepção de insegurança entre os brasileiros é maior na Região Nordeste, aponta estudo divulgado hoje (30) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). De acordo com o Sistema de Indicadores de Percepção Social (Sips) sobre Segurança Pública, 85,8% dos entrevistados nordestinos disseram ter muito medo de serem assassinados.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2009, os estados do Nordeste registraram, juntos, a segunda maior média entre as taxas de homicídio doloso das regiões brasileiras (29,3 homicídios dolosos/100 mil habitantes), perdendo apenas para a Região Norte (29,5 homicídios dolosos/100 mil habitantes). Além disso, o Nordeste tem a menor média de gastos per capita com segurança pública – R$ 139,60 por habitante.

Depois dos nordestinos, os habitantes das regiões Norte e Sudeste são os que mais têm medo de assassinatos (78,4% em cada região), seguidos do Centro-Oeste (75%) e do Sul (69,5%).

O Sudeste, apesar de não apresentar um nível alto de sensação de segurança entre sua população, possui o menor índice de homicídio doloso do país: 21,77 homicídios por 100 mil habitantes. A região tem o maior gasto per capita na área de segurança pública - R$ 248,89 por habitante.

De acordo com o Ipea, Minas Gerais e São Paulo, os estados mais populosos, puxam a média da região para baixo, com 7,1 e 11 homicídios por 100 mil habitantes, respectivamente. É no Espírito Santo, estado com gasto per capita de R$ 200,67 em 2009, que se encontra a taxa mais alta, de 57,9 homicídios dolosos por 100 mil, menor apenas que a de Alagoas (63,3 por 100 mil).

Na Região Centro-Oeste, a sensação de segurança é relativamente alta e os gastos em segurança pública são superiores à média nacional de R$ 200,07 por habitante. No entanto, a taxa de homicídio doloso (25,4 por 100 mil habitantes) está igualmente acima da média de 22,4 por 100 mil. No Centro-Oeste, o gasto per capita com segurança pública é de R$ 225.

Segundo a pesquisa, os estados da Região Sul apresentam a menor incidência de insegurança.

Com relação aos gastos na área de segurança pública, a Região Sul apresenta patamares próximos aos do Nordeste, com um gasto de R$ 172,75 per capita, ou seja, é a segunda região onde, proporcionalmente, menos se gasta com segurança pública.

A pesquisa do Ipea ouviu 2.770 pessoas entre os dias 17 e 31 de maio de 2010. A margem de erro da amostra no nível nacional é de 1,86%, para cima ou para baixo, e de 5% para as regiões do país.

Fonte: Agência Brasil (Daniella Jinkings)

OS PROTAGONISTAS DA PEC 300.

Lendo em "Congresso Em Foco" um artigo do nobre deputado Alfredo Sirkis sobre a PEC 300 notei alguns detalhes descritos na nota que não fizeram parte da heróica trajetória da PEC 300. Achei interessante relatar os passos que foram dados pelos atores principais, policiais e bombeiros, que tornaram a proposta tema recorrente nas principais mídias do país . Tiraram leite de pedra. Por que nessa luta (que não foi eleitoral), o governo federal não foi protagonista. Pelo contrário, atrapalhou por deveras. Em primeiro plano, o governo nunca se mostrou afável à PEC 300.

Fazendo um “mini flashback”, relembro que em seu texto original, formulado pelo subtenente Clóvis Oliveira, da PM paulista e, apresentado na Câmara dos Deputados pelo deputado Arnaldo Faria de Sá, a proposta discorria sobre igualdade salarial. Ou seja, rezava o texto desenhado pelas mãos do suboficial da PMESP que todos os policiais e bombeiros militares deveriam ter a sua remuneração baseada nos proventos dos profissionais da PMDF, nunca sendo inferior.

Essa talvez tenha sido a primeira grande barreira à proposta que começou a tramitar em 4 de novembro de 2008 na Câmara dos Deputados. A proposta foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJC) no dia 7 de abril de 2009, sem alteração do seu texto, tendo como relator e grande defensor o deputado Mendonça Prado. A batalha travada pela internet junto aos profissionais da segurança pública, com essa vitória na CCJC, foi amplificada. As caixas de e-mail dos parlamentares ficaram abarrotadas com pedidos para que os deputados cobrassem do então Presidente da Câmara, deputado Michel Temer, o início dos trabalhos na Comissão Especial, que regimentalmente teria um prazo de 40 sessões ordinárias. Diante dessa pressão, Temer dá início aos trabalhos da Comissão Especial no dia 13 de maio. E nessa mesma data foram programadas as famosas marchas e audiências públicas denominadas “PEC 300 EU ACREDITO” em todos os estados. A primeira aconteceu em Campina Grande, Paraíba.

Com o compromisso do primeiro vice-presidente, deputado Paes de Lira e do relator da PEC 300, deputado Major Fábio, de que não haveria protelações, no dia 25 de novembro de 2009, encerrava-se o trabalho dos parlamentares imbuídos de subsidiar a PEC 300 quanto ao mérito. Permaneceu o texto original do relator na CCJC, deputado Mendonça Prado e acrescentou-se um valor nominal para o teto mínimo do soldado e do tenente. Mesmo com forte mobilização oriunda das marchas populares nos estados, o governo conseguiu adiar para o ano de 2010 a votação do texto aprovado na Comissão Especial da PEC 300.

O ano de 2010 começou movimentado haja vista que além da internet, os policiais se mobilizaram em caravanas e bateram às portas da Câmara com receio de que a PEC 300 fosse protelada “ad eternum”.
Finalmente, no dia 2 de março de 2010, diante de uma grande marcha de bombeiros e policiais de todo o Brasil, que culminou em uma paralisação por mais de 10 horas da principal via de acesso ao Distrito Federal, o Presidente da Câmara foi colocado na parede ante a ameaça de os profissionais da segurança pública de todo o Brasil permanecerem impedindo a circulação de veículos por tempo indeterminado. O receio maior era de que a visita no dia seguinte (3) da Secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, acontecesse sob forte onda de protestos dos bombeiros e policiais que ameaçaram acampar em frente ao Ministério das Relações Exteriores.

Não restou outra saída. Temer recebeu o aval do governo para que se votasse a PEC 300, diante da iminência de um possível conflito armado entre a PMDF e os manifestantes, justamente às vésperas da visita de Hillary. Na noite de terça (2 de março), 393 deputados aprovaram em primeiro turno a PEC 300 com as intervenções textuais que começaram a ser costumeiras do líder do governo à época, deputado Cândido Vaccarezza. A tão almejada igualdade salarial ia para o espaço, mas permaneciam os dois pisos nominais aprovados na Comissão Especial (R$ 3.500,00 e R$ 7.000,00), que seriam colocados nas disposições transitórias da Carta Magna após promulgada a emenda.

Desde a conclusão dos trabalhos na Comissão Especial que caravanas de policiais e bombeiros de todo o Brasil começaram a bater o ponto em Brasília, sempre às terças e quartas, dias de votação na Câmara. Num desses encontros, no dia 19 de maio de 2010, Temer foi pressionado a votar a conclusão da PEC 300 em primeiro turno na semana seguinte, pois até aquele momento, haviam quatro destaques, colocados estrategicamente pelo governo, por intermédio Do líder do PT, deputado Fernando Ferro, para inviabilizar por completo o piso dos bombeiros e policiais.

No dia 25 de maio a matéria entraria em pauta mas o governo entrou de sola, por ação de Vaccareza. No dia seguinte, diante das galerias lotadas, veio outra decepção, com Temer protelando mais uma vez. Durante a tarde de quarta (26), lideranças de policiais e bombeiros chegaram a se reunir com o líder do governo, deputado Vaccareza, que saiu pela tangente ao argumentar que o quorum estava baixo para se votar o piso em sessão extraordinária. Naquele encontro, o deputado protelador já ensaiava como iria ficar o desenho final da PEC 300: sem valor nominal e prazo de 180 dias para o governo apresentar em forma de Projeto de Lei o piso salarial.

Quatro meses depois, no dia 06 de julho de 2010, após a primeira votação da PEC 300, a proposta, totalmente alterada pelo governo, era aprovada mais uma vez, agora por 349 votos. O texto aprovado, com o DNA do governo, descreve piso salarial e fundo compensatório aos estados a ser estabelecido por lei complementar com prazo de apresentação de até 180 dias depois que a emenda for promulgada pelo Congresso Nacional.

Das movimentações legítimas que se seguiram para sensibilizar a classe política de se concluir a PEC 300 na Câmara, a mais vultosa aconteceu no dia 17 de agosto de 2010. Policiais, bombeiros e agentes penitenciários marcharam incansáveis até o DF, sob promessa, tanto do líder do governo, quanto do deputado Michel Temer de que a PEC 300 e a PEC 308 (Polícia Penal) seriam votadas no “esforço concentrado”. Uma em segundo turno e a outra em primeiro turno. Diante da pressão de muitos deputados que acusavam o líder do governo de usar a PEC 300 como mote para levar os parlamentares até a Câmara, em plena campanha eleitoral, e obrigá-los a votar medidas provisórias de interesse do governo, mais uma vez a matéria não foi votada. Orquestração do “rolo compressor”, deputado Vaccareza, sobre Temer, tudo a mando do Governo. Ao saberem que o Presidente da Câmara encerrara a Sessão no primeiro dia de “esforço concentrado” os trabalhadores da segurança pública alcançaram o Salão Verde da Câmara e pernoitaram ali, com o intuito de pressionar Temer a retomar os trabalhos no dia 18 (quarta). Temer e Vaccarezza, além de não cederem, acusaram justamente essa suposta invasão de ter sido a causadora do encerramento dos trabalhos, quando tal ocupação só aconteceu depois do encerramento da sessão.

Com o fim das eleições de 2010, Temer, vice-presidente da república eleito, começou a se eximir da sua condição de Presidente da Câmara e a fugir do compromisso assumido de concluir o 2º turno da PEC 300, ao mesmo tempo em que Vaccarezza e alguns ministros do governo, começaram a disseminar que, diante de um novo governo, PEC 300 deveria ser concluída em 2011, com o novo Congresso. Concomitantemente, a equipe de transição do governo Dilma, sob a batuta de Paulo Bernardo (ministro do Planejamento), Alexandre Padilha (ministro das Relações Institucionais) e do próprio deputado Cândido Vaccarezza, deu início a um discurso de terrorismo junto a alguns governadores, apregoando que a PEC 300 quebraria as finanças dos estados, quando, pela aplicação da PEC 300, aconteceria justamente o contrário.

Para os deputados que concluíam a 53ª legislatura, o líder do governo e determinados líderes ligados à base governista, setores ligados à oposição e alguns deputados do partido do líder Vaccarezza começaram, em bloco, a se dividir na tribuna da Câmara e a proferir discursos no sentido de que PEC 300, naquele ínterim, era inadequado, que o tema carecia de um debate mais profundo sobre segurança pública. Dessa forma, findou-se o ano de 2010 e as estratégias do governo deram certo. A votação em segundo turno não aconteceu. A protelação ensaiada inicialmente pelo líder Vaccarezza tinha dado resultado.

Para o arremate final, do pacote de maldades do governo e pelas mãos de Vaccarezza, saiu um golpe rasteiro. Ficou estabelecido, no apagar das luzes de 2010, que a proposta só entraria em pauta novamente após conclusão de uma nova comissão especial para se analisar PEC 300 “num contexto mais amplo de segurança pública”. Em outras palavras, o governo outra vez se utilizou de mais um instrumento protelatório (que não consta no Regimento Interno) para arriscar aposentar de vez a PEC da dignidade. Em nenhum momento o governo se mostrou interessado em PEC 300. Segurança pública não está entre as temáticas principais do governo. Pelo andar da carruagem tomara que não esteja entre as últimas.

Em referência ao artigo do deputado Sirkis, que, aliás, é mais um soldado em defesa da PEC 300, a proposta não é uma “abordagem meramente corporativa”. Há décadas e décadas que os nobres trabalhadores da segurança pública carregam a segurança nos ombros diante do pouco caso dos governos estaduais e federal. O que está sendo proposto é uma valorização dos garantidores da liberdade dos cidadãos brasileiros. Não se deseja nada a mais nem a menos.

Mais de dois trilhões de reais é quanto o governo administra por ano em orçamento e não quer dar a contrapartida necessária para o mecanismo chamado segurança pública começar a funcionar. Meio por cento dessa dinheirada é o valor da complementação salarial dos nossos heróis. Um pingo no oceano. O que será necessário fazer para que o governo deixe a protelação de lado e encare como um grande investimento a criação do piso salarial nacional dos bombeiros e policiais? Fica a pergunta no ar.

Fonte: blog do Capitão Assumção

RADIOPATRULHA PRENDE CASAL QUE COMANDAVA UM PONTO DE VENDA DE DROGAS NO EDUARDO GOMES.

Policias da Companhia de RádioPatrulha (CPRp) conseguiram prender na tarde desta quarta-feira, 30, duas pessoas acusadas de fomentar o tráfico de drogas, no loteamento Tieta, no Conjunto Eduardo Gomes, em São Cristóvão. Elas foram identificados como Priscila Ferreira dos Santos, 21 anos, e Nixon Adriano da Silva Santos, 20.

De acordo com comandante da RP, capitão George Melo, após uma denúncia anônima, os policias foram checar a veracidade da informação e ao chegar no local avistaram Nixon com uma bolsa contendo 177 papelotes de maconha. A informação é que o acusado estava indo à residência de Priscila, que mantinha um pequeno comércio de fachada, mas que na verdade era utilizado para venda e distribuição de drogas. Os policiais fizeram a interceptação dos acusados fazendo a prisão dos suspeitos.

Além da maconha, foram encontrados com Nixon e Priscila, uma quantia de R$ 669 em moedas e cédulas de pequeno valor. Nixon já cumpriu pena por tráfico de drogas e roubo; e Priscila já tinha envolvimento com o tráfico de entorpececentes, tendo em vista que o seu marido era tráficante e acabou sendo assassinado há cerca de 1 mês no conjunto Eduardo Gomes.

DEPUTADO QUER COLOCAR PUBLICIDADE EM FARDAS DA POLÍCIA NO RIO DE JANEIRO.

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro votará nesta quarta-feira (30) um projeto de lei que autoriza a veiculação de anúncios publicitários nos uniformes e fardas utilizadas pelas forças policiais do Estado. A proposição é do deputado estadual Wagner Montes (PDT-RJ) e, se aprovada, vai contemplar as polícias Civil, Militar, oficiais do Corpo de Bombeiros e agentes do Departamento do Sistema Penitenciário (Desipe). O servidor que utilizar a roupa patrocinada receberia meio salário mínimo (R$ 272,5) a mais.

"Diante da impossibilidade financeira do Estado em conceder melhoria salarial digna aos membros dos órgãos de segurança e da necessidade de que ela ocorra, apresento esta proposição que permitirá que empresas tenham sua logomarca aplicada nos uniformes/fardamento dos órgãos de segurança, e em contrapartida participarão com verba que irá diretamente para os servidores", argumenta o deputado no texto do projeto.

Montes explica que as empresas interessadas poderiam adotar uma ou mais unidades de cada órgão de segurança. Cada unidade policial teria um anunciante específico e o valor do patrocínio seria calculado da seguinte forma: meio salário mínimo regional multiplicado pelo número de servidores de um determinado batalhão ou delegacia. A verba complementaria o salário do servidor de forma integral e constaria nos respectivos contracheques.

De acordo com o projeto de lei, somente "empresas que em sua atividade fim coadunem com o bem-estar da sociedade fluminense" teriam direito a estampar suas marcas nos uniformes e fardas. Em caso de operações conjuntas, considerando a possibilidade de um patrocinador específico para cada unidade policial, ocorreria uma situação inusitada: a exibição de várias marcas.

A Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro ainda não se manifestou a respeito da proposta.

Fonte: UOL Notícias (Hanrrikson de Andrade)

3ª CIA / 5º BPCom APREENDE ARMA E RECUPERA VEÍCULO NA GRANDE ARACAJU.

Policiais da 3ª Companhia do 5º Batalhão de Polícia Comunitária (3ª Cia/ 5º BPCom) apreenderam uma espingarda de fabricação caseira em poder de Manoel Mangueira Santos na manhã da segunda-feira, 28, na Rua Médice II, Loteamento Santo Inácio, em Nossa Senhora do Socorro.

A polícia localizou a arma após denúncia ao Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (CIOSP). Segundo o informe, um homem efetuava disparos de espingarda em via pública. Militares foram ao local indicado, flagraram Manoel em posse da arma e o encaminharam a 7ª Delegacia Metropolitana.

Veículo recuperado

Na noite da segunda-feira, 28, policiais da 3ª Cia/ 5º BPCom recuperaram uma motocicleta CG Fan 125 KS, de cor preta e placa IAN 8066, na Rua Carlos Vasconcelos, Povoado Sobrado, em Nossa Senhora do Socorro. O fato ocorreu após informação do CIOSP, que alertava sobre o furto da moto e a direção que os infratores estavam tomando.

Os policiais empreenderam rondas até que os infratores foram avistados e, após perseguição, os suspeitos abandonaram o veículo roubado e fugiram por um matagal. A motocicleta foi recuperada na Rua Carlos Vasconcelos, Povoado Sobrado, também em Nossa Senhora do Socorro.

Depois que o fato foi registrado, o veículo foi entregue ao seu proprietário. As duas ocorrências foram atendidas pela equipe Gavião 03, composta pelos cabos De Santana e M. Silva e soldado Júnior.

GETAM PRENDE SUSPEITO DE TRÁFICO APÓS TROCA DE TIROS NO PORTO DANTAS.

No final da manhã da terça-feira, 29, policiais do Grupamento Especial Tático de Motocicletas (GETAM) trocaram tiros com dois homens que circulavam numa bicicleta no bairro Porto Dantas. Um dos suspeitos conseguiu fugir na bicicleta e o outro, identificado como Alberto Domingos dos Santos, o Roberinho, de 29 anos, acabou sendo preso sob a suspeita de tráfico.

A arma utilizada para efetuar os disparos foi jogada e a polícia não localizou. Com Alberto, os militares apreenderam duas facas e várias trouxinhas de maconha. Ele é fugitivo do Cadeião da cidade alagoana de Penedo e responde por assalto a mão armada, ameaça e tentativa de homicídio.

Boca de fumo estourada

Segundo informações da polícia, o GETAM estourou a boca de fumo utilizada por Roberinho na tarde da terça-feira, 29. O ponto estava localizado no bairro Japãozinho e no interior da casa foram encontradas 100 gramas de cocaína, 40 papelotes de maconha e dinheiro, que estavam sob a responsabilidade de Edivan Pereira Santos, 29 anos, que já respondeu por homicídio. Os dois infratores foram presos e conduzidos à delegacia.

terça-feira, 29 de março de 2011

A ABSMSE CONVIDA OS COMPANHEIROS MILITARES PARA A MISSA DE 7º DIA DA MORTE DO ALUNO CFS JOSE VICENTE MORAES.



A ABSMSE convida os companheiros militares para a missa de 7º dia de morte do nosso companheiro aluno CFS José Vicente Moraes, que será celebrada na próxima quarta-feira, dia 31, às 17 horas, na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Glória, no município que leva o mesmo nome.

Os familiares do aluno CFS Moraes, desde já agradecem a todos que comparecerem.

ATENÇÃO PROPRIETÁRIOS DE TERRENOS DO CONDOMÍNIO HÉLIO SILVA E TEN. CEL. DOS ANJOS PARA AVISO IMPORTANTE.

ATENÇÃO PROPRIETÁRIOS DE TERRENOS DO CONDOMINIO HÉLIO SILVA E TEN. CEL. DOS ANJOS, FAVOR PROCURAR O SETOR DE PATRIMÔNIO DA ASSOCIAÇÃO PARA PASSAR A ESCRITURA DO LOTE.

CONTATOS: SUB.TENENTE JOSEVAL :9991-7315.


OUTRO AVISO:

LOTEAMENTO SD. MORAIS

LOTES: 10,13, 15, 26

E LOTEAMENTO MARECHAL RONDON

LOTES: 07,18,19,20,21,34,35 E 37, PROCURAR O SETOR DE PATRIMÔNIO COM URGÊNCIA.

CONTATOS: JOSEVAL:9991-7315

CONSEB COBRA ATENÇÃO PARA POLÍCIA COMUNITÁRIA.

Conseb cobra atenção para Polícia Comunitária

Capitão Samuel: "Má administração dos recursos" (Foto: Alberto Dutra)

Representantes do Conselho de Segurança do Bairro América participaram da Tribuna Livre na Câmara de Vereadores e cobraram mais atenção por parte dos governantes

Representantes da Tribuna Livre da Câmara Municipal de Aracaju foi ocupada nesta segunda-feira, 28, por representantes do Conselho de Segurança do Bairro América (Conseb), Luiz Carlos da Silva e José Airton dos Santos. Os dois cobraram aos governantes mais atenção para Polícia Comunitária implantada no bairro há 15 anos, fazendo com que a criminalidade diminuísse no local.


O diretor de Comunicação do Conseb, José Airton dos Santos, cobrou o retorno do cartão-programa. “Trata-se de uma escala em que a viatura fica em um ponto da comunidade e após 15 minutos, sai para outro ponto, a exemplo de pontos comerciais, escolas, igreja. Todo mundo da comunidade fica conhecendo a viatura, os policiais. Só que não existe mais esse cartão e hoje a única viatura fica solta”, lamenta.



José Airton quer retorno do Cartão-programa (Fotos: Portal Infonet)

Ele lamentou ainda a grande rotatividade dos policiais. “A gente solicita às autoridades que não haja tanta rotatividade entre os policiais. Quando a comunidade fica conhecendo o policial, identifica-o nos locais, e depois mudam. Tem policial que nem conheço”, enfatiza Airton dos Santos, destacando ser necessária a presença de um policial 24h no posto de atendimento.

José Airton relembrou que após a implantação da Polícia Comunitária, o bairro América ficou 550 dias sem nenhum assassinato. “Antes o cenário era de violência, agora é diferente, pois o policiamento é voltado para ações preventivas e não de enfrentamento, a polícia faz um trabalho em conjunto com a sociedade na tentativa de combater a violência e evitar que os jovens adentrem no mundo da criminalidade”, ressalta.


Luis Carlos quer apoio dos vereadores
 

Condições


Para o presidente do Conseb, Luiz Carlos da Silva, os gestores precisam garantir condições de trabalho dignas aos policiais comunitários. “Viemos aqui pedir aos vereadores que se somem à nossa causa, para reivindicar no âmbito municipal, pois já tentamos solicitar uma audiência pública na Assembléia e não conseguimos”, destaca.


O deputado estadual Capitão Samuel (PSL) acompanhou os pronunciamentos dos representantes do Conseb e disse ser importante a união de todos os poderes na tentativa de rever a situação da Polícia Comunitária. “No Nordeste, Sergipe é o melhor em número de policiais, por outro lado é o que pior faz a distribuição. Investimentos públicos foram feitos, porém há má administração dos recursos", entende.

Fonte:  Infonet

EM CARTAZ NA ABSMSE:

ABSMSE ENTREGA OFÍCIO AO DEPUTADO CAPITÃO SAMUEL ONDE ENUMERA 10 ITENS IMPORTANTES PARA A CLASSE MILITAR.




PARIU MACONHA.

Chamado às pressas à Maternidade Santa Izabel, em Aracaju, para socorrer uma mulher com fortes dores, o médico Renato Alessandro tomou um baita susto ao examinar a paciente. Havia um volume estranho no interior da vagina e quando ele retirou percebeu se tratar de quase meio quilo de maconha. Assustado, o médico chamou a Rádio Patrulha para registrar a ocorrência. A mulher que pariu a droga, identificada apenas por Macia, permanece internada recuperando-se do “parto”.

Fonte: blog do jornalista Adiberto de Souza

RONDÔNIA: 1º BATALHÃO DA POLÍCIA MILITAR INICIA PARALISAÇÃO APÓS PRISÃO DE PM POR NÃO USO DE BOINA.

No início da manhã desta terça-feira (29) o 1° Batalhão da Polícia Militar do Estado de Rondônia (RO), iniciou a paralisação nas atividades de segurança pública em Porto Velho, pois segundo os PMs as humilhações são constantes por parte do superior.

Entretanto, o estopim veio após a prisão do PM Shilton no final da tarde da segunda-feira (28) dentro da Central de Polícia, pelo seu superior, identificado como, Capitão PM Everaldo. O motivo da prisão foi por causa que o PM Shilton, não usava a boina. “Polícia tem que prender é vagabundo”, disse um associado da ASSFAPOM.

Ainda há pouco duas viatura da Companhia de Operações Especiais da Polícia Militar foram até o 1º Batalhão da Polícia Militar, cujos praças e PMs estão paralisados desde o início da manhã desta terça-feira (29) em vista de um protesto pela prisão de um policial militar ocorrida ontem (28).

Policiais da COE deram uma volta até o portão do batalhão, conversaram com alguns manifestantes e depois estacionaram e estão de prontidão no local.

Os policiais paralisados estão nesse momento reunidos com o secretário de segurança pública do Estado, Marcelo Bessa, para conversar e chegar num acordo. Uma comissão feita policiais e esposas, membros da ASSFAPOM participam da reunião.

Com a chegada do secretário de segurança os portões do 1º Batalhão foram abertos e os serviços se normalizam.

Capitão PM esclarece prisão de policial militar e sofre ataque em sua residência

Segundo o capitão, quando ele voltava de uma diligência em uma viatura com outros policiais, passou em frente a Central de Polícia e deparou com o policial militar Shilton sentado em cima de uma moto, com as pernas cruzadas e sem estar utilizando a boina. Foi quando o advertiu que aquela não era uma postura de um policial militar que se encontrava em frente a uma instituição de polícia. Quando, segundo o capitão, o policial lhe disse: "A moto é minha e fico em cima dela do jeito que eu quiser".

O capitão então desceu da viatura e questionou sobre a titude do policial. Quando então foi desrespeitado na frente de seus subordinados. Nesse momento o policial disse ao seu superior que, se ele seria detido por causa de sua postura na moto e da falta da boina, ele, Capitão PM Everaldo, deveria receber o mesmo tratamento pois estava sem a tarja de identificação, obrigatória na farda.

ATAQUE

Logo depois por volta de 1h30 da manhã ele se retirou, indo para sua residência, localizada na rua Álvaro Maia, entre as ruas Getúlio Vargas e Salgado Filho, bairro São Cristovão, zona Centro-Norte. Depois de vinte minutos após ter entrado em sua casa, foi surpreendido por uma saraivada de disparos de arma de fogo contra o portão. Quando oito balas atingiram a parede e portão de sua residência. Ele não soube informar quem foram os responsáveis pelo ataque. Porém, ele suspeita que tenha algo a ver com a prisão do policial, mas nada foi comprovado.

Fonte: blog da Renata

DPM DE FREI PAULO APREENDE MOTO ROUBADA E PRENDE CONDUTOR.

O Destacamento Policial Militar de Frei Paulo prendeu Gilson dos Santos na manhã da segunda-feira, 28, na cidade de Frei Paulo, distante 74 quilômetros da capital. O homem foi detido após denúncia de que transitava numa motocicleta roubada.

O aluno do Curso de Formação de Cabos Valter estava de serviço na cidade de Frei Paulo, quando recebeu a denúncia de que um motociclista circulava pela localidade num veículo que havia sido roubado em Siriri. O policial localizou e buscou o proprietário da moto em Siriri e juntos foram ao encontro do suspeito, que foi flagrado em frente à própria residência em posse da moto citada na denúncia, uma Honda CG Titan, de cor vermelha, ano 2010, sem placa, que tinha sido roubada em 24 de novembro de 2010 em Siriri.

O suspeito foi identificado como Gilson dos Santos, que informou ter comprado a moto de um terceiro, desconhecendo que o veículo era roubado. Os envolvidos e a motocicleta foram encaminhados à Delegacia de Frei Paulo para as providências cabíveis. Na manhã desta terça-feira, 29, o proprietário da moto, Michel dos Santos, teve o seu veículo devolvido, após a assinatura do termo de entrega.

CPMC DESENCADEIA "OPERAÇÃO PRESENCIALIDADE" NA GRANDE ARACAJU.

O Comando do Policiamento Militar da Capital (CPMC), em cumprimento à diretriz operacional do comando geral da Polícia Militar do Estado de Sergipe, realizou ‘Operação Presencialidade’ na tarde dos dias 26 e 27 de março (sábado e domingo), envolvendo os Batalhões de área, 1º, 5º e 8º Batalhões de Polícia Comunitária, e subunidades especializadas, tais como Grupamento Especial Tático de Motocicletas (GETAM), Comando de Operações Especiais (COE), Companhia de Polícia de Radiopatrulha (CPRp) e Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran).

A operação foi desencadeada nos bairros com maior índice de registro de ocorrências, a exemplo do Bugio, Santos Dumont, Coroa do Meio, Santa Maria, Eduardo Gomes e Rosa Else. Nestas localidades, a Polícia Militar realizou intervenções de abordagens, buscas, bloqueios de trânsito e saturações de áreas, através das incursões de patrulhamento motorizado.

Como resultado da ‘Operação Presencialidade’, pode-se contabilizar a ação ostensiva da PM nas ruas, como estratégia de minorar o avanço da criminalidade na capital sergipana. Durante os trabalhos, as equipes do GETAM conseguiram realizar a apreensão de duas armas de fogo, 70 setenta pedras de crack e a condução de quatro suspeitos à Delegacia Plantonista. As equipes do BPTran confeccionaram 100 autos de infração de trânsito e recolheram 15 veículos que se encontravam em situação irregular.

Segundo o tenente coronel José Enilson Aragão, comandante do CPMC, “a operação deve ser continuada para que possamos garantir segurança à comunidade, através de ações impactantes de recobrimento nas unidades de área”.

GETAM RECUPERA MOTO ROUBADA EM ESTÂNCIA.

O Grupamento Especial Tático de Motos (GETAM) apreende uma motocicleta de placa IAJ 7443, marca Honda, modelo Pop e cor vermelha, na tarde da segunda-feira, 28, na cidade de Estância, distante 68 quilômetros da capital. A situação do veículo foi constatada mediante consulta ao chassi, a partir do qual se descobriu que a moto estava com a cor alterada, placa falsificada e possuía restrição de roubos e furtos. Diante do ocorrido, os policiais encaminharam o condutor e o veículo à Delegacia de Estância.

SUSPENSA LICENÇA ESPECIAL DE DIRETOR DO HPM.

Da Controladoria Geral do Estado: “Em face da notícia veiculada em seu conceituado Blog, no último dia 25/03, quanto ao gozo de licença especial por parte do Diretor-Geral do Hospital da Polícia Militar (HPM), a Controladoria-Geral do Estado adotou as providências cabíveis, junto ao HPM e ao Comando-Geral da PM/SE, para obter os devidos esclarecimentos. Em resposta ao Ofício n. 235/2011/CGE, o HPM informou pelo Ofício n. 080/2011 que já adotou providências perante o Comando da PM, em 04/03, para tornar sem efeito o ato de concessão da referida licença. Por sua vez, o Comando da PM através do Ofício n. 00399/2011/GCG esclareceu que tão-logo fora cientificado do fato em questão, determinou a revogação da publicação da licença concedida ao Diretor do HPM, que poderá ser usufruída em data posterior, conforme restou comprovado na documentação apresentada nesta Casa de Controle Interno, nesta data, cujo teor está à sua disposição”.

Fonte: blog do jornalista Cláudio Nunes

segunda-feira, 28 de março de 2011

APROVADA INDICAÇÃO DE PROJETO DE LEI APRESENTADA PELO DEPUTADO CAPITÃO SAMUIEL QUE ESTABELECE QUE A GRAE ACOMPANHE A ATUALIZAÇÃO DO REAJUSTE DO SOLDO.

Aprovada a indicação de Projeto de lei que estabelece que a GRAE - Gratificação por Atuação em Eventos, acompanhe a atualização do reajuste do soldo e foi encamhinhada ao Secretário de Estado da Segurança Pública, Sr. João Eloy e também para o Governador do Estado, Sr. Marcelo Déda Chagas.

Confiram a indicação abaixo:


Fonte:  Assessoria Parlamentar

CEL. PÉRICLES REASSUME SEU CARGO DE GESTOR DA ABSMSE.

O Cel. José Péricles Menezes de Oliveira reassumiu hoje, 28, o cargo de gestor da ABSMSE após afastar-se no dia 05 de janeiro do corrente ano, por motivo de foro íntimo.

A ABSMSE saúda o retorno do Cel. Péricles aos quadros da entidade, o que certamente engrandecerá ainda mais e reforçará o trabalho que vem sendo desenvolvido em prol da classe militar.

Confiram abaixo a publicação em BGO de hoje, comunicando o retorno:

= Continuação do Boletim Geral Ostensivo nº 053 de 28 de março de 2011 =
VGR / SSP/ MCAO/ AKSTS/ CCNS/VAC/JSMD - DIG 28/03/11 15:20
Prezados Senhores, Eu, José Péricles de Oliveira, gestor eleito da Associação beneficente dos Servidores Militares de Sergipe, eleito para o quadriênio de 2010/2013 afastado desde 05 de janeiro de 2010, por motivo de foro íntimo, venho através do presente comunicar-lhes o meu retorno ao cargo de Gestor da Associação Beneficente dos Servidores Militares de Sergipe – ABSMSE, a partir da presente data (28/03/2011). Cordialmente, José Péricles Menezes de Oliveira Gestor

VEREADOR MATOS COBRA INVESTIMENTOS NA POLÍCIA COMUNITÁRIA.

Ao fazer uso da palavra na manhã desta segunda-feira, 28/3, na Câmara Municipal de Aracaju (CMA), o vereador e 1º secretário Moritos Matos (PDT) destacou a importância da Polícia Comunitária em Aracaju. "Após a implantação da Polícia Comunitária, os resultados positivos são perceptíveis em vários bairros, inclusive no América", destacou.

Para o parlamentar, o governo do Estado não está dando a devida atenção à Polícia Comunitária, que conseguiu mudar o cenário de violência do bairro América, uma comunidade que por muito tempo, figurou como uma das mais violentas e sem lei da capital sergipana. "Com certeza, se houver investimentos na Polícia Comunitária, os índices de violência diminuirão ainda mais", afirmou. Matos acredita ainda que o governo do Estado deveria investir na polícia comunitrária, implantando as unidades em todos os bairros de Aracaju.

O pronunciamento do vereador foi motivado pela presença de representantes do Conselho de Segurança do Bairro América (Conseb) na CMA, onde estiveram para falar sobre os 15 anos de implantação da Polícia Comunitária na localidade.

Fonte:  CMA

"POLÍCIA NA RUA": SERÁ ESTA A ÚNICA SOLUÇÃO?

No Brasil, quando se fala na crescente violência que assola o territóro, uma das primeiras causas apontadas para o desenfreio é o quantitativo policial, logo os politicos, governos e a imprensa creditam como solução o aumento do efetivo policial. Talvez seja verdade, talvez não, ou talvez seja verdade em partes e/ou em termos. Segundo estudos recentes, o Brasil encontra-se na sexta posição mundial em relação às taxas de homicídio por 100 mil habitantes. Mortes provocadas majoritariamente por armas de fogo, e que atingem mormente a população jovem (15 a 25 anos) do sexo masculino (Mapa da Violência, 2011).

Em 2010, o Estado do Alagoas liderou o ranking do país em número de homicídios, com mais de 2.000 mortes violentas, algo em torno dos 70/71 pra cada 100 mil habitantes. O índice de homicídios em nossa São Salvador é de 61 por 100 mil habitantes – para a ONU, o aceitável é de 12 para cada grupo de 100 mil. Acima disso, a OMS classifica tal percentual como de violência-epidêmica… Quando noticiou-se sobre o descalabro de Alagoas, divulgou-se também que o Estado sofre com o déficit policial (tenho a impressão que todos os estados da federação devem sofrer com isso…). Doutra banda, o Estado de São Paulo, na mesma época, registrou sua menor taxa de homicídios, diga-se de passagem, a menor dos últimos tempos. Foram pouco mais de 4.300 assassinatos, ou seja, cerca de 10/11 homicídios por 100 mil pessoas. E neste diapasão, continuamos, é no Estado de São Paulo que está o maior contingente policial do país.

Por aí dizemos o óbvio, Alagoas possui bem menos policiais que São Paulo, logo, o índice de mortes em Alagoas, em detrimento ao de São Paulo, maior, óbvio! Mas não é bem por aí não… Um olhar clínico desfaz de pronto toda essa mística em torno do policiamento ostensivo; e o enfrentamento a partir dele como única forma de combate à criminalidade e na erradicação da violência. Foi o que fez o sempre perspicaz Luiz Flávio Gomes, que estudou a fundo essa máxima, e chegou à conclusão contrária, exatamente contrária: não é precisamente o número de policiais fardados que coíbe ou elimina (ajudando na prevenção) o crime.


Vejamos o porquê… De acordo com a ONU, o número recomendado de policiais (seja militar ou civil, isso não importa) é de 01 para cada 250 habitantes. Pelos dados oficiais coletados pelo jurista, Alagoas tem um efetivo de 8.066 policiais militares e 1.998 policiais civis, o que numa simples soma dá 10.054 agentes policiais. O Estado, segundo o censo de 2010, tem cerca de 3.120.922 habitantes. Então, pela fórmula da ONU, os cálculos geram a seguinte proporção: 01 policial para 310 habitantes.

Já no Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública 2010, o efetivo policial de São Paulo é de aproximadamente 86.837 policiais militares e 30.311 policiais civis, total de 117.148 agentes policiais. E os dados do censo de 2010 minutaram uma população de 39.924.091 habitantes em São Paulo, assim sendo, 01 policial para cada 340 habitantes. Por esses números, constata-se que São Paulo apresenta número menor de policiais por habitantes e ainda assim tem uma taxa bem menor de homicídios em relação a Alagoas.

Como se dá ou resolve isso? Simples! Não se combate a violência e a criminalidade apenas pela via mais barata, ou seja, não é só a polícia que resolve o problema, muito menos a atuação sozinha da polícia ostensiva. O trabalho é conjunto, não obstante a polícia militar na sua ostensividade tenha ainda a maior relevância no que concerne ao combate direto da violência, porém, os outros meandros da Segurança Pública precisam e devem ajudar, os governos devem disponibilizar, otimizar e contratar pessoal para as outras áreas desta pasta. É o caso do pessoal de investigação, na figura da polícia civil, que hoje, no Brasil, fazem o trabalho dos carcereiros, numa flagrante usurpação de função pública. Outra área importante é a dos setores de inteligência, que tem orçamentos parcos, pessoal diminuto e nenhuma transversalidade e empatia com os outros setores da área. E nem vou citar as condições das policias técnicas; onde talvez só o Estado de São Paulo tenha algo para realmente chamar de “técnico”.

Sem falar nas outras áreas envolvidas nessa trama “à brasileira”, como a agilidade nos processos e julgamentos da Justiça, que morosa contribui com a impunidade, as execuções das penas e a condignidade de seu cumprimento, entre outras.

E com nossas simplórias elucubrações aqui, nem ao menos citamos a letalidade que a polícia ainda utiliza em seus confrontos; como sempre digo, não é o caso de combater armas com rosas, num “dissonant ‘Guns n’ Roses’ tupiniquim”, não é nada disso, é a proporcionalidade, a real necessidade, pois do contrário estaremos banalizando a ultima ratio, como vem acontecendo com nosso Direito Penal, tão banalizado e deturpado pela sociedade leiga e pela mídia, sensacionalista, que emprega chavões, deturpa princípios e tenta retroceder nas garantias tão custosas d’outrora. A banalização do Penal/Criminal na ponta é uma ida sem volta, que invariavelmente se perde o controle, onde um agente passa a gerir todos os papéis estatais e que consequentemente irá errar, já que não fora preparado para todos os papéis. E sabemos exatamente quem e preferencialmente são os réus julgados nesses tribunais.

Toda essa mestra pesquisa do citado douto só trás a alegria de outrora ter batido nessa mesma tecla. Não é necessariamente e tão somente com policiais nas ruas que se combate o crime, não é só o crescimento do efetivo ostensivo nas ruas que inibe a criminalidade… É importante? É sim! Mas não pode ser a única solução, tanto os governos, a imprensa e as classes abastadas, devem observar que esse discurso falacioso irá decair. Falácias, respostas rápidas… E afins tem prazo de validade.

Como disse o mestre Luiz Flávio em seu programa televisivo semanal:

“Um dos mitos da segurança pública refere-se à máxima ‘para se ter mais segurança, é preciso ter mais policiais nas ruas’”.

Pois se assim fosse, Alagoas, que proporcionalmente possui mais policiais num território extensivamente, e ‘construidamente’ menor que São Paulo, deveria ter taxas bem menores, no mínimo proporcionais, e é exatamente o contrário, são bem maiores, o que denota a necessidade de políticas de segurança; políticas de segurança pública juntas com políticas públicas de saneamento urbano, políticas públicas ambientais, políticas públicas educacionais, políticas públicas de saúde, enfim… Políticas públicas humanitárias. Do contrário é enxugar gelo embaixo dum calor de 40°.

Por falar nisso, o verão foi embora… Ao menos no inverno mata-se menos, pelo menos era assim até outros dias…

Fonte: Abordagem Policial (Ewerton Monteiro)

MINAS GERAIS: POLICIAIS MILITARES SÃO PREPARADOS PARA A RESERVA.

Hora de parar

Essa afirmação pode trazer dúvidas ou temores para alguns. Como desligar-se de uma atividade após 20, 30 anos de dedicação? Foi pensando nessa questão que a Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG), por meio do Batalhão de Polícia de Guardas (BPGd), iniciou, nesta sexta-feira (25), o Programa de Preparação para a Reserva (PPR), em Belo Horizonte.

De acordo com a capitão PM Maria de Fátima Tavares, psicóloga e coordenadora do PPR, o programa procura despertar e estimular o militar para a necessidade de elaborar um projeto para esta nova etapa. “Toda mudança requer preparo. Quando os militares ingressam na carreira, eles são preparados. Da mesma forma, quando acontece a transferência para a reserva, eles devem ser instruídos para essa nova fase” destaca.

Durante a apresentação pessoal na abertura do evento, a maioria dos militares concordou que essa nova fase chegou de forma inesperada. “O tempo está passando muito rápido. Quando recebi o convite para o PPR me assustei”, afirma o sargento Nilton José Maria, adjunto da Diretoria Administrativa do Gabinete Militar do Governador.

Expectativas

Outro objetivo do programa, que acontece durante todo o ano, é facilitar que os futuros militares da reserva tenham acesso a informações relativas à família, lazer, saúde, finanças, entre outros. Nesse primeiro encontro, os participantes recebem explicações sobre o funcionamento e desenvolvimento do programa, além de responderem a um questionário sobre seus interesses e expectativas. É nessa fase também que os militares interessados formalizam a inscrição.

Durante todo o ano, policiais militares do BPGd, Gabinete Militar do Governador, Centro Integrado de Comunicações Operacionais (Cicop), Ajudância Geral e Diretorias de Saúde e Finanças serão preparados por aquele Batalhão para a convivência com a sociedade civil. Em todo o Estado, outros militares também participam do programa em diversas unidades da PMMG. A adesão ao PPR é voluntária.

Fonte: Jornal Varginha Hoje

5º BPCom RETIRA ADOLESCENTE DE PROSTÍBULO E PRENDE PROPRIETÁRIA NO MARCOS FREIRE I.

Militares do 5º Batalhão de Polícia Comunitária (5º BPCom) prendem proprietária de prostíbulo na Rua Coletora A, no Marcos Freire I, na noite da sexta-feira, 25. A mulher foi presa após denúncia do Conselho Tutelar, que informava sobre a presença de uma adolescente de 14 anos no estabelecimento.

Os policiais foram ao local indicado e constataram a presença da adolescente no prostíbulo. Diante do ocorrido, a dona do ponto informou que desconhecia o fato da menina ser menor, mesmo assim foi encaminhada à Delegacia Plantonista, juntamente com a mãe da jovem, que foi localizada no bairro Japãozinho, a própria menina e integrantes do Conselho Tutelar.

O caso será investigado pela delegacia, que deverá averiguar se a mãe e a proprietária do estabelecimento eram coniventes com o crime. A ocorrência foi atendida pela guarnição comandada pelo subtenente Almir Santos.

Vias de Fato

Na noite do domingo, 27, policiais da 2ª Companhia do 5º Batalhão de Polícia Militar (2ª Cia/ 5º BPCom) prenderam duas pessoas envolvidas numa briga na Rua 42, no conjunto João Alves. Os homens são parentes e foram conduzidos à Delegacia Plantonista pela equipe comandada pelo Aluno do Curso de Formação de Cabos Paulo Ricardo.

Ressaca do Carnaval

Ainda no domingo, 27, a 3ª Cia/ 5º BPCom, em parceria com a Companhia de Polícia de Radiopatrulha (CPRp), realizou a segurança da ressaca do Carnaval no conjunto Jardim, em Nossa Senhora do Socorro. Durante o evento, foram registradas apenas ocorrências de vias de fato, que foram resolvidas ainda na festa, sem a necessidade de encaminhamento à delegacia.

RADIOPATRULHA FLAGRA MÃE DE DETENTO APÓS CIRURGIA DE RETIRADA DE DROGA DA REGIÃO ÍNTIMA.

A guarnição do Leão 24, da Companhia de Polícia de Radiopatrulha (CPRp), ao fazer rondas pelo conjunto Maria do Carmo, bairro Rosa Elze, encontrou uma motocicleta Honda CG abandonada num matagal na tarde da sexta-feira, 25. Após consulta através da placa, constatou-se que o veículo tinha restrições de roubos e conduziu-se a moto foi conduzida até a delegacia de roubos e furtos de veículos.

Na tarde do sábado, 27, a guarnição Leão 17 foi acionada pelo Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (CIOSP) para atender a um chamado na maternidade Santa Isabel. No local, foi informada pelo médico Renato Alessandro que uma senhora de nome Márcia chegara à unidade de saúde com fortes dores abdominais e, após procedimento cirúrgico, foi encontrado no interior da vagina da paciente um pacote com maconha.

As pessoas que haviam conduzido a mulher à maternidade já não estavam no local, mas, antes de saírem, informaram que Márcia era mãe de um presidiário e tentara adentrar o presídio com a droga. Diante do ocorrido, os policiais preencheram um Relatório de Ocorrências Policiais (ROP) e encaminharam o documento à Delegacia Plantonista, que deverá averiguar o caso após a saída de Márcia da maternidade, onde a suspeita encontra-se operada.

Já na madrugada desta segunda-feira, 28, a Radiopatrulha apreendeu três homens em posse de cocaína na orla de Atalaia. O caso foi encaminhado à Delegacia Plantonista.

POLÍCIA COMUNITÁRIA SERÁ DEBATIDA NA CÂMARA.

Nesta segunda-feira, 28, a Tribuna Livre da Câmara será ocupada por representantes do Conselho de Segurança dos bairros Novo Paraíso e América

Nesta segunda-feira, 28, a Tribuna Livre da Câmara Municipal de Aracaju (CMA) será ocupada por representantes do Conselho de Segurança do Novo Paraíso e Bairro América (Coneb). Na oportunidade, serão celebrados os 15 anos da Polícia Comunitária.

O evento contará com a presença do presidente do Coneb, Luiz Carlos da Silva, e também do diretor de Comunicação a entidade, José Airton dos Santos.

Realizada pela CMA às segundas-feiras, a Tribuna Livre é o espaço aberto na Casa Legislativa para categorias profissionais e sociedade expressarem as suas reivindicações, agradecimentos ou para celebrarem um dia especial.

Os interessados em participar a Tribuna Livre devem fazer um ofício à CMA e entregar no Gabinete da presidência, onde a solicitação será analisada e deferida pela mesa diretora e o presidente da Casa Legislativa, Emmanuel Nascimento (PT).

Fonte: Ascom CMAju

sábado, 26 de março de 2011

MOTO ROUBADA É RECUPERADA POR POLICIAIS MILITARES EM JAPARATUBA.

Durante abordagem em Japaratuba polícia recupera moto roubada em Aracaju

Neste sábado, 26, a equipe da Polícia Militar formada pelo sargento Ailton e o cabo Soares, realizava rondas nas imediações do Povoado Porteiras, quando resolveram abordar um veiculo. No entanto, para a surpresa dos policiais o condutor da motocicleta POP 100 de placas IAF 1343, abandonou o veículo e fugiu para um canavial.

Ao realizar o levantamento da placa, os policiais constataram que se tratava de uma moto roubada no dia 28 de janeiro, no Conjunto Santa Lúcia, em Aracaju, de propriedade de José Ranyere Jacinto. A moto está na Delegacia de Japaratuba à disposição do dono.

Fonte: Emsergipe.com

POLICIAIS MILITARES PRENDEM HOMEM COM CRACK EM SANTO AMARO.

A prisão em flagrante de Ananias Nascimento Neto foi motivada por denúncia anônima

Nesta sexta-feira, 25, militares da 3ª Companhia do 2º Batalhão de Polícia Militar (3ª Cia/ 2º BPM) prenderam em flagrante Ananias Nascimento Neto, conhecido como “Dodô”. O suspeito estava em posse de sete pedras de crack em Santo Amaro. A prisão foi motivada por denúncia anônima feita ainda durante a manhã, que informava sobre uma pessoa que estaria vendendo drogas no bairro Esperança, município de Santo Amaro.

Após a averiguação dos dados, os policiais militares abordaram Ananias, que confessou o crime e apontou Jonathan, dono de conhecida lan house, como proprietário da droga. As infotrmações levaram a guarnição a interceptar o citado proprietário, que foi flagrado portando seis munições de calibre 762, armamento de uso exclusivo do exército.

Após a prisão, Jonathan informou que comprou a droga de um homem conhecido como Zé Rato, residente no município de Maruim, que costumava passar a droga a Dodô. Ainda de acordo com as declarações de Jonathan, além de Dodô, existem em Santo Amaro outras pessoas trabalhando para Zé. Jonathan informou ainda que havia pegado 27 pedras de crack com Zé Rato, das quais 20 seriam dele e sete de Dodô, a título de “comissão” pela venda.

O êxito da guarnição da 3ª Cia/2º BPM, de Santo Amaro, deveu-se principalmente à participação popular, através da denúncia anônima. “Cumprimos o nosso papel, tiramos dois traficantes das ruas e isso nos deixa feliz”, finalizou o cabo Claudomiro, um dos integrantes da guarnição.

Fonte:  Infonet

sexta-feira, 25 de março de 2011

A ABSMSE LAMENTA O FALECIMENTO DO CB. JOSÉ VICENTE MORAIS.

A ABSMSE comunica aos companheiros militares o falecimento do Cb. José Vicente Morais, vítima de acidente automobilístico ocorrido no final da tarde de hoje na rodovia que liga os municípios de Nossa Senhora das Dores e Nossa Senhora da Glória.

O Cb. Morais trabalhou durante muito tempo na Companhia de Nossa Senhora da Glória e atualmente trabalha em uma das unidades da Capital sergipana.

Lamentamos a morte de mais um companheiro de farda, pedindo ao Bom Deus que possa confortar seus familiares e amigos neste momento difícil de perda.

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA PÓS-GRADUAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM SEGURANÇA PÚBLICA.

A Faculdade Atlântico está com inscrições abertas para a Pós-Graduação de Políticas Públicas em Segurança Pública. O curso tem início no sábado, 2 de abril, será ministrado um final de semana por mês, aos sábados e domingos, com duração de um ano e quatro meses e carga horária de 360 horas/aula.

O interessado em participar do curso deve procurar a Faculdade Atlântico, munido de cópias autenticadas do diploma e histórico da graduação e cópias do RG, CPF, título de eleitor, além do comprovante de residência, duas fotos 3x4 e carteira reservista para os homens, sem a necessidade de pagamento de matrícula.

As mensalidades têm valor de R$ 200. Mais informações podem ser obtidas pelos telefones 2104-7371 ou 3243-5835, e ainda através do site www.faculdadeatlantico.com.br.

"SEM INTEGRAÇÃO, CRIMINALIDADE NÃO SERÁ RESOLVIDA".

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, sentenciou: sem integração entre polícias, poderes e entes federados a criminalidade no país não será resolvida. Segundo o ministro, são necessárias ações tanto repreensivas quanto preventivas e "o Estado brasileiro precisa enfrentar pra valer o tráfico e parar de fazer pactos tácitos com o crime organizado". Cardozo participou, nesta quinta-feira (24/3), do "I Seminário sobre Segurança Pública: uma visão de futuro", na Faap, em São Paulo, onde listou as principais causas da criminalidade: exclusão e desigualdade social, sentimento de impunidade, cultura da violência, consumo de drogas (lícitas e ilícitas) e inadequação dos sistemas penal e penitenciário.

Quanto à integração, Cardozo disse que o Brasil deve acabar com "essa mania de que segurança pública se resolve com heróis", porque, para ele, na verdade, ela se resolve com "homens e mulheres com maturidade de conviver e agir de forma integrada". Para a solução de um problema com tantas causas, ele propõe que, primeiramente, as dogmatização e o passionalismo das opiniões sejam deixados de lado, porque é preciso estar aberto para ouvir.

O ministro ressaltou que a falta de informação é um sério entrave a políticas nacionais eficazes de segurança pública, porque impede que sejam desenvolvidas ações para a distribuição de verbas focadas nas regiões de maior necessidade. Citou que o próprio Mapa da Violência do Ministério da Justiça é baseado em dados de 2008, que são da área da saúde. “Para ter gestão precisamos de informação.”

Sobre as medidas práticas já feitas pelo Ministério no sentido de integrar os entes, poderes e polícias, o ministro explicou que já percorreu a maior parte dos estados e que “estamos no primeiro passo de entendimento cujo objetivo é chega num verdadeiro pacto nacional de combate a violência”. Especificou que no Paraná têm pensando na criação de um gabinete integrado de fronteiras, e que os governos têm sido muito receptivos.

Causas da violência

Durante a palestra, José Eduardo Cardozo fez uma crítica à sociedade de consumo em que vivemos, que ensina “a imaginar que ser é ter” e, com isso, faz com quem não tem o que gostaria de ter se sinta frustrado e parta para a criminalidade. “Em uma sociedade em que são negados direitos e pessoas são excluídas, a reação violenta e criminosa prospera com facilidade.”

O ministro da Justiça também falou sobre uma cultura da violência que existe no país. “Vivemos momentos em que ela é difundida entre nós de tal forma que o ato de violência se banaliza”, disse e defendeu novas discussões sobre o desarmamento. Ao comentar sobre o consumo de drogas lícitas ou ilícitas, considerou ser o álcool “sem sombra de dúvidas” um dos grandes fatores da violência e o crack, que é de fácil produção, tem baixo custo e grande dimensão de comprometimento da saúde. Os efeitos desse consumo para a segurança pública, de acordo com o ministro, tem relação com o crime organizado, “que por si só gera violência”, e também com os usuários, que “praticam atos ilícitos na perspectiva de atender a seu uso”.

Sobre o crime, disse que o Estado deve parar de fazer um “pacto tácito” com o crime organizado no sentido de que deve reconhecer sua existência e deixar de fingir que ele não existe. “Muitas vezes, quando nós temos um problema, fechamos os olhos e sonhamos que as coisas não são como são. Isso obviamente não muda em nada a realidade. É preciso olhar a realidade como ela é e enfrentá-la.”

Para esse combate, esclareceu que os órgãos que cuidam da atividade fazendária também devem participar dele porque é onde se “estrangula o crime”. Da mesma forma, países vizinhos também o devem fazer, não como inimigos, mas como companheiros, já que as cidades que fazem fronteira com o Brasil são envolvidas no crime por falta de opção econômica e “temos que discutir com esses governos políticas sociais”.

Outra causa da criminalidade considerada pelo ministro foi a inadequação do sistema penal e penitenciário. Cardozo disse que “temos escolas de criminosos” e que a reinserção social não é uma característica do nosso sistema penitenciário.

Com relação ao sentimento social de impunidade, o ministro explicou que ele pode ser causado tanto pela ausência de leis quanto pela morosidade no cumprimento de decisões e sanções. Para exemplificar essa tese, citou o estado do Alagoas, o qual visitou recentemente, e em que existe o maior índice de homicídio e seis mil inquéritos de homicídio parado há muitos anos. O Ministério da Justiça enviou 30 delegados federais para enfrentá-los. E sobre a morosidade do Judiciário, deixou claro que ela não é causada pelos juízes, mas é uma característica do próprio sistema.

A ConJur perguntou ao ministro se a aprovação da PEC dos Recursos, apresentada pelo ministro Cezar Peluso, seria uma forma de tentar reduzir a sensação de impunidade no país, Cardozo classificou a relação como polêmica e disse que “o propósito do presidente do STF está de acordo com que desejamos: uma prestação jurisdicional mais rápida”. A Proposta de Emenda à Constituição pretende permitir que as ações sejam finalizadas já em segunda instância. Cezar Peluso vai participar deste encontro na Faap nesta sexta-feira (25/3), das 9h às 10h.

Integrar é a solução

Considerando todas essas causas, disse que elas são essenciais e se comunicam, criando um contexto difícil de enfrentamento que só pode ser enfrentado com a integração dos entes federativos, poderes, e polícias. O ministro declarou que, embora a Constituição Federal determine que a competência sobre segurança pública é dos Estados membros, “a política de segurança pública passa por políticas repressivas e preventivas que acabam caindo na competência das três entidades da federação. Nós não podemos mais jogar a bola pra outro e tentar nos livrar do problema, ou seja, União, estados e municípios têm o dever constitucional de atuar na área de segurança pública em sentido amplo, no sentido estrito, claro, o aparato policial é o Estado”.

Para Cardozo, “é patético e absurdo afirmar que políticas de segurança pública podem ser eficazes sem integração entre os entes”. Nesse sentido, admitiu que isso não é simples, já que temos uma estrutura federalista complexa no qual disputas políticas prejudicam atuações em conjunto. Para isso, defende que a pobreza de espírito público, em que “se deseja a desgraça de quem governar para se ter sucesso” deve ser combatida com rigor, já que é contrária à ideia de República.

Para fundamentar sua tese de que, além da integração entre os entes federativos, e as polícias, o único meio de resolver o problema da violência é a integração entre os três poderes, o ministro citou o estado de Pernambuco, em que isso foi aplicado no “pacto pela vida” e a taxa de homicídios caiu mais do que na época da política de “tolerância zero” em Nova York.

Cardozo também falou sobre o papel de quem atua no Judiciário: juízes, promotores, delegados. Para ele, é inaceitável que discutam privilégios funcionais em detrimento de suas funções maiores.

O ministro finalizou sua fala dizendo que vivemos um momento em que a economia e a autoestima dos brasileiros vão bem, mas que a segurança pública precisa ser melhorada, e que “ou enfrentamos o problema abrindo mão de disputa com dogmas, ou não seremos capazes de mostrar a nossos descendentes que estamos à altura do desafio que a história nos impõe”.

Fonte: Consultor Jurídico (Gabriela Rocha)

BPTran E MINISTÉRIO PÚBLICO DE DISCUTEM AMPLIAÇÃO DE BLITZ DE TRANSITO EM ITABAIANINHA/SE.

Na manhã da última quarta-feira, 23, autoridades de diversas áreas reuniram-se no Fórum do Município de Itabaianinha visando discutir a segurança do trânsito na cidade. Participaram da reunião o Subcomandante do BPTran, Maj. Neto, o Comandante da CPRv, Walcyr Mendonça, o Subcomandante da CPTran, Ten. Aguiar, a Dra. Gisele Martins, Delegada da Cidade, e o Sr. Fabiano Costa, Superintendente da SMTT de Itabaianhina.

Na reunião, foi explanada a situação do município, onde há flagrantes atos de desrespeito às normas estabelecidas no Código de Trânsito Brasileiro, tais como não uso de capacete, menores conduzindo veículos, etc. O que vêm gerando riscos a todos que se utilizam das vias da cidade.

Ao fim da reunião, dentre os acordos firmados, ficou estabelecido que as unidades presentes executarão futuras operações em conjunto visando não somente o combate às infrações, mas também ao cometimento de crimes de trânsito.

BAHIA TEVE 83 PMs ASSASSINADOS DESDE 2008.

Com as mortes do sargento reformado Arginoel José da Silva Junior, 35 anos, e a soldado Sara Reis dos Santos, 31 anos,alvejados com mais de30 tiros na noite da última quarta-feira, 23, chegou a 83 o números de policiais militares assassinados na Bahia desde o ano de 2008, segundo os dados oficiais. Tentativas de assaltos, emboscadas, mortos em serviço, no momento da folga, por envolvimento com a criminalidade ou apenas por integrar a corporação, são alguns dos motivos dos homicídios. Somente nos três primeiros meses deste ano, cinco PMs morreram vítimas de disparo de arma de fogo.

Arginoel e Sara foram mortos dentro do carro em um lava jato, próximo ao Estádio Manoel Barradas, o Barradão, depois de serem perseguidos por homens armados que estavam em dois veículos, de acordo com testemunhas. Segundo as primeiras investigações, o sargento reformado era o alvo dos bandidos e morreu no local, enquanto a soldado chegou a ser levada para um hospital, mas também não resistiu.

Dentro do carro, foi encontrado, sem ferimentos, um garoto de nove anos, provavelmente filho dos policiais. Em nota oficial, a Polícia Militar informou que o sargento já havia sido preso em flagrante em julho de 2008, por tráfico de drogas, e respondia a processo na 4ª Vara da Justiça Criminal por tráfico, e na 1ª Vara do Tribunal de Júri por crime contra a vida.

Também esta semana, na terça, 22, o soldado João dos Santos Rodrigues, 44 anos, foi morto durante uma tentativa de assalto no bairro da Liberdade (área de baixa renda, a mais populosa de Salvador). O policial estava dentro de um carro Prisma de cor preta, quando foi surpreendido pelos ladrões.

Na segunda, 21, o soldado PM Edvaldo Santos de Jesus, 45 anos, escapou por milagre da morte, ao ser atingido por uma bala no olho esquerdo, quando participava de uma operação de combate ao tráfico de drogas no bairro de Nordeste de Amaralina (localidade com os mais altos índices de violência da capital baiana). O tiro foi deflagrado do alto, provavelmente do segundo pavimento de uma das casas da região.

Medo - A média de dois PMs assassinados/mês, reflete o riscoenfrentado pelos servidores públicos todos os dias nas ruas da Bahia. Para um soldado da PM na ativa, que prefere não revelar o nome temendo represálias, as ações vem se tornando cada vez mais perigosas ao longo dos anos. “Nos arriscamos nas ruas, somos vítimas e ainda somos tratados como marginais pela Justiça. Já fui baleado numa operação e ainda respondo por reagir e matar aquele quem me atingiu no abdomen”, desabafou.

O tenente-coronel, André Baqueiro, coordenador do Serviço de Comunicação da PM, afirmou que algumas ações já foram adotadas para aumentar a segurança de militares. “Os módulos policiais estão sendo desativados. Não somente por causa da fragilidade da segurança no interior dos módulos, mas também porque oferecem um serviço menos eficaz que viaturas em ronda”, explicou o tenente-coronel.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), problemas psicológicos, decorrentes do risco da atividade, são a segunda causa de afastamento dos policiais militares no Brasil. O major Anildo Rocha Baptista, coordenador do Serviço de Valorização Profissional (Sevep), diz que o comando está atento ao problema.

“O núcleo de psicologia da PM foi reforçado e em abril deve iniciar um debate para discutir a origem do transtorno entre os baianos”, alertou. O major acrescentou que, em 2009, 46 policiais morreram fora e em serviço, vítimas de mortes violentas e por doenças.

“Deles, nove foram beneficiados com o seguro”, afirmou. O seguro para policiais que vitimados em serviço é de R$ 30 mil. “As famílias ainda tem direito, além da pensão do INSS, uma pensão especial (no valor da pensão do INSS)”, explicou. O policial ainda é promovido pós-morte e os filhos ainda tem direito a vaga no Colégio da PM e a quitação da casa própria pelo Estado.

Para o coordenador do Associação dos Praças e Policiais Militares do Estado da Bahia, o sargento Agnaldo Pinto, falhas no sistema de penalização dos criminosos vem contribuindo para a violência contra policiais. “Os marginais ganharam corpo, acham que podem fazer tudo porque a Justiça parece só penalizar os militares. Não existe direitos humanos para policiais só para bandidos”, lamentou.

De acordo com o coordenador, o número de policiais feridos em ação desde de 2008 pode ser maior do que o dobro do total de mortos. “Não temos isso contabilizado mas muitos de nós estão em cadeiras de rodas, cegos e aleijados em cumprimento do dever legal”, disparou.

Com informações do ATarde online.