segunda-feira, 4 de abril de 2011

BOMBEIRO É PRESO EM ALAGOAS APÓS RECLAMAR DA FALTA DE ESTRUTURA.

Secretaria de Defesa Social determinou prisão administrativa de três dias.
Major fez desabafo após caminhão ficar sem água durante fogo em pavilhão.

O major do Corpo de Bombeiros Militar Carlos Burity foi preso neste domingo (3) em Maceió por determinação da Secretaria de Estado da Defesa Social. O bombeiro reclamou da falta de estrutura durante o combate ao incêndio que atingiu no sábado (2) o Pavilhão do Artesanato, na praia de Pajuçara.

O bombeiro está recolhido no quartel do Comando Geral do Corpo de Bombeiros. A prisão administrativa está prevista para o período de três dias.

No sábado (2), enquanto o Corpo de Bombeiros trabalhava para controlar o fogo que atingiu o Pavilhão do Artesanato, acabou a água do caminhão tanque e foi necessário esperar vários minutos, enquanto as chamas se alastravam, até que caminhões-pipa chegassem ao local.

Após controlar o incêndio, Buriti fez um desabafo e disse que a corporação precisa de investimentos. "Há 16 anos não tenho condições de trabalho. O capacete é meu", disse. (Veja vídeo ao lado)

Segundo a assessoria da Defesa Social, o secretário Dário César orientou o recolhimento do oficial em caráter de prisão disciplinar por "descumprir regulamento interno" ao colocar assuntos da corporação em público, sem autorização.

Por meio do Twitter, o secretário postou uma mensagem neste domingo (3) defendendo a hieraquia militar: "As org militares são fundadas na hierarquia e disciplina através dos séculos. Qualquer tentativa de sua inobservância tem q ser reprimida!”, disse ele em seu microblog na internet.

Depois de receber a voz da prisão, foi o próprio oficial quem resolveu 'noticiar', também no Twitter, a sua prisão. "Decência, personalidade, capacidade! Repressão é termo usado na ditadura! Cumpro determinação e me encontro preso junto com meu filho no QCG", postou.

Na noite deste domingo, Burity continuava a postar mensagens no microblog, dizendo ter recebido diversas mensagens de apoio, inclusive de autoridades da PM. “Tá tudo sob controle! Tô bem! Fiquem tranquilos!”, escreveu.
Além da prisão administrativa, o bombeiro deverá responder a uma sindicância.

A prisão causou desconforto no Corpo de Bombeiros. “Nós só estamos obedecendo ordens”, disse o capitão Gilmar Seara, coordenador de operações. Segundo ele, muitos colegas do major questionaram a decisão.

Fonte: G1

Nota: É lamentável esse militarismo. Um bombeiro militar punido por querer condições de trabalho para prestar um serviço decente à população. Nós da ABSMSE nos solidarizamos com o Major Carlos Burity do Corpo de Bombeiros Militar de Alagoas por esta prisão abusiva. Será que vivemos ainda na época da ditadura?

Nenhum comentário: