sexta-feira, 29 de abril de 2011

EX-ADVOGADO DA ABSMSE MÁRLIO DAMASCENO, DIVULGA CARTA ABERTA AOS ASSOCIADOS.

Os gestores da Associação Beneficente dos Servidores Militares do Estado de Sergipe (ABSMSE), coronel Péricles e cabo Palmeiras, resolveram fazer diversos cortes nos gastos da Associação. Para isso, os gestores entenderam que seria necessário demitir dois advogados, sendo um da área Civil e outro da área Criminal.

O primeiro advogado a ser demitido, foi João Bosco, que até então era o Coordenador dos Advogados da Área Cível, na Caixa. Um fato chama a atenção dos militares, já que o Dr. João Bosco era o advogado da área cível da ABSMSE que mais tinha processos sob seu patrocínio, dai não se entender o motivo da saída.

Já no dia 26, Péricles e Palmeira decidiram que o outro advogado e também coordenador dos advogados da área criminal da ABSMSE, Dr. Márlio Damasceno, seria demitido da entidade, e assim o fizeram.

Mesmo sem a presença do terceiro gestor, o sargento Jorge Vieira, a decisão foi tomada.

A demissão de Marlio Damasceno foi feita via telefone e posteriormente através de ofício, já tendo ele (Marlio), substabelecido todos os processos dos associados da ABSMSE que estavam sob o seu patrocínio.

Advogado da ABSMSE, Márlio Damasceno divulga carta aberta aos associados:

CARTA ABERTA AOS ASSOCIADOS DA ABSMSE

Caro amigos, venho por meio desta comunicar alguns fatos que culminaram com minha saída do quadro de advogado da ABSMSE, onde exercia também o cargo de coordenador dos advogados da área criminal.

Inicialmente a assessoria jurídica criminal era composta de 05 (cinco) advogados, quando no início do ano, por decisão do Cel. Péricles, o Dr. Clay Anderson foi demitido, apesar da não concordância deste advogado, face a quantidade de processos criminais serem grandes.

Após a saída do Dr. Clay Anderson, foi solicitado pela minha pessoa a contratação de outro profissional para ocupar o lugar, porém, fui informado pelo Cel. Péricles de que não seria contratado outro advogado para o lugar, por contenção de gastos, o que não foi concordado pelo gestor Sgt. Vieira e por mim, tendo os processos do Dr. Clay Anderson sido distribuídos aos 04 (quatro) advogados restantes e apesar de na campanha para a eleição do conselho gestor ter sido uma das bandeiras de campanha, que o associado teria advogados cíveis e criminais de plantão de segunda a sexta. Porém com a saída do Dr. Clay Anderson, os plantões dos advogados criminais passaram a ser somente de segunda a quinta.

Posteriormente o Cel. Péricles sinalizou com a possibilidade de demitir mais um advogado da área criminal e de pronto disse que não aceitava tal fato, visto que, muitas vezes, face a quantidade de audiência, tínhamos que contar com o apoio da Drª. Elizabeth Maia, da área cível, para dar conta das audiências marcadas.

Há cerca de 10 a 15 dias atrás, em uma sexta-feira, foi marcada uma reunião pelo Cel. Péricles com os advogados da ABSMSE, que inicialmente seria realizada no Colégio Militar, a qual foi transferida posteriormente para dentro do QCG, mais precisamente na ajudância.

Durante esta reunião, o Cel. Péricles relatou sua trajetória de vida e passando algumas diretrizes e alguns pontos de vista, além de falar que iria fazer uma contenção de despesas e provavelmente haveriam demissões na entidade. De imediato indaguei ao Cel. Péricles se haveriam cortes no setor jurídico, tendo este relatado que a intenção era ficar com 03 (três) advogados na área criminal e 03 (três) advogados na área cível e que estava vendo a possibilidade dos plantões serem somente de terça a quinta, ou seja, apenas três dias na semana.

Então relatei que não tinha condição da assessoria jurídica criminal prestar um bom serviço ao associado somente com 03 (três) advogados para cobrir todo o Estado e ainda mais os processos da Justiça Militar e cheguei a dizer que se ficassem somente 03 (três) advogados não teria como ser prestado um serviço adequado aos associados da entidade, pois não me prestaria para fazer uma “meia sola”, oportunidade em que o Capitão Ildomário, que se fazia presente na reunião, deu seu testemunho de como já era complicado atender aos associados somente com 04 (quatro) advogados, até porque tinha passado um tempo como juiz militar e comprovou a gama de processos que estavam sendo patrocinados pelos advogados da ABSMSE.

Para a nossa surpresa, no dia 26 do corrente mês e ano, quando estava na defesa de associados perante a Justiça Militar, fui informado por telefone de que estava demitido do quadro de advogado da ABSMSE, sob a alegação de contenção de gastos, decisão esta tomada pelos gestores Cel. Péricles e Cb. Palmeira, tendo somente recebido o ofício posteriormente assinado pelos dois gestores, sem a concordância do Sgt. Vieira e do Sgt. Edgard. Não lamento pela minha demissão, mas lamento saber que para a ABSMSE advogados para os associados são considerados gastos que precisam ser cortados.

Por fim, só tenho a agradecer primeiramente a Deus, depois aos associados da ABSMSE, aos Sargentos Vieira e Edgard, ao Capitão Ildomário, aos demais colegas advogados da associação e a todos os funcionários da entidade indistintamente, que sempre acreditaram no meu trabalho, e até mesmo aos que me criticaram em algum momento, pois as críticas, na minha opinião, sempre são importantes para o engrandecimento do ser humano.

Saio da ABSMSE de cabeça erguida e consciente do dever cumprido, e acima de tudo feliz por ter feito muitos amigos militares que saberei guardar para o resto da minha vida, pedindo a Deus que abençoe a todos.

Márlio Damasceno Conceição
Advogado

Fonte: Faxaju (Munir Darrage)

12 comentários:

Anônimo disse...

Lamentável a postura dos gestores da Caixa Beneficente Cel. Péricles e Cb. Palmeira de demitir advogados competentes como o Dr. João Bosco e o Dr. Márlio Damasceno, enquanto isso quem sofre somos nós associados, que cada vez mais temos menos advogados para nos defender. Será que esses gestores acham que cortar gastos é cortar advogados? Esqueceram que prometeram durante a campanha para eleição da Caixa Beneficente de que teríamos advogados cíveis e criminais todos os dias nos plantões? Só quero é saber se estes advogados irão para outra associação, pois se forem, farei questão de também ir e sair desta desorganização que está sendo a Caixa Beneficente. Até as reuniões agora são dentro do QCG. É, como os tempos mudam!

Anônimo disse...

GOSTARIA DE INFORMAR QUE CONVERSEI COM DR. JOÃO BOSCO E ESTE ME INFORMOU QUE NÃO FOI DEMITIDO, APENAS EM FACE DA GRANDE QUANTIDADE DE PROCESSOS QUE ESTVA DILIGENCIANDO E PELA FALTA DE TEMPO PEDIU PARA SAIR DA ENTIDADE. A DECISÃO FOI DO ADVOGADO.

Anônimo disse...

10 PASSOS PARA SE TORNAR UM COMANDANTE MEDÍOCRE...

1º Passo - Ser o comandante que não comanda

Ele tem como única preocupação o usufruto das regalias do cargo, desempenhando com maestria os simbolismos da função, mas sendo incapaz de fazer sentir a sua liderança (se é que tem) tanto quanto é incompetente para conquistar o respeito voluntário de sua tropa.

2º Passo - Não ser exemplo de liderança

Aquele comandante que nenhum outro comandante em níveis hierárquicos subordinados gostaria de seguir os passos.
É aquele que:
- Acha que o problema são os outros.
- Não exerce influência sobre a tropa.
- Não sabe quando assumir a responsabilidade.
- Falha seriamente com a mídia.
- Sempre obedece, mesmo quando raramente discorda.

3º Passo - Não saber ouvir

Ouvir é o instrumento básico do relacionamento humano. Ouvir para conhecer. Ouvir para prestigiar. Ouvir para incentivar. Ouvir para amadurecer. Ouvir para decidir. Conhecer o subordinado; prestigiá-lo como pessoa; incentivá-lo à participação. Amadurecer para decidir. Decidir para comandar! O comandante que não sabe ouvir é o mesmo que: - Não sabe ver a sua Corporação pelos olhos de sua tropa. - Nomeia as pessoas certas para as funções erradas. - Não sabe usar o poder mágico das palavras.

4º Passo - Não ter um objetivo e um sentido para o seu comando.

Um comandante precisa articular uma meta comum que inspire a sua tropa a se empenhar em conjunto. Além de ser capaz de angariar o apoio coletivo. Para ser medíocre, também: - Não consiga estimular a sua tropa. - Não se empenhe para desbloquear os canais obstruídos. - Não saiba tirar disciplina da liberdade concedida.

5º Passo - Criar um clima de desconfiança

Esta condição gera uma disputa interna por cargos e funções. Não há confiança e respeito entre os graduados integrantes da estrutura administrativa superior. Os atritos são constantes e geram fofocas e incidentes de assédio moral. Este comandante é aquele que: - Não aceita que até mesmo a pior falha pode ser superada. - Trata mal o portador das más notícias e com medalhas os bajuladores. - É incapaz de proteger a sua tropa contra os graduados lunáticos.
- Não quer ser o melhor, pois teme as responsabilidades decorrentes.

Anônimo disse...

CONTINUAÇÃO...

6º Passo - Buscar elogios e não resultados

Estes comandantes estão preocupados simplesmente em livrar as suas peles e manter as suas gratificações pelo maior tempo possível. Este comandante: - Não ajuda a derrubar barreiras. - Não aceita a opinião de sua tropa. - É autoritário.
- Não aceita erros, mesmo que estes ocorram com a intenção de fazer o certo.
- Acredita que as boas idéias só podem surgir na cabeça de coronéis.
- Não desafia a sua tropa para superar os limites.

7º Passo - Não assumir riscos calculados

Não compreende que atualmente as Corporações devem, para permanecerem vivas e fortes, elogiar e promover aqueles que correm riscos, mesmo que fracassem de vez em quando. Aqueles que nunca erraram nunca fizeram nada para melhorar a Corporação. Estes comandantes também: - Preferem as pessoas que seguem o padrão do que aquelas que pensam por si mesmas. - Não dão oportunidades aos profissionais promissores. - Têm medo de quebrar as regras que não fazem sentido.

8º Passo - Não preparar o seu pessoal

Estes comandantes menosprezam os treinamentos, pois querem simplesmente ver o pessoal em postos de serviço para dar uma satisfação aos políticos. Acham os cursos, estágios, treinamentos e outros, dispensáveis e de menor importância. Quando o GCM erra por falta de conhecimentos técnicos, este tipo de comandante quer crucificá-lo.

9º Passo - Estimule a desunião

O comandante que não é justo no estabelecimento de punições ou, pior ainda, na concessão de prêmios e condecorações, beneficiando preferencialmente aqueles indicados politicamente ou que se estruturam pela bajulação, em detrimento dos que realmente estão correndo os riscos da atividade policial, gera um clima de descontentamento e desunião no seio da tropa.

10º Passo - Não se preocupe com a qualidade de vida de sua tropa.

Os comandantes que não têm a menor preocupação com as condições de moradia, saúde, educação, lazer e salarial de sua tropa, não se preocupando com fatores importantes como: escala de serviço, ambiente de trabalho adequado, assistência médica, promoções, acompanhamento psicológico, assistência jurídica, etc; são os verdadeiros comandantes medíocres.

AUTOR DESCONHECIDO...

Anônimo disse...

Policiais civis de Alagoas entram em greve

Categoria reivindica reajuste de 60% do salário, diz Cobrapol.
Paralisação visa equiparar salário de agente e escrivão com o de delegado.

Os policiais civis de Alagoas entraram em greve na manhã desta terça-feira (26). De acordo com a Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis (Cobrapol), a categoria reivindica reajuste de 6% dos salários de agentes e escrivães, equiparando os vencimentos com o dos delegados, que é R$ 12 mil.

De acordo com a Cobrapol, agentes e escrivães ganham cerca de R$ 1,8 mil em início de carreira. Com a reivindicação, o valor passaria para R$ 7,2 mil.

A Secretaria de Defesa Social de Alagoas e a Polícia Civil ainda não se pronunciaram sobre a paralisação dos policiais sob a alegação de que não foram informados oficialmente pela categoria sobre a greve. Segundo a Cobrapol, o estado tem cerca de 1,9 mil policiais e a adesão da greve já atinge delegacias de Maceió e interior de Alagoas.

Ainda de acordo com a categoria, uma outra paralisação tinha sido feita de 8 a 11 de abril, com as mesmas reivindicações. O governo do estado fez proposta de reajuste de 5,91%, que foi recusada pelos policiais.

Fonte: G1

Anônimo disse...

20.4.11Rondônia: Representante da ASSFAPOM afirma que paralisação não acabou


No terceiro dia de greve dos policiais militares do Estado de Rondônia um novo embate surgiu nas negociações entre o Governo do Estado e a ASSFAPOM (Associação dos Familiares dos Praças da Polícia Militar do Estado de Rondônia), ou seja, parte das reivindicações foram aceitas pelo governador Confúcio Moura, porém, em nota o Governo do Estado comunicou que iria usar as medidas judiciais cabíveis.

De acordo com o representante da ASSFAPOM, Botelho, informou na manhã desta quarta-feira (20) que uma lista com 35 nomes de PMs feita pelo Governo seria na realidade mandados de prisão. Por este motivo que a greve ainda continua. Segundo Botelho, municípios como: Jaru e Vilhena (RO) aderiram à greve.

Botelho ressaltou em entrevista ao Jornal eletrônico Rondoniaovivo.com que demais associações não estão participando do movimento.

Fonte: Rondoniaaovivo.com

Anônimo disse...

Abuso de autoridade: Corpo de Bombeiros pune militares que fizeram protesto pacífico
Canalhice é a palavra para classificar a atitude do Coronel Pedro Marco Cruz Machado, Cmt do Corpo de Bombeiros. Além de passar fome o bombeiro não pode falar nada.

É a ditadura de Sérgio Cabral.



Coronel mancha a história do CMRJ e sua biografia pessoal ao punir militares por realizarem protesto pacífico em busca de salário digno. A tropa precisa reagir a esse ato arbitrário.

O Boletim interno do Corpo de Bombeiros divulgou ontem no início da noite a lista de 36 bombeiros guarda-vidas que foram transferidos de unidades em consequência de participação na manifestação pacífica realizada no domingo passado na orla de Copacabana. Nesse protesto, agentes do serviço reservado do Corpo de Bombeiros apreenderam uma das faixas que seria levada por um avião, impedindo até mesmo a decolagem da aeronave, no Aeroporto de Jacarepaguá.

A transferência dos militares - todos praças - é mais uma demonstração de arbitrariedade do comando do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro, que não admite o diálogo com a tropa e emprega métodos arcaicos da época do regime militar. Os bombeiros querem apenas ser ouvidos pelos seus chefes, como o comandante da corporação, coronel Pedro Marco Cruz Machado, e o secretário de Saúde e Defesa Civil, Sérgio Cortes, que também parece ignorar os apelos de seus subordinados. O que eles reivindicam é apenas melhores de condição de trabalho e aumento salarial, já que recebem o menor soldo do país, R$ 950 mensais, menos, portanto, que os policiais militares e se arriscam tanto ou mais do que esses.

O estado deu gratificação muito superior aos policiais civis e militares, alegando que os bombeiros não pertencem mais ao quadro da segurança pública do estado. De fato, desde que o governador Sérgio Cabral assumiu o governo, em 2007, os bombeiros foram transferidos da Segurança Pública para a Saúde, que passou a coordenar a Defesa Civil. A medida contraria o que está previsto no artigo 144 da Constituição, que determina as funções de cada órgão da segurança, incluindo os bombeiros, considerados forças auxiliares do Exército, como a PM. O Rio é hoje o único estado da federação em que os bombeiros estão subordinados à Secretaria de Saúde e não mais à de Segurança Pública.

Fonte: O Globo

Anônimo disse...

SGT GAMA disse...
DR. Márlio,
Seu trabalho em defesa dos companheiros policiais de sugurança pública ostensiva fez história e deixou marcas. Verdadeiro divisor d'águas.

Como sócio Lamento sua saída, entendo como um retrocesso e uma grande perda para todos nós que necessitamos de um profissional atuante e experimentado na seara do direito militar.
Não foi só um causídico, pude constatar que a atuação de vossa senhoria ultrapassou os limites do tecnicismo profissional para "vestir a camisa" em favor da classe, algo que ficou patente em vertidas lágrimas ao fim do julgamento dos "injustiçados", acusados de crime de motim.

Na qualidade de sócio sinto uma grande perda.

Obrigado por tudo!

O URSINHO BLABLAU disse...

TÁ CHORANDO NÃO É MARLIO, QUE UMA CHUPETA, VAI TRABALHAR QUE GANHAR DINHEIRO SEM FAZER NADA, EU LHE CONHEÇO.

Anônimo disse...

É importante esclarescer que Dr.Marlio não trabalhava para os sócios da ABSMSE, e sim para os cabo eleitoral de SGT. VIEIRA HERÓI DE ESPOSA E FILHOS.MEU DINDIN VIEIRA VC NÃO ROUBA MAIS.NÃO ADIANTA TENTAR BOICOTAR A GESTÃO DE PÉRICLES E PALMEIRA NÃO.PORQUE A TROPA SABE QUEM VC É.JÁ TRABALHEI COM VC E SEI COMO VC É MAU CARÁTER.

Anônimo disse...

Bem.aventurado é aquele que atende ao poder; o senhor o livrara no dia do mal. o senhor o livrara.eo conservara em vida;será abençodo na terra.e tu não o entregaras á vontade de seus inimigos.que deus te abençoi vc nao merese o que dizem pos esses nao te conhese ou tem muita inveja pos nao tem capasidade de chegar aos teus pes que deus te proteja pos quem tem deus o resto nao e nada seja vc mesmo alem de deus vc tem muitos amigos jesus te ama com fia neli bjs ........c

Anônimo disse...

Este blog está muito mal feito, com repetição de matérias, misturando notícias políticas com policiais (cada uma deve ter a sua área, e com fotos demais e desnecessárias dos sargentos "garoto propaganda". Horrível